Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Transcrições

Os dez mandamentos para um escritor iniciante no Brasil

Os dez mandamentos para um escritor iniciante no Brasil

(Palestra de José Nêumanne Pinto no sarau de um ano do Por do sol Literário do grupo Sol das Letras nos jardins da Academia Paraibana de Letras, em João Pessoa, quinta-feira 11 de dezembro de 2014)

1 – O primeiro mandamento é recusar a mediocridade, pois para escrever bem é preciso ter tolerância zero para o erro.

Conheci o prazer de fruir a boa literatura antes de aprender a ler. Minha mãe dizia de cor poemas nas noites escuras e quentes do sertão na calçada da casa onde morávamos em Uiraúna. Ali travei contato com Augusto dos Anjos, Jansen Filho, Casimiro de Abreu e, principalmente, Antônio Frederico de Castro Alves, os favoritos dela. Na primeira infância, me arrisquei a escrever logo depois de me ter iniciado no prazer da leitura. Foi aí que percebi que para escrever bem é preciso ler o máximo possível. Mas, de preferência, só ler coisas boas. A má leitura é nociva à boa escrita. O primeiro duro desafio para o autor iniciante é separar o joio do trigo. Certa vez, em Buenos Aires, o genial ficcionista portenho Jorge Luis Borges me disse que a imprensa é uma desgraça da humanidade, pois bom mesmo era o tempo dos papiros, pergaminhos e dos palimpsestos (principalmente neste caso, pois um texto teria de superar o outro para ser inscrito em cima dele), quando reproduzir a escrita dava muito trabalho, não era mecânica, como passou a ser por causa do prelo. Um dos escritores favoritos de Borges, o britânico Chesterton, escrevia muito para jornais, mas dizia que quando desejava saber do que se passava na humanidade lia a Bíblia.

Os grandes escritores acabam por adquirir autonomia para o exercício seletivo do livre arbítrio em meio à profusão de publicações que a indústria editorial oferece. Cada dia fica mais fácil reproduzir escritos e cada dia mais proliferam textos ruins, que os autores praticamente impõem aos editores e estes aos leitores. Qual terá sido o efeito disso na enorme oferta de livros pela indústria editorial e na queda de qualidade? O grande poeta paraense Ruy Barata dizia nos “botecos literários” de Belém: “Uma livraria tem um poder enorme; para o bem ou para o mal. Sua vida inteira pode depender da escolha que, dentro dela, você vier a fazer”.

Ou seja, o autor iniciante precisa ser vacinado contra a pior das pragas literárias, a contaminação da mediocridade. A mediocridade é ostensiva, exibicionista e tirânica. O medíocre não se contenta em sê-lo. Ele quer ter cúmplices. Danou-se: senti-me incorporando Nelson Rodrigues ao lhes afirmar isso. Mas voltemos ao rés do chão. Eu tenho fama de ser malvado e até grosseiro, mas até hoje nunca tive coragem de rejeitar de cara um livro ruim que me oferecem. Minha mãe ficava furiosa com minha mania de corrigir os erros de português da conversa de suas amigas. Talvez por isso, sinto certa dificuldade até para não por na estante a má obra, capaz de contaminar as melhores na minha biblioteca.

No avião, vindo para cá, prometi a Isabel que vou jogar fora todos os livros medíocres em nossa casa. Vai ser uma limpeza e tanto. Neste particular, há o que chamo de ponto de corte, como se estivesse corrigindo uma prova de vestibular: é o erro gramatical. Já recebi livro com erro gramatical no título, na capa. Vou continuar recebendo, mas não guardarei mais. Um escritor que comete erro gramatical é como se fosse um mecânico que não sabe como funciona o motor nem para que serve o combustível. Para a mediocridade a tolerância tem que ser zero.

2 – O segundo mandamento é vencer a maldição da fuga do profeta.

Um de meus textos favoritos é o Sermão da Sexagésima, do padre Antônio Vieira. Nele o grande pregador diz que há dois tipos de sacerdotes, os párocos e os missionários. É uma lição de vida. Ao contrário do que reza o ditado, o profeta pode, sim, ser ouvido em sua terra. Márcia Lígia Guidin, da Miró Editorial, me pediu para lhes contar que o bom escritor não precisa sair de sua cidade para publicar. Concordo com ela. Marisa Lajolo (pesquisadora, assessora do prêmio Jabuti e autora de Do mundo da leitura para a leitura do mundo) e a vida lhe dão razão: Waldemar Solha mora em João Pessoa e mantém a alta qualidade de seus textos de crítica e ficção. Relato de Prócula, editado originalmente na Girafa, uma editora da qual fui sócio, é um exemplo. O poeta amazonense Aníbal Beça nunca saiu de Manaus, é pouco conhecido no resto do Brasil, mas famosíssimo no Caribe. Assim também ficaram em Belém os magníficos poetas João Jesus de Paes Loureiro, Pedro Galvão e Ruy Barata, que ciceroneou uma visita de Elizabeth Bishop à Amazônia e isso está registrado nas cartas dela.

Socorro Acioly, 39 anos, nascida em Fortaleza, que estreou com O pipoqueiro João, publicado pela editora Nação Cariry, quando ela tinha 8 anos, não precisou sair de Fortaleza para ganhar com seu livro Ela tem olhos de céu, o prêmio Jabuti de Literatura Infantil de 2013. Outro exemplo em Fortaleza é o da editora Tupynankin, do cordelista Klevisson Viana. Moram em Recife o médico cearense Ronaldo Correia de Brito, autor de Galiléia, Prêmio São Paulo de literatura, editado pela Cosac & Naif, a mais chique editora brasileira; o historiador Frederico Pernambucano de Melo, que escreveu Guerreiros do sol; e a psicanalista Maria Cristina Cavalcanti de Albuquerque, autora do primoroso romance Luz do Abismo, os dois últimos editados por mim na Girafa.  Everardo Norões, que nasceu no Crato e viveu na França, Argélia e Moçambique, agora foi publicado pela Confraria do Vento, pequena editora carioca, da qual é sócia a recifense Karla Melo e venceu o prêmio Portugal Telecom com a coletânea Entre moscas, superando Antônio Prata e outros cronistas de grandes jornais. O poeta Mário Quintana nunca saiu do Rio Grande do Sul nem o folclorista Câmara Cascudo do Rio Grande do Norte. Dalton Trevisan ganhou fama internacional morando em Curitiba. O poeta Manoel de Barros morreu há pouco tendo passado a vida inteira em seu Mato Grosso natal. Muita gente na província tende a encarar o avião para o Sudeste como o caminho da salvação. Este é “um ledo e ivo engano”, como diziam antigamente os gozadores bem informados na Praça do Rotary, na Campina Grande de minha adolescência.

3 – O terceiro mandamento é não se desesperar com as tentativas malogradas de convencer um editor de sua genialidade ignota.

Chegamos agora ao desafio da estreia. Primeiramente, não se apresse, pois não há limite de idade. Ana Luisa Escorel, paulistana, 70 anos, filha da professora Gilda e de Antonio Candido de Melo e Souza, o mais venerado crítico literário brasileiro, venceu o Prêmio São Paulo de 2014, o de maior valor monetário, com o romance Anel de vidro, ao lado de Verônica Stigger, gaúcha, de 41 anos, estreante, com Opisanie swiata (Cosac & Naif), título que supera em complexidade A intertextualidade das formas simples, de nossa amiga Betinha Marinheiro.

Wander Soares, que dirigiu a Saraiva, me pediu que contasse a vocês que há dois meios de editar um livro no Brasil hoje: a autopublicação e a maratona da aprovação por uma editora estabelecida, não necessariamente no Sudeste ou no Sul. A primeira pode ocorrer de duas maneiras: assumir a missão de imprimir e vender ou pagar para um profissional fazer isso. Há editores que por dinheiro fazem qualquer negócio. Outros, não: exigem qualidade. Lembro-me de um jantar com meu saudoso amigo Luiz Augusto Crispim no qual ele me contou que, sendo um autor bem vendido de compêndios na área jurídica na Saraiva, teria de financiar a própria edição de livro de poesia ou ficção desde que, primeiro, passasse pelo crivo de qualidade do grupo editorial. Ele tinha que apresentar um bom livro e pagar por sua edição. Assim também agia o badalado editor Massao Ohno, que pontificou em São Paulo nos anos 60 e 70. Mas há também editores que, tendo a edição paga, editam qualquer coisa.

A maratona é dura e exige paciência. Mande o texto para um editor e saiba que só terá noção do destino dele se aquele editor resolver publicá-lo. Receber o texto recusado de volta, nem pensar. Custa caro. E muito editor nem o lerá. Mais fácil será jogá-lo no lixo. Mas nunca perca a esperança. Faça cópias e mande para outros. Se não conseguir furar o bloqueio, que não é fácil, poderá optar também pela nova opção do livro editado por internet. Muita gente tem apelado para isso com êxito. Não há mais editores como José Olympio, que publicou tudo o que os grandes autores brasileiros, que frequentavam sua livraria no centro do Rio, escreviam. Nem como Ênio Silveira, que se tornou um ícone da resistência de esquerda à ditadura militar na Civilização Brasileira, cujos livros eu lia sofregamente à época de minha adolescência em Campina Grande, comprando-os na Livraria Pedrosa. Aliás, não há mais Livraria Pedrosa. Nem a Livraria Teixeira na rua Marconi, no centro de São Paulo, que eu costumava frequentar nos anos 70 ao lado do poeta Ronaldo Cunha Lima, que trabalhava no Banco Industrial de Campina Grande, no mesmo quarteirão. Agora as livrarias são shopping centers que vendem de tudo, também às vezes livros. Sou rato de livraria desde a infância e agora tive de me acostumar a um novo hábito: mesmo diante de estantes cheias, nunca encontro o livro que procuro, como encontrava antes. Agora tenho de encomendá-lo. Qualquer livraria, salvo raras exceções, só vende o que lhe é pedido. Nem assim, tem compra firme nem o livro é faturado. Quando fui editor na Girafa, começou o hábito da consignação. Agora sem consignação não há salvação. O editor só conseguirá entregar o livro se o receber de volta se não vender. E mesmo que venda muito, ele não fatura a reposição, mas põe em consignação. É o novo jeito de fazer negócio.

Ainda segundo Wander Soares, que dá consultoria a grandes editores, há duas novidades mais hoje em dia. A primeira é a globalização. Cada vez mais mandam no mercado editorial brasileiro as multinacionais, principalmente europeias, mas também americanas. E a globalização tem mão inversa: agora o editor brasileiro aposta no mercado externo. De modo geral, ele ainda sonha com a publicação de um autor que lhe reserve um lugar na história da literatura. Mas isso é cada vez mais raro. O livro é cada vez mais um negócio globalizado. Por isso, não se usa mais a palavra “originais”. Hoje está na moda o projeto. Você apresenta um projeto, o editor faz o cálculo se pode ser lucrativo ou se ao menos paga as despesas. E aí pode decidir a seu favor. Ou não. Feiras de livro como a de Frankfurt, na Alemanha, são vitrines poderosas neste novo negócio globalizado.

A figura do editor, que acompanha o autor, aconselha, de certa forma e influi, até corrige textos, como fazem Pedro Paulo de Sena Madureira, que está fora do mercado no momento, e seu discípulo José Mário Pereira, da Topbooks, que editou meu último livro, O que sei de Lula, é cada vez mais rara. Hoje predomina o publisher, o profissional que faz negócio com o livro. Uma coisa, contudo, não mudou: o assessor, como Wander, ainda aponta, indica, influi. Este é capaz de ler as primeiras cinco páginas, quando muito, de um projeto e saber se vale a pena continuar, ou não. Ou seja, mesmo nesta época da cultura de massa, da globalização das grandes editoras (espanholas, italianas, inglesas, americanas, etc.), o livro ainda tem a importância que tinha no passado, a despeito das mudanças de rota.

Meu editor e amigo José Mário Pereira, que é sócio da mulher, Christine Ajuz, que trabalhou comigo no Jornal do Brasil, é otimista em relação à sobrevivência do livro como suporte de conteúdo. Ele me mandou uma mensagem respondendo a algumas perguntas a respeito do tema e nela me escreveu: “Mesmo diante dos vaticínios tempestuosos de alguns, que dizem que o livro no seu formato tradicional logo vai acabar, nunca se imprimiu tanto. Mesmo os que se valem de instrumentos eletrônicos para ter acesso a certos livros acabam por comprar também o livro em papel. Há estatísticas que comprovam esse fato. Mesmo como a facilidade de se obter informação pela televisão e pelo computador, o livro continua sendo o meio mais eficaz de apreensão e fixação do conhecimento. As grandes bibliotecas do mundo todo continuam a comprar livros, embora estejam preocupadas também em digitalizar o seu acervo. Nos Estados Unidos, por exemplo, compra-se tudo que se publica no Brasil. As bibliotecas americanas disponibilizam para o pesquisador livros brasileiros raros, que aqui se demora a localizar em nossas melhores bibliotecas. Wilson Martins costumava dizer que só escreveu a História da inteligência brasileira porque o fez nos Estados Unidos, onde era fácil pesquisar e o sistema de empréstimo entre bibliotecas realmente funcionava.

Zé Mário tem razão. O Sindicato Nacional dos Editores (Snel) e a Câmara Brasileira do Livro (CBL) costumam encomendar pesquisas sérias sobre o desempenho e a expansão do nosso mercado livreiro e, ao que tudo indica, a indústria editorial brasileira passa por um período de grande vitalidade. São muitas as feiras editoriais que se realizam pelo país afora, a começar pela Bienal do Livro, e, ao que se sabe, o resultado final tem deixado contente o mercado. Essas feiras ainda ajudam a democratizar o livro junto às classes menos favorecidas, pois nelas muitos livros são vendidos com descontos que estimulam a compra.

De acordo com a pesquisa bastante confiável da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Sindicato Nacional dos Editores e Livreiros (Snel), conforme me informou Cristina Lima, da Câmara, em 2013 foram vendidos no Brasil 279 milhões e 660 mil exemplares de livros – 4,13% mais do que os 278 milhões e 560 mil vendidos em 2012. Deste total o governo comprou 200 milhões e 300 mil em 2013, um número bem maior do que os 166 milhões e 350 mil comprados em 2012. O faturamento total – considerando vendas ao governo, em livrarias ou por outros métodos – foi de R$ 5 bilhões e 350 mil em 2013, um aumento real de 1,52% em relação ao apurado em 2012, considerando-se o IPVA de 5,91%. E o preço real de capa aumentou 1,7% de 2012 para 2013.

Convenhamos que não é um mau resultado, mesmo se se considerar que o perfil desse crescimento não foi alentador, pois mostra o declínio de obras de qualidade e o constante aumento da produção de livros religiosos, de autoajuda e didáticos. Neste último o crescimento, mesmo tímido, se deve quase todo aos programas de compra e distribuição de livros do governo federal, que é o maior comprador das editoras no País e um dos maiores do mundo, só perdendo neste particular no mundo para o México.

4 – O quarto mandamento é perseverar, pois ainda é possível um autor desconhecido publicar seu livro.

Antes de abordar este quarto mandamento, contar-lhes-ei três histórias clássicas de descobertas de autores que se consagraram.

O poeta e banqueiro Augusto Frederico Schmidt descobriu Graciliano Ramos lendo no Diário Oficial a prestação de contas dele como prefeito de Palmeira dos Índios. O poeta achou o texto bem escrito e tratou de escrever ao prefeito alagoano para dizer que, se tivesse algum romance na gaveta, o enviasse para ele ler. Foi aí que resolveu editar Caetés, livro de estreia do mestre Graça.

Nos anos 50 o jornalista alagoano Audálio Dantas fazia uma reportagem para a Folha de S.Paulo na favela do Canindé em São Paulo quando conheceu Maria Carolina de Jesus, que lhe mostrou anotações em papéis amarfanhados. Foram o ponto de partida para Quarto de despejo, um dos livros de maior sucesso no Brasil em todos os tempos.

Adélia Prado mandou sua obra poética para Carlos Drummond de Andrade. O poeta a leu e ficou fascinado. Chamou seu amigo e exegeta Affonso Romano de Sant’Anna e os dois procuraram Pedro Paulo de Sena Madureira, editor à época da badaladíssima Nova Fronteira, de Carlos Lacerda. O livro foi publicado com texto introdutório da ensaísta Margarida Salomão. A noite de autógrafos foi uma das mais concorridas à época. Até Juscelino Kubitschek compareceu. Adélia ainda faz tanto sucesso que dia destes participei de um público entusiasmado que a ouviu e aplaudiu no enorme teatro do TUCA, lotado, em São Paulo. Negando a teoria de que o profeta tem de sair de sua terra para ser ouvido, até hoje Adélia mora em Divinópolis e só sai de lá para ser ouvida e aplaudida no mundo inteiro, mas depois volta ao interior de Minas, onde nasceu e vive.

Raimundo Gadelha acha impossível que estas histórias se repitam hoje em dia. Segundo ele, somente se houvesse uma “trama mirabolante” de uma instituição com poder para tal e de olho nos desdobramentos (financeiros, principalmente) de que, a médio e longo prazos, poderia se beneficiar. Márcia Lígia Guidin, da Miró, que acaba de editar o excelente romance O incrível testamento de Dom Agápito, de Helder Moura, lançado originalmente pela Chiado, editora portuguesa, discorda dele: “Creio que estes casos podem acontecer de novo, embora seja mais difícil encontrar padrinhos suficientes, de vez que há escritores demais”, disse-me ela.

5 – O quinto mandamento reza que o autor iniciante precisa estar atento para aproveitar as oportunidades que aparecem.

Este foi o meu caso. Sempre fiz sucesso como jornalista, mas tudo o que eu queria era ser reconhecido como literato. Embora nunca tenha misturado uma coisa com outra, até porque estas coisas não se misturam, nunca tive vergonha de usar o poder conquistado no jornal para abrir espaço no universo das letras.

Aos 30 e poucos anos, eu era secretário de redação do poderoso Jornal do Brasil no Rio e procurei Pedro Paulo de Sena Madureira, com quem eu tinha trabalhado em 1969 na Editorial Bruguera em Olaria, em pleno vapor na Nova Fronteira, para editar um livro de poesia, Os solos do silêncio, prefaciado pelo respeitado poeta, crítico e tradutor José Paulo Paes. Pedro aprovou o livro, mas saiu da Nova Fronteira depois de brigar com Sérgio Lacerda, filho do ex-governador e herdeiro da editora. Sérgio escreveu para meu patrão, Nascimento Brito, insinuando que eu teria um caso homossexual com o ex-editor dele. No fim, para evitar confusão, o livro foi editado pela Secretaria de Cultura da Paraíba no governo Milton Cabral. O secretário era Lula Crispim. E o governador, ao receber o exemplar autografado das mãos de meu pai, balançou-o no ar, como se fosse um bezerro para pesar, e reclamou que era fino e leve demais para ter algum valor. Meu primeiro grande sucesso foi a cobertura que fiz como editor de política do Estadão da campanha presidencial de 1989 e foi editado por Pedro Paulo na Siciliano. O resultado, o livro Atrás do Palanque, passou seis meses na lista de dez mais vendidos da revista Veja. Isso e mais o prêmio Senador José Ermírio de Moraes da Academia Brasileira de Letras de 2005, que ganhei com o romance O silêncio do delator, considerado o melhor livro de 2004, me garantiram recepção razoável de editores para meus livros, já perfazendo hoje um total de uma dúzia.

Nem tudo o que aconteceu comigo acontecerá automaticamente com qualquer outro iniciante. Mas meu exemplo serve para mostrar que um bom trabalho no jornalismo ou em publicidade pode favorecer o escritor a realizar seu sonho de estrear no mercado livreiro.

Neste sentido, Zé Mário me pediu que lhes contasse que, como aconteceu comigo, hoje muitos autores são descobertos devido à atuação profissional deles na imprensa, na internet ou na televisão. É o caso da atriz Fernanda Torres, por exemplo, cujo romance de estreia, Fim, vendeu mais de cem mil exemplares e agora está sendo lançado em várias línguas. Gregório Duvivier, que  virou bestseller, Daniel Galera, autor de grande fortuna crítica, e outros de que se fala muito agora foram descobertos via presença na mídia, e não porque procuraram, como se fazia tradicionalmente, uma editora ou um editor.

6 – Nem tudo está perdido para quem tem fé, talento e força de vontade – este é o sexto mandamento.

Para autores nunca publicados episódios similares ao da corrente que revelou Adélia Prado – Drummond, Affonso, Pedro Paulo – são cada vez menos prováveis. Mas não impossíveis. Zé Mário garante que as editoras recebem e avaliam muitos originais, que agora também são encaminhados via internet de todo o Brasil e às vezes até de fora do País. O acesso ao mercado editorial se democratizou. É bom lembrar que muitos autores estão colocando seus textos na internet, às vezes livros inteiros. E nesse processo se tornam conhecidos, despertando o interesse das editoras quando se trata de obra de valor literário indiscutível.

 “Sim, é possível e até não é tão difícil assim”. O grande problema, segundo Raimundo Gadelha, da Escrituras, é o que fazer com isso, se este é um país que, além de ler muito pouco, tem uma população que, em condições normais de temperatura e pressão, cresceu “aprendendo a ler mal”.

Além do mais, ainda conforme Gadelha, tornou-se quase insolúvel a questão da distribuição do livro no Brasil e no mundo. E ela se tem agravado depois de o livro ter passado a receber o mesmo tratamento dado à chamada fast food. Esgota-se cada vez mais a possibilidade de grandes e perenes obras. Em seu lugar ganha força a “leitura de rápido consumo” e, para os empresários das redes de livrarias, menos importa a qualidade do que um giro rápido pelos caixas.

Mas a boa literatura ainda tem seu lugar no mercado. Qualidade também ajuda a vender, embora não seja suficiente isoladamente.

7 – O sétimo mandamento é mandar textos para os inúmeros concursos literários existentes no País. Há que se informar sobre eles e se inscrever em todos quantos for possível fazê-lo.

Tais concursos hoje em dia podem ser uma boa fonte de renda (há prêmios bem suculentos, como o São Paulo de Literatura) para quem os vença. Além disso, eles servem realmente de peneira para que autores desconhecidos e de talento sejam publicados e, depois, façam sucesso. Ser desconhecido, vencer um concurso e ser publicado é, sem dúvida, o primeiro passo e representa uma conquista da maior importância. Mas voltamos ao velho problema da distribuição… Tirando o orgulho e a satisfação pessoal do autor, de que vale a editora publicar se a grande maioria das livrarias não aceita, mesmo em consignação, os livros?

Outro caminho é participar das feiras literárias. Sem elas a situação, certamente, estaria ainda pior, embora sejam cada vez  mais realizadas para o turismo do que para a cultura. Elas ajudam o escritor iniciante, porque dentro delas, ou na periferia delas, sempre se encontra espaço para divulgação do que está se produzindo de bom. Feiras no interior do País, por exemplo, ajudam a aproximar os bons escritores dos bons leitores e desse diálogo acaba se sabendo o que se produz de bom localmente.

8 – O oitavo mandamento é não se envergonhar de não conseguir viver de direitos autorais. Viver de direitos autorais é ainda mais raro do que publicar um livro e até mesmo fazer sucesso com ele. Os direitos de meu livro Atrás do palanque, apesar do sucesso, não substituíam meu salário como jornalista.

A profissionalização é um desafio enorme para o estreante. No Brasil durante muitos anos Jorge Amado era o único escritor que podia viver confortavelmente de seu ofício. Hoje a situação melhorou um pouco. Há Paulo Coelho, conhecido internacionalmente. Tive a oportunidade de testemunhar filas dobrando o quarteirão para conseguir autógrafos dele em Paris. Fui muito amigo de Marcos Rey, que conseguiu isso. Dia destes Isabel e eu nos encontramos com a viúva dele, Palma Donato, num café de shopping, e ela não estava insatisfeita com a renda produzida pelos livros do autor de O enterro da cafetina e O último mamífero do Martinelli.

Lembro-me ainda de Ruth Rocha, Ana Maria Machado, Antônio Torres e Fernando Moraes, que vivem de escrever. Ruy Castro também aceita entrar nesta lista, mas observa: “Eu que não escreva para jornais para ver se o rendimento dos livros chega para as despesas…” Restrinjo a lista aos literatos, porque sabemos que os autores de livros religiosos, didáticos e de autoajuda vendem o suficiente para viver bem. Além de autores de livros polêmicos em nosso conturbado ambiente político – caso de Assassinato de reputações, do delegado Romeu Tuma Jr, meu velho amigo e grande sucesso nos perfis sociais.

Mas o escritor estreante não deveria, a meu ver, sonhar tanto com isso. A profissionalização é a loteria dos que já ganharam outra loteria. Nossa tradição não privilegia o escritor profissional. Temos geniais amadores de que nos orgulhar. Machado de Assis era funcionário público, como o era Drummond, e Joaquim Nabuco, diplomata, como João Cabral de Mello Neto, e político, como José Américo de Almeida, o melhor texto da Paraíba. Por falar em paraibano, Augusto dos Anjos, meu patrono nesta casa, foi mestre-escola no interior de Minas, tendo sido, portanto, colega de ofício de Isabel, minha mulher. José Lins do Rego era promotor. João Guimarães Rosa, médico e diplomata. Ariano Suassuna era professor universitário. E por aí afora. Um grande escritor não terá de ser um profissional de ofício. Os exemplos de gênios amadores provam isso.

9 – O nono mandamento é nada esperar da crítica literária publicada nos meios de comunicação.

Não poderia terminar estas palavras para abrir nosso papo sem lamentar a extinção da crítica literária nos meios de comunicação – e particularmente na imprensa, na qual milito. Antigamente todos os bons jornais tinham o seu crítico literário de plantão e o seu suplemento literário. Antônio Olinto escreveu durante anos a fio a coluna Porta de livraria no Globo do Rio. Álvaro Lins, Antonio Candido, Agripino Grieco, Afonso Arinos de Melo Franco, Augusto Frederico Schmidt e José Guilherme Merquior escreveram muito em jornal. Este último, por exemplo, estreou no famoso Suplemento dominical do Jornal do Brasil. A época dos grandes suplementos foi gloriosa para a nossa literatura. Havia também revistas como a Senhor, na qual Merquior também escreveu, ao lado de Ferreira Gullar, Paulo Francis e Ruy Castro. Hoje temos o Rascunho e a Piauí, mas os grandes jornais reduziram muito o espaço para livros. Adotou-se há muito a resenha, quase sempre mais informativa do que analítica. Este, infelizmente, é um fenômeno quase internacional, apesar da perenidade de jornais culturais do nível do New York Review of Books, nos Estados Unidos, onde escreveu Edmund Wilson, e os ingleses London Review of Books e Times Literary Supplement.

Hoje nos limitamos à crítica acadêmica. E nem sempre ela tem sido de boa ajuda, embora ainda seja o último baluarte, ou balaústre, como diria meu amigo Bob Coutinho, dono do restaurante Plataforma Grill, em São Paulo, da tentativa de informar o público sobre o que se faz de bom na literatura brasileira.

Preciso aqui abrir parênteses nesta edição por escrito de minha palestra para preencher uma lacuna da qual fui alertado pelo colega escritor e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana, na Bahia, Aleilton Fonseca. Sou velho amigo e fã de Aleilton, que foi o autor de uma das melhores resenhas sobre meu romance premiado pela ABL O silêncio do delator, fazendo parelha com gente como Wilson Martins, Ledo Ivo e Bráulio Tavares. Não tenho sequer diploma universitário, et pour cause, nenhuma vivência acadêmica. Passou-me, por isso, despercebida a lacuna percebida por Aleilton após ler, como muitos outros amigos meus, a versão do texto que li na APL. Peço, pois, vênia a ele e a meus leitores para citar parte de sua mensagem encaminhada por e-mail:

“Faltou um mandamento que falasse da via universitária e escolar para escritores que existem e são correntes nesse nicho. É um espaço de leitura, crítica e estudos quase invisível, mas importantíssimo, porque constrói reputações e memórias em jovens – que no futuro repercutirão o nome e as obras dos autores agora lidos e estudados. Eu – como autor -praticamente só existo nesse nicho”, escreveu ele, que se considera “parte do grupo de autores que – embora invisíveis na imprensa literária – são reconhecidos dentro de escolas e universidades, como tema de estudos, artigos e trabalhos de grupo, sendo convidados como palestrantes”.

A obra de Aleilton é tema de dissertações de mestrado até no Paraná. Já foi estudada na França, na Alemanha, no Canadá e no Paraguai. Ele tem textos publicados em cinco línguas e livros editados na França, Bélgica e Canadá e inspirou tese de doutorado na UFBA.  Seus livros são adotados em várias escolas e seus textos, utilizados em cursos de pós-graduação. Há três anos, um livro seu cai no vestibular da UNEB, na Bahia.  Fez palestras como escritor em cinco universidades francesas – Sorbonne, Nanterre, Toulouse, Rennes e Nantes. Como escritor foi à Hungria e em 2015 irá à Itália, Portugal, Espanha e França. Seu livro Les marques du feu foi adotado no Lycée des Arènes, em Toulouse, onde os alunos fizeram uma exposição de arte (escultura, pintura, gravura, video, quadrinhos etc), tudo baseado nos contos dele.

O depoimento de meu amigo baiano, a meu ver, entrou como uma luva neste texto, depois de feito, lido e analisado por muitos amigos, que funcionam como uma espécie de rede de proteção neste salto de trapézio, formando, como brinca Isabel, minha rede social pessoal e intransferível, ao modelo da adotada também por Evandro da Nóbrega, para quem “Nóbrega burro é como baiano burro: nasce morto”.

Em situação similar à de Aleilton, este amigo ainda me fez o favor de relacionar os colegas Francisco Dantas, romancista de Sergipe, que, embora editado pela Companhia das Letras anos atrás, foi relegado a segundo plano, porque não teve boas vendas, dizem, mas ainda é muito estudado por acadêmicos; Carlos Ribeiro, de 56 anos, romancista baiano, contista, jornalista, professor da UFRB, com várias obras, estudado em mestrado e em doutorado; Aramis Ribeiro Costa, de 64 anos, romancista e contista fabuloso e hoje presidente da Academia de Letras da Bahia; Antonio Brasileiro e  Roberval Pereyr, poetas de Feira de Santana, Bahia, ambos  muito  estudados e adotados nas universidades locais, com vários livros publicados e alguns prêmios. Na mesma situação são ainda encontrados na velha São Salvador meu antigo colega no Jornal do Brasil Florisvaldo Mattos, Myriam Fraga, na opinião de Aleilton, e não tenho como duvidar dele, “esplêndida, talvez a melhor poeta mulher do Brasil atual”, Luís Antônio Cajazeira Ramos, Gláucia Lemos e Fernando da Rocha Peres. Ele chamou atenção também para Claudio Aguiar, pernambucano, atual presidente do Pen Clube, com romances importantes e sem a devida atenção; Iacyr Anderson Freitas, poeta de Juiz de Fora, Minas Gerais; e Evaldo Balbino, outro mineirinho, da UFMG, contista, poeta e ensaísta, que recebeu alguns prêmios. Cito ainda entre escritores que fazem sucesso acadêmico, mas não furaram a muralha que protege a elite literária nacional, o poeta cearense Adriano Espínola, meu companheiro de saraus de sábado na Livraria da Travessa, de Ipanema. E, last but not least, Aleilton relacionou Rinaldo de Fernandes, maranhense radicado na Paraíba, professor da UFPB, meu parceiro na organização da antologia Os cem melhores poetas brasileiros do século, editada em 2001 pela Geração Editorial, de São Paulo. Rinaldo está no meio termo: como crítico e ficcionista é celebrado na academia. Como autor de antologias, já conquistou um lugar ao sol no mercado livreiro. Chico Buarque do Brasil, que inclui um poema meu, chegou a ficar entre os livros mais vendidos no caderno Ideias e Livros, do extinto Jornal do Brasil. Tanto num caso, o circuito acadêmico, quanto no outro, o círculo literário, sem sair do Nordeste, Rinaldo realizou seu sonho de adolescente: “Hoje, aonde eu chego encontro leitores, gente que conhece e lê o meu trabalho”

10 – E chegamos, enfim, ao décimo mandamento: frequentar academias e tirar proveito do convívio dos acadêmicos ou de suas atividades.

Por último, permitam-me dedicar o último mandamento a esta nossa Casa de Coriolano de Medeiros. Acho que as academias, mesmo sendo muito enxovalhadas (como o foi a ABL pelo coleguinha Mário Sérgio Conti na Folha de S.Paulo, por ocasião da posse de Ferreira Gullar), cumprem um papel positivo para a divulgação da literatura e a criação de espaços para a manifestação dos escritores. Prefiro aqui apelar para o depoimento de meu último editor, José Mário Pereira, que me escreveu pontificando: “A Academia Brasileira de Letras edita livros, promove vários seminários durante o ano, desenvolve intercâmbio com universidades estrangeiras e abre seus espaços à visitação do público. O Pen Club também tem se mostrado muito ativo. Idem a Academia Carioca de Letras, que acaba de empossar Martinho da Vila. Isso para lembrar o que acontece no Rio de Janeiro. E poderíamos citar ainda o exemplo de São Paulo, de Pernambuco, da Paraíba e de muitas outras instituições culturais espalhadas pelo País verdadeiramente comprometidas com a divulgação do que se produz de bom na literatura, nas artes, na música, no folclore, etc. Os jovens escritores têm sabido se reunir em blogs, via facebook, e esse entrosamento acaba resultando num melhor conhecimento do que está acontecendo com quem começa a escrever e tem interesse em ver divulgado o seu trabalho”.

Aqui ainda não chegamos a este ponto, mas apoio com entusiasmo a abertura que a Academia Paraibana de Letras está dando para os estudantes conhecerem seu funcionamento. E acredito que isso poderá no futuro contribuir para incentivar jovens e bons autores a produzir, publicar e se aprimorar.

José Nêumanne Pinto fala sobre Ética e Jornalismo na UniÍTALO

José Nêumanne Pinto fala sobre Ética e Jornalismo na UniÍTALO

Transcrição da matéria publicada na página da  UniÍtalo – Centro Universitário Ítalo Brasileiro.

Palestra foi a atração desta terça-feira na Jornada, promovida pelo novo Núcleo de Ética e Cidadania do UniÍtalo

José Nêumanne Pinto foi a atração desta terça-feira (13) da I Jornada de Ética e Cidadania do UniÍtalo. O evento, que continuará durante toda a semana, é realizado pelo novo Núcleo de Ética e Cidadania do Centro Universitário Ítalo Brasileiro, idealizado e liderado pela Dra. Viviane Maldonado, Juíza de Direito da 1ª Vara Cível do Foro Regional de Santo Amaro.

Com o Teatro Ítalo Brasileiro novamente lotado, José Nêumanne Pinto conversou com os presentes sobre Ética e Jornalismo e abordou temas que tomam o noticiário nacional, demonstrando como a falta de ética vem transformando as relações humanas em um estado de barbárie. Com vasta experiência na imprensa, o jornalista atualmente é comentarista da rádio Jovem Pan e editorialista do jornal O Estado de S. Paulo, além de já contar com 11 livros publicados.

Terrorismo

José Nêumanne Pinto iniciou sua apresentação falando sobre a banalização da violência e lembrou de casos recentes no país, como a morte de um torcedor de futebol em Pernambuco, atingido na cabeça por um vaso sanitário arremessado por rivais.

Lembrou da atuação de Jean-Paul Sartre e Albert Camus na Guerra de Libertação da Argélia, nas décadas de 50 e 60, e de como o primeiro apoiou ataques terroristas, enquanto o segundo sempre se posicionou contra as ofensivas. “Não ao terror sempre. O terror é indiscriminado e, portanto, bárbaro”, citou.

Segundo Nêumanne, em uma coletânea de editoriais escritos por Camus, ainda sem tradução para o português, fica clara a ideia do primado da ética sobre o interesse, algo que parece totalmente invertido atualmente no Brasil. “Pensei em pedir para um amigo deputado mudar os dizeres da bandeira de ‘ordem e progresso’ para ‘me engana que eu gosto’ ou para ‘o feio não é roubar, é ser pego’”, brincou.

Opinião

Ao falar sobre jornalismo, o comentarista não poupou críticas à falta de espaço para a opinião nos telejornais, principalmente em sua “ex-casa”. “O SBT extinguiu a opinião e isso é um crime que eu gostaria de denunciar para vocês aqui hoje. Justamente o SBT, que foi um dos pioneiros da opinião na televisão”. O jornalista foi demitido no início de 2014, junto com outros comentaristas como Denise Campos de Toledo e Carlos Chagas.

O palestrante também repudiou a censura à Rachel Sheherazade, também do SBT. Apesar de considerar que a colega errou em seus comentários – nos quais é acusada de estimular a violência, por exemplo –, condenou a mordaça instituída pela emissora.

Barbárie em nosso quintal

“O tema fundamental do século XXI é a ética a serviço da cidadania”, afirmou. Para demonstrar que este assunto ainda precisa evoluir muito na atual sociedade, voltou a comentar sobre barbáries atuais, como o sequestro de estudantes na Nigéria por extremistas mulçumanos.

Nêumanne, no entanto, alertou que o problema não está apenas em outros países e nem tão longe quanto muitos pensam. Relatou que sua esposa é professora na periferia de João Pessoa (PB) e que um de seus alunos sumiu da escola por algum tempo, se escondendo dos traficantes locais, segundo relatos. Quando o estudante reapareceu, havia tido suas mãos deformadas pelos criminosos.

O ético é a favor da vida

O jornalista também abordou o caso do linchamento de uma mulher no Guarujá. “É um ato de barbárie totalmente incompreensível. Um ato terrorista”, recriminou. Contou, ainda, que está acontecendo algo ainda pior: os traficantes da região estão assassinando os agressores, porque o caso atraiu a polícia para a região e está atrapalhando os negócios.

Isto, segundo Nêumanne, é uma combinação terrível de Lei de Talião – “olho por olho, dente por dente” – e do primado do negócio sobre o indivíduo, no qual o traficante, que já pratica uma atividade ilegal, considera suas vendas mais importantes que a vida dos demais. “É muito fácil identificar o que é ético ou não. O que é ético é a favor da vida. O que não é ético é a favor da morte”, definiu.

Antes de abrir espaço para as perguntas da plateia, comentou também sobre a falta de ética no cotidiano do cidadão comum, como o suborno a um guarda de trânsito, por exemplo, e de como isso influencia na sociedade. “Hoje, só temos condições de viver se colocarmos a vida em primeiro lugar. Não só a nossa, mas a do outro também”.

Perguntas

Questionado sobre a atuação ética e a relação entre o interesse do público e a privacidade no fazer jornalístico, o palestrante afirmou que considera que pessoas públicas escolhem ter sua vida devassada, exceto por alguns momentos de privacidade, e que enxerga com naturalidade quando a imprensa aborda temas sobre a vida particular destas pessoas.

Sobre a dificuldade de se trabalhar a ética na educação, tema levantado pela professora Hânia Pilan, falou que é uma missão quase impossível ser professor no Brasil. “Ao longo da minha carreira, aprendi que o maior problema do Brasil é a educação, do primário ao ministro. É um desafio muito complicado.”

“Hoje, a escola é o lugar onde se ‘desalfabetiza’ o aluno. Quem aprendeu alguma coisa em casa, desaprende na escola, principalmente na pública. Isto é muito triste”, lamentou. Após criticar as atuações dos governos PT e PSDB em relação à educação, respondeu à professora: “Não tenho nenhuma palavra consoladora para lhe dar”.

Perguntado por uma aluna sobre quais seriam os benefícios da Copa do Mundo para o país, Nêumanne rebateu prontamente: “Nada!”. A reação foi recebida com muitos aplausos pela plateia. Depois, falou que errou sua previsão sobre a Copa, pois conseguiram roubar ainda mais do que ele poderia imaginar e não haverá legado nenhum. “Sou Flamengo e ia muito ao Maracanã. Me sinto duplamente lesado: por terem derrubado o Maracanã e por terem gastado 1,3 bilhões para construir uma arena. É um estádio de b*”, reclamou.

Para encerrar, falou um pouco mais sobre a classe política brasileira, mas lembrou que os cidadãos também devem atuar eticamente para ajudar a melhorar a situação do país. “Não tem nenhum fdp ladrão lá que não foi colocado por nós”, frisou. “O Brasil somos todos nós!”

Direto ao Assunto no II Encontro de Gerentes da Copercana

Direto ao Assunto no II Encontro de Gerentes da Copercana

Flashes: José Nêumanne Direto ao Assunto no II Encontro de Gerentes da Copercana, Cooperativa de Plantadores de Cana-de-açúcar, em Sertãozinho (SP), na manhã de 21 de novembro de 2013. (Fotos de Rafael Mermejo, Sertãozinho,SP)

Flashes: José Nêumanne Direto ao Assunto no II Encontro de Gerentes da Copercana, Cooperativa de Plantadores de Cana-de-açúcar, em Sertãozinho (SP), na manhã de 21 de novembro de 2013.

 

Flashes: José Nêumanne Direto ao Assunto no II Encontro de Gerentes da Copercana, Cooperativa de Plantadores de Cana-de-açúcar, em Sertãozinho (SP), na manhã de 21 de novembro de 2013.

 

Discurso na posse de Fátima Bezerra na Academia Paraibana de Letras

Discurso na posse de Fátima Bezerra na Academia Paraibana de Letras

Vocês nem podem imaginar a alegria, o prazer e a honra de estar aqui na Casa de Coriolano de Medeiros encarregado de recepcionar minha amiga querida Maria de Fátima Bezerra Cavalcanti, a pedido dela. Nossa nova confreira sempre me cumulou de gentilezas e me reservou parte importante de seu coração em doses maciças de afeto e carinho. Além disso, ocupar aqui esta tribuna neste auditório para falar do tema que mais me é caro, o gênero feminino dos seres humanos e do universo vocabular, não poderia ser mais prazeroso para este velho, mas ainda devoto praticante, da veneração à mulher e à palavra.

Academia Paraibana de Letras. Nêumanne e Maria de Fátima Bezerra Cavalcanti.
Foto: wal cavalcante studio

Só que, para não perder o fio da meada, vou começar por convocar outro substantivo feminino singular comum, a vaidade, defeito que ostento com orgulho e paixão. E começo esta oração, lá vem outro substantivo com os mesmos gênero, número e modo, puxando pela memória pessoal. Há um bom par de anos, quase um decênio inteiro, tive uma experiência muito rica de terapia descritiva com um grande amigo, intelectual, médico e prosador, o baiano Humberto Marioti. E, seguindo os preceitos de sua prática psiquiátrica, nos encontrávamos às segundas-feiras cedo no escritório da casa dele para uma prática de prazer e dor, bem ao gosto de Sade e Masoch: narrar várias vezes exaustivamente um episódio tal como o lembrava, um sonho, uma sensação, um sentimento.

Leia mais…

2006: Conjuntura política pré-eleitoral no Brasil (palestra)

21.09.2006 – Palestra sobre a conjuntura política pré-eleitoral no Brasil, a programação Café com opinião, promovida pela Yellow Comunicação para o Sindicato das Indústrias de Produtos Químicos para Fins Industriais e da Petroquímica no Estado de São Paulo (Sinproquim) durante toda a manhã da quinta-feira 21 de setembro de 2006.

Síntese da palestra sobre a conjuntura política pré-eleitoral no Brasil, na programação Café com opinião, promovida pela Yellow Comunicação para o Sindicato das Indústrias de Produtos Químicos para Fins Industriais e da Petroquímica no Estado de São Paulo (Sinproquim) durante toda a manhã da quinta-feira 21 de setembro de 2006.

 

Principais tópicos abordados

STALIN x LULA

Traçou um paralelo entre o atual presidente Luís Inácio Lula da Silva e o ditador russo Josef Stalin. Segundo Nêumanne, ambos se aproveitavam da imagem de que desconheciam os movimentos políticos corruptos que se utilizavam seus correligionários. Definiu ainda o sistema de governo comunista como a exploração de toda a estrutura preexistente sem nenhum acréscimo, apenas a utilização dos recursos até o esgotamento. Leia mais…

Prêmio Personalidade 2005 (discurso)

 Discurso do jornalista e escritor José Nêumanne Pinto (em nome dos quatro paraibanos agraciados) na homenagem que receberam do Grupo Marquise, concessionário da TV Tambaú, de João Pessoa, em 23 de setembro de 2005. 

PRÊMIO PERSONALIDADE 2005

 

Quando era menino, eu gostava era de subir o Serrotão. Zé Campina, chofer do caminhão de meu pai, abria um sorriso do tamanho do horizonte quando no meio da buraqueira da estrada aparecia o asfalto na Farinha. “Olha o negrão aí, Neuminho”, dizia ele, em seu linguajar pitoresco e colorido. Na adolescência, encontrei abrigo à sombra da copa da gameleira, usufruindo dos alíseos egressos do Atlântico e destinados às areias de Tambaú. Os fios brancos já se intrometiam entre os pretos sobre o couro cabeludo quando sobrevoei pela primeira vez o Sertão do Rio do Peixe, de onde fui vindo. Lembro-me que chorei feito um bezerro desmamado, sozinho no jatinho, de volta para João Pessoa, depois de ter deixado Tasso Jereissati no extremo ocidental daquela região entre Pau dos Ferros, Cajazeiras e Crato. Leia mais…

Página 1 de 212
Criação de sites em recife Q.I Genial