Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Direto ao Assunto

Direto ao Assunto no YouTube: Água, esgoto e emprego

Direto ao Assunto no YouTube: Água, esgoto e emprego

Depois dr 20 anos de luta contra a resistência da esquerda atrasada, o governo e o Congresso aprovaram em quatro turnos a reforma constitucional do marco legal do saneamento básico. Foi aprovado na noite da quarta 24 de junho o relatório do senador Tasso Jereissati, negociado com o governo federal. Trata-se de um avanço civilizatório maior do que a reforma da Previdência. Dinheiro de investidores estrangeiros ajudará a enfrentar a pesada recessão econômica pós-pandemia e espera-se que se universalize o acesso a água encanada e esgoto no Pais até 2033, um feito que a Europa resolveu há séculos. Agora é ficarmos atentos para evitarmos desvios de corrupção e atrasos por incompeténcia, na esperança de que a nova lei traga empregos dignos e bem remunerados, afastando para longe o fantasma de falências e fome. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique no link abaixo:

Comentário no Jornal Eldorado: O marco legal do saneamento

Comentário no Jornal Eldorado: O marco legal do saneamento

Durante 20 anos, a esquerda corrupta e atrasada boicotou a votação no Congresso Nacional de uma emenda constitucional que tornasse viável a entrada de investimentos no Brasil para financiar as grandes e custosíssimas obras necessárias para universalizar esgoto sanitário e água limpa encanada nos lares brasileiros. Finalmente, na quarta-feira 24 de junho, o relatório preparado pelo senador Tasso Jereissati, do PSDB do Ceará, foi aprovado na quarta votação, a final, introduzindo no texto da Constituição a permissão para municípios fazerem parcerias com empresas privadas para acabar com a maior vergonha que o Brasil passa no mundo: metade da população sem esgoto e 30% sem água encanada. Isso ocorreu porque alguns esquerdistas tiveram juízo e só sobraram 13 negacionistas.

Para ouvir comentário clique no play abaixo:
 
Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.
 
 

Assuntos para comentário da quinta-feira 25 de junho de 2020:

1 – Haisem – Projeto de saneamento é aprovado e vai à sanção – é título de chamada no alto da primeira página da edição impressa do Estadão hoje. Qual a importância deste marco legal de água e esgotos na tentativa de superar a recessão econômica no pós-pandemia

2 – Carolina – STF impede Estados e municípios de cortar salário de servidores – Esta é a manchete de primeira página do Estadão hoje – Que efeitos práticos esta providência terá sobre o cotidiano do brasileiro

3 – Haisem – Heleno confirma troca de segurança de Bolsonaro no Rio e enfraquece defesa do Planalto – esta é a manchete do noticiário da Editoria Política no Portal do Estadão agora. Que conseqüências esta afirmação trará para o destino do presidente da República no inquérito no Supremo Tribunal Federal sobre acusações do ex-ministro Moro a seu ex-chefe

4 – Carolina – O que você tem a nos dizer sobre as críticas que o ministro do Tribunal de Contas da União Vital do Rego fez à falta de estratégia da autoridade pública brasileira no combate ao novo coronavírus

5 – Haisem – O Ministério Público do Rio deve pedir amanhã indiciamento do senador Flávio Bolsonaro e mais um político por suspeita de chefiar organização criminosa no escândalo da rachadinha na Assembleia Legislativa do Estado. Que conseqüências práticas pode ter essa iniciativa

6 – Carolina – Será um exagero, a seu ver, considerar o ex-advogado de Jair e Flávio Bolsonaro Frederic Wassef o novo homem-bomba que ameaça a família do presidente da República depois da prisão do ex-faz-tudo do senador Fabrício Queiroz na casa dele

Artigo no Estadão: O bandido Adriano e a famiglia Bolsonaro

Artigo no Estadão: O bandido Adriano  e a famiglia Bolsonaro

José Nêumanne

MP do Rio desvenda relações promíscuas

entre ex-faz-tudo de Flávio e milícia carioca

As patranhas que envolvem o escândalo no gabinete do senador Flávio, primogênito do presidente Jair Bolsonaro, quando era deputado estadual começam na denominação íntima da prática criminosa investigada pelo Ministério Público (MP) do Rio: “rachadinha” ou “rachid”. Para chamar delitos por sua gravidade real urge usar nomes com que os define o Código Penal: peculato (uso de dinheiro público para proveito pessoal), corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Os seis anos da Operação Lava Jato familiarizaram o brasileiro com o que se faz em Casas Legislativas do País por parlamentares de todos os entes federativos e sem exceção de legendas. Ou seja, contratar por vencimentos superiores à média servidores dispensados do expediente e obrigados a entregar parte do que ganham aos empregadores.

O filhote 01 do fundador da “nova política” é acusado de chefiar malfeitores que atuaram em seus quatro mandatos na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Conforme o MP do Rio, cuidava disso o ex-subtenente da Polícia Militar (PM) fluminense Fabrício Queiroz, preso numa operação conjunta das Polícias Civis do Rio e de São Paulo com autorização do juiz Flávio Itabaiana e supervisão da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Esta se tornou necessária pelo expediente a que recorreu o dono da casa, onde foi encontrado o acusado, de pôr na parede a placa do escritório de advocacia Wassef & Sonnenberg (nome da cidade polonesa de um campo de concentração nazista e sobrenome da prima e sócia). Imagens do vídeo produzido pelas autoridades revelam a associação entre tirania, representada por um cartaz referente ao AI-5, sigla com que se sintetiza a ditadura militar, e a Máfia, simbolizada pelo boneco de Tony Montana, personagem do filme Scarface, gângster cruel de Miami na Lei Seca.

A biografia profissional do dono do imóvel que serviu de cativeiro ao protagonista do escândalo acrescenta a essas referências a atuação do ex-advogado do presidente da República e de seu filho senador em denúncias de infanticídios. Frederick Wassef era devoto da seita satânica Lineamento Universal Superior (LUS), liderada por Catarina de Andrade, autora do livro Deus, uma Grande Farsa, acusada e inocentada por falta de provas do desaparecimento de dois garotos de 6 anos em Guaratuba (PR), em 1992. Ele também advogou para Catarina, indiciada como mentora intelectual de 18 homicídios de meninos com idades entre 8 e 14 anos, de 1989 a 1993, no Pará e no Maranhão. Segundo os autos, os assassinatos faziam parte de um ritual de “magia negra”. Desses, cinco corpos não foram encontrados, três sobreviveram mutilados e 11 foram assassinados e castrados em Altamira (PA).

Wassef, que se jacta de ter dado ao deputado Bolsonaro a ideia de se candidatar à Presidência, obteve liminar do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, paralisando por seis meses as investigações financeiras do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) para beneficiar Flávio e outros. Mas o plenário anulou seus efeitos. Com isso foi retardada, mas não impedida a investigação do MP do Rio, que contém imagens de Fabrício pagando boletos de escolas das filhas e mensalidades de planos de saúde do chefe na Alerj.

O inquérito resultou na prisão preventiva do ex-companheiro de pescarias do presidente na casa do ex-advogado da famiglia Bolsonaro, desnudando a relação de Fabrício com o capitão Adriano da Nóbrega, chefão da milícia do Rio das Pedras e do Escritório do Crime. O depósito de mais de R$ 400 mil em dinheiro vivo do miliciano na conta do ex-faz-tudo do 01 soma-se agora às manifestações de simpatia do presidente e do senador pelo criminoso executado na Bahia. Jair, então deputado federal, prestigiou seu julgamento por homicídio e ordenou que o filho o condecorasse com a Medalha Tiradentes na cela onde vivia. Flávio ainda manifestou seu apreço por Adriano à época de sua morte, ocasião em que Fabrício se disse muito triste por ter perdido um amigo.

Embora peculato, corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa sejam tipificações penais muito graves, elas não são comparáveis à conexão com milícias, grupos mafiosos que espoliam comunidades pobres e matam quem atravessar o seu caminho. Nunca foi secreta a generosidade com que o presidente e o senador transformaram seus gabinetes em associações assistencialistas de familiares “desamparados” de milicianos, empregando-os sem exigir que trabalhassem. Foi o caso de Raimunda Veras Magalhães, mãe de Adriano. Outra beneficiária da caridade com chapéu alheio (dinheiro público) do clã presidencial, Márcia Aguiar, mulher de Fabrício, é agora foragida da Justiça.

Com mais de 1 milhão de casos e de 50 mil mortos pela covid-19, aos quais o presidente Jair Bolsonaro nunca deu a mínima atenção, tratando a pandemia como um “resfriadinho”, a crise sanitária e a depressão econômica são usadas por líderes das instituições democráticas como pretextos para não fazerem o que urge ser feito: fora, Bolsonaros. Fazem o que de pior pode acontecer com o Brasil.

*Jornalista, poeta e escritor

(Artigo publicado na Página A2 do Estadão na quarta-feira, 24 de junho de 2020)

Para ler no Portal do Estadão clique aqui.

Comentário no Jornal Eldorado: Fake news no Diário Oficial

Comentário no Jornal Eldorado: Fake news no Diário Oficial

Jair Bolsonaro não se emenda. Quando demitiu Maurício Valeixo da diretoria-geral da Polícia Federal mandou publicar no Diário Oficial com assinatura do então ainda ministro da Justiça, Sérgio Moro, que não havia nem sido informado do ato. Agora protagoniza mais uma lambança. Após ter participado de uma farsa em vídeo transmitido nas redes sociais, ao lado do então ministro da Educação, Abraham Weintraub, participou de uma armação para permitir a entrada do parlapatão nos EUA sem se submeter à quarentena exigida pelo governo americano para quaisquer passageiros de voo iniciado no Brasil. Para tanto, o farsante usou passaporte diplomático e só depois de ele estar em segurança a exoneração “a pedido” foi publicada no Diário Oficial, que perde a boa fé de ofício.

Para ouvir comentário clique no link abaixo e, em seguida, no play:
Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.
 
 

Assuntos para comentário da quarta-feira 24 de junho de 2020:

1  – Haisem – Governo “ajusta” datas da exoneração de Weintraub – é a manchete da editoria de política do Portal do Estadão agora. Qual é, a seu ver, a importância do uso do Diário Oficial para teoricamente facilitar a entrada do ex-ministro da Educação nos Estados Unidos sem fazer quarentena exigida de passageiros brasileiros pelas autoridades

2 – Carolina – Que motivos teria o governo para suspender multa de 27 milhões de reais ao consórcio da oficialmente ex-mulher do advogado de Jair e Flávio Bolsonaro neste momento de tanta penúria financeira, em que reclama de falta de recursos para socorrer os pobres na pandemia

3 – Haisem – O que você aborda em seu artigo publicado hoje na página de Opinião do Estadão, intitulado O bandido Adriano e a famiglia Bolsonaro

4 – Carolina – “Ninguém mais discute se o presidente vai sair. A dúvida é como vai sair” – é a frase do artigo da coluna de Rosângela Bittar destacada no alto da capa do Portal do Estadão neste momento. O que você acha disso tudo neste momento de tempestade perfeita

5 – Haisem – Saneamento deve ter nova lei após consenso entre Senado e governo – é a manchete da edição impressa do Estadão de hoje. Já é o caso de comemorar esta auspiciosa notícia, mas pode haver contratempos que adiem essa comemoração

6 – Em São Paulo, há 1 milhão e 160 mil de infectados e periferia tem mais mortos – Este é o título de uma chamada da primeira página do Estadão. Esta notícia muito trágica o surpreendeu de alguma maneira

 

Comentário no Jornal da Gazeta: Heleno desmente Bolsonaro

Comentário no Jornal da Gazeta: Heleno desmente Bolsonaro

O chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general Augusto Heleno Ribeiro Pereira, mandou ofício à Polícia Federal esclarecendo que o presidente Jair Bolsonaro não encontrou “óbices e embaraços” para fazer substituições na equipe de segurança pessoal e da família e com isso desmentiu a falsa versão com que seus colegas de farda e de ministérios no Planalto, Walter Braga Neto e Luiz Eduardo Ramos, tentaram livrar a cara do chefe no processo das acusações do ex-ministro Sérgio Moro de que ele havia tentado interferir politicamente na Polícia Federal na famigerada reunião de 22 de abril, cujo vídeo teve o sigilo quase totalmente levantado pelo decano do STF, Celso de Mello. Um deles, Ramos, argumentou até que Bolsonaro olhou para Heleno quando ameaçou intervir, e não para Moro. Mas o vídeo mostra exatamente o contrário. É compreensível: talvez o general, ainda na ativa, não distinga muito bem direita de esquerda. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver comentário no Jornal da Gazeta na quarta-feira 24 de junho de 2020, às 19 horas, clique no link abaixo:

Comentário no Jornal Eldorado: STF corrige Bolsonaro

Comentário no Jornal Eldorado: STF corrige Bolsonaro

³O ministro que será presidente do STF em setembro, Luiz Fux, esclareceu de forma definitiva, para não deixar nenhuma dúvida, que em nenhum momento o colegiado da Corte eximiu o presidente Jair Bolsonaro de responsabilidade pela liderança no comando do combate ao novo coronavírus numa live do jornal O Globo da qual participou. Os bolsonaristas têm adotado como um mantra a afirmação sem base na lógica, na verdade nem na Constituição que a cúpula da Justiça transferiu essa responsabilidade para governadores e prefeitos. Esta é a burrice de má-fé. O presidente finge que não entendeu que a decisão do Supremo foi responder a uma consulta da chefia do Executivo sobre sua eventual interferência em decisões de Estados e municípios de isolamento social. E ponto final.
Para ouvir comentário clique no play abaixo
 
Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.
 
 

Assuntos para comentário na terça-feira 23 de junho de 2020:

1 – Haisem – Por que, na sua opinião, o ministro Luiz Fux, que será presidente do Supremo Tribunal Federal em setembro, se sentiu obrigado a esclarecer que não eximiu governo de responsabilidade na pandemia, ao contrário do que propagam o presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores

2 – Carolina – Que sinal você vê na notícia de ontem de que youtubers investigados pelo Supremo Tribuna Federal por fake news e atos antidemocráticos apagaram mais de 3 mil vídeos desde maio O que será que eles temem tanto

3 – Haisem – O título de seu artigo editado no Blog do Nêumanne no Portal do Estadão é Weintraub fugiu com ajuda do chefe. O que você revela nesse texto

4 – Carolina – MEC revoga portaria de Weintraub que acaba com incentivo a cotas na pós graduação. Esta notícia, publicada na editoria de Educação do Estadão, prenuncia o que, a seu ver, no que concerne à gestão da educação pública no Brasil depois da saída do ex-ministro mais polêmico da história da pasta

5 – Haisem – Lobistas de armas tiveram pelo menos 73 audiências no governo – esta é a manchete da edição impressa do Estadão de hoje. O que esta notícia revela sobre a atual gestão federal

6 – Carolina – Será que a providência anunciada ontem pelo governador do Estado de São Paulo, João Doria, de providenciar um retreinamento do comando da Polícia Militar reduzirá a onda de violência policial nos bairros pobres da capital

Página 15 de 782«...510...1314151617...2025303540...»
Criação de sites em recife Q.I Genial