Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Jornalismo

Artigo para coluna da Ric Mais: Autogolpe de Bolsonaro ainda é no gogó

Artigo para coluna da Ric Mais: Autogolpe de Bolsonaro ainda é no gogó

O Grupo Ric de Comunicação põe à disposição de emissoras de rádio e jornais impressos ou em edição virtual três podcasts de três minutos cada e um artigo por semana. Interessados em publicar este material original deve entrar em contato com mash.leonardo@gruporic.com.br

Autogolpe de Bolsonaro ainda é no gogó

José Nêumanne

Prioridade do presidente é se dar bem e enfraquecer instituições para exercer poder absoluto

Muitos meios de comunicação deixaram de frequentar o chiqueirinho diante do Palácio da Alvorada, onde o presidente Jair Bolsonaro recebe fiéis devotos e os vê agredirem repórteres. Chamou de entrevista o monólogo do rancor. Mas alguém ousou fazer uma pergunta e ele não berrou o “cala a boca” de vez anterior, mas deixou claro que, na modalidade cloroquina de entrevistas, perguntas nunca interrompem suas arengas de baixo calão.

Aos berros, como aprendeu na casa paterna e os usa para tornar o Brasil uma republiqueta de bananas do Vale do Ribeira, onde foi criado, deu a própria versão do “diga ao povo que fico” do príncipe Dom Pedro ao ser convocado a voltar para Lisboa. “Acabou, porra!”, resumiu o recado ao Supremo Tribunal Federal (STF). Tradução social: “Ordens absurdas não se cumprem”. Defendia bandidos que pagam ou são pagos para disparar mentiras em redes sociais, inspiradas no “gabinete do ódio” do filhote 02.

À tarde, na live das quintas dos infernos, disse que pretende nomear o procurador-geral da República, hoje na prática “puxa-saco oficial do presidente”, para a terceira vaga que preencherá no STF. Mas só dois ministros se aposentarão na vigência de seu mandato atual (quem lhe garante que haverá outro?). Ué, na hipótese de algum dos remanescentes desaparecer. Lembrou aí desaparecidos na ditadura ou uma nova forma de assassinato de milícias da periferia do Rio, onde mora? Quem vai saber? Certo é que Augusto Aras lhe tem prestado excelentes serviços no cargo para o qual o nomeou, à revelia das listas tríplices dos procuradores. O petista baiano, como deixou claro o chefão, tem-lhe prestado bons serviços.

Bobocas como o autor deste texto imaginavam que isso seria feito mesmo, mas não às escâncaras. Será que o fez por escassez de inteligência ou falta de finura no trato institucional? Tanto faz. Pois no dia seguinte o leão de comédia da Metro baliu como cordeiro em pele de lobo ao falar para o público amestrado, respondendo a um admirador sobre abertura de escolas. “A decisão das escolas cabe aos governadores e prefeitos”, afirmou, fugindo a essa e outras oportunidades de criticar o STF. Dá para entender Bolsonaro? Perfeitamente. Ele sempre dá dois passos à frente e um para trás com o objetivo de solapar as instituições e dar um autogolpe. Na proclamação desse golpe do gogó, falou em “armas da democracia”.

Mas os generais Hamilton Mourão, seu vice, e Augusto Heleno Ribeiro, chefe de sua segurança pessoal, deixaram claro que os fardados armados não apoiarão golpe algum. O general Santos Cruz, amigo desde a Academia Militar de Agulhas Negras, que vilmente expulsou do Palácio do Planalto , renegou o devaneio. Aí, ele afinou. E miou, que besta ele não é.

*Jornalista, poeta e escritor

Para ver no site do Grupo Ric Mais clique aqui. 

Artigo na página Opinião do Estadão: A milícia anunciada por um governo com gângsteres

Artigo na página Opinião do Estadão: A milícia anunciada por  um governo com gângsteres

Em reunião mafiosa, Bolsonaro avisa

que armará bandos contra seus ‘inimigos’ eleitos

Quando o vídeo da reunião do Conselho de Governo de 22 de abril teve o sigilo levantado, inocentes inúteis adotaram a definição do gabinete do ódio bolsonarista de que a bala de prata teria virado traque junino: “Ufa, a prova material da interferência política de Jair Bolsonaro na Polícia Federal, denunciada por Sergio Moro, não foi exibida!”.

Nenhum figurão da República deu importância a uma personagem relevante do inquérito, a deputada Carla Zambelli, que havia oferecido uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF) ao então ministro da Justiça. Antes de ser divulgado o vídeo, ela definiu: “Moro caiu porque é desarmamentista”. Nem sequer lhe foi dedicado um muxoxo de “tolinha”. Pois não é que a atual pomba-correio do presidente da República na Câmara dos Deputados e na Secretaria Especial de Cultura tinha razão? Meninos, eu vi. Basta ver e ouvir o que seu “mito” que mente disse.

Segue transcrição oficial: “Como é fácil impor uma ditadura no Brasil. Como é fácil. O povo tá dentro de casa. Por isso que eu quero, ministro da Justiça e ministro da Defesa, que o povo se arme! Que é a garantia que não vai ter um filho da puta aparecer pra impor uma ditadura aqui! Que é fácil impor uma ditadura”, esbravejou o chefão. E frisou: “Eu peço ao Fernando (Azevedo e Silva, ministro da Defesa) e ao Moro que, por favor, assinem essa portaria hoje”, disse o “senhor Constituição” na reunião em que, ao contrário do agendado, não se discutiu a reconstrução da economia pós-pandemia. A não ser por discursos “kaftianos” (apud Weintraub) do “posto Ipiranga” da economia. Tudo numa linguagem que não foi de prostíbulo de porto nem de botequim pé-sujo, mais respeitáveis, mas das reuniões da Máfia de Chicago, sob o taco de beisebol de Al Capone, durante a Lei Seca nos Estados Unidos.

O “capitão cloroquina” fez aí referências explícitas a dois ministros e sobre elas o advogado-geral da União, José Levi do Amaral Júnior, nem se importou em inventar a mentira deslavada do pito na segurança pessoal, assumida pelos generais palacianos, de que tratava, em linguagem de chulé, de crimes que o procurador-geral da República, Augusto Aras, nem sequer se quis dar ao luxo de ver e ouvir na sessão prévia para as partes. No dicionário limitado de um, União, que inclui o Legislativo e o Judiciário federais, é sinônimo exclusivo de “meu chefe” (que o chama de “meu advogado”). O que é algo de pouca relevância, de vez que este se diz dono da voz do povo. E o outro, ao que parece, não se esforça para investigar algum eventual crime do usuário da caneta BIC capaz de alçá-lo ao “pretório excelso”.

Em 23 de abril, um dia depois, a portaria que Bolsonaro cobrou, e para a qual Zambelli chamou a atenção, foi publicada. O volume autorizado, que era de 200 cartuchos por ano, passou a ser de até 300 unidades por mês, a depender do calibre do armamento. A nobre parlamentar deve estar bem informada sobre o assunto, pois é casada com o coronel da PM cearense Aginaldo de Oliveira, egresso da corporação que pode ter lembrado ao capitão de milícias seus tempos de terrorista condenado e depois absolvido pela Justiça Militar. Então, foi-lhe permitido pelo Exército alterar provas do atentado a bomba que preparava contra quartéis e a adutora do Rio Guandu em sua luta obsessiva para melhorar o próprio soldo. Isso levou o ex-presidente Ernesto Geisel a chamá-lo de “mau militar”. Por sinal, a simpatia do chefe da famiglia Bolsonaro pelo motim recente da corporação do marido da devota fã ficou patente.

É claro que também confessou crime de interferência política, que levou os generais palacianos e o advogado-geral da União a agirem de má-fé, os três primeiros em depoimento no inquérito aberto pelo procurador-geral da República com autorização do STF e o último na defesa oficial do chefe do Executivo nessa mesma investigação.

A confissão de querer armar bandos contra o Estado de Direito foi adicionada à de interferir na polícia judiciária para ajudar o filho 01 e um amigo (Fabrício Queiroz) e à da existência de um serviço clandestino de informação pessoal. Os atos lembram os fasci di combattimento (grupos de combate) do fascismo do italiano Benito Mussolini. Mas pela linguagem usada e pelo passado de quem os comete têm mais que ver com as milícias da periferia do Rio, com as quais o idealizador do armamentismo cobrado de Moro se identifica. Ele saudou o tenente Adriano da Nóbrega, do Escritório do Crime, como herói do Bope, quando este já tinha sido condenado por homicídio. E mandou o filho 01 condecorá-lo com a medalha mais importante do Legislativo fluminense. A esse respeito comentou o citado ministro da Defesa, em abril de 2019: “A milícia começou numa intenção de proteger as comunidades. Na boa intenção. Começou com uma intenção de ajudar, mas desvirtuou. Desvirtuou e são bandos armados”. Que flor de ingenuidade!

Mas mais grave do que isso é que nossos falsos pais da Pátria passam ao largo de óbvias ameaças ao Estado de Direito. Incluindo-se aí as vítimas da milícia chavista de direita: João Doria, Wilson Witzel e Bruno Covas, ungidos da mesma consagração pelo voto popular em que se justifica o capo di tutti capi.

  • Jornalista, poeta e escritor

(Publicado na Página A2 do Estado de S. Paulo da quarta-feira 27 de maio de 2020)

Para ler no Portal do Estadão clique aqui. 

 

No Blog do Nêumanne: Nada de ideologia, é delinquência

No Blog do Nêumanne: Nada de ideologia, é delinquência

José Nêumanne

Há quem acredite que existe uma ala ideológica do governo Bolsonaro, que teria protagonizado reunião exibida em vídeo, mas, de fato, o que salta aos olhos são crimes do chefão e dos chefetes

Muitos comentaristas e cronistas das atividades políticas no Brasil acostumaram olhos e ouvidos do público assaltado à existência de um ente imaginário que chamam de “ala ideológica do governo Bolsonaro”. A oportunidade dada pela liberação do sigilo judicial da reunião do tal Conselho de Governo realizada em 22 de abril e vista por quem se habilitou um mês depois, por decisão do decano do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, deu a todos, comunicadores e receptores da mensagem, o azo de descobrirem dois fatos elementares. Primeiramente, os ditos “ideológicos” mereceram do chefão, Jair Bolsonaro, aprovação às vezes manifestada em sonoras gargalhadas. Em segundo lugar, “ideologia” neles em nada se equipara às definições da palavra usada no embate político desde os tempos da luta entre girondinos e jacobinos na Revolução Francesa. Não se realizou em momento nenhum das duas horas de vídeo uma manifestação da primeira definição de ideologia no Dicionário Aurélio, o mais consultado no Brasil: “ciência da formação das ideias; tratado das ideias em abstrato; sistema de ideias”. Ou houve?

Vamos tirar aqui a prova dos noves. Que ideologia está por trás dos três mais graves crimes cometidos pelo chefão de todos os chefetes reunidos naquela assembleia, que em nada lembra a ágora do debate em Atenas, na Grécia antiga? Que crença ou conjunto de crenças de algum sistema pode justificar a interferência do presidente da República na nomeação do superintendente da Polícia Federal (PF) no Rio de Janeiro para blindar de investigação parentes e amigos dele? Em que ponto na história das ciências políticas se destina à esquerda ou à direita, definição ideológica clássica da luta política desde os tempos dos embates entre Danton e Robespierre, que lhe sirva para determinar aos ministros da Justiça e da Defesa que liberem a venda de armas de fogo a cidadãos para receberem à bala policiais que cumprirem determinações sanitárias emanadas de prefeitos e governadores, tão eleitos pelo voto popular quanto o autor da sugestão? Em que livros de teoria ou prática da ciência política se confere ao chefe do poder democrático instalar um serviço clandestino próprio de informações, à margem do que é determinado por lei?

Pode-se argumentar que os bandos armados não são inusitados na luta por poder. O partido nacional-socialista do austríaco Adolf Hitler na Alemanha de Weimar criou as Sturmabteilungs (operações tempestade, popularmente conhecidas como as tropas de assalto SA). O socialista italiano Benito Mussolini chegou ao poder obtendo a autorização do covarde rei Vittorio Emanuelle para seus fasci di combattimento, que assassinaram outro socialista, Giacomo Mateotti, abrindo caminho para a marcha contra Roma e a tomada do poder real pelos fascistas no Parlamento. Mas aqui não estamos falando de política, e sim de poder, o que é o caso das milícias populares de Hugo Chávez e agora Nicolás Maduro na Venezuela, de Daniel Ortega na Nicarágua e de Pablo García na Colômbia. As milícias populares de Bolsonaro não podem ser confundidas com as de inspiração esquerdista acima citadas, mas são em tudo e por tudo antidemocráticas e, portanto, contra o exercício da democracia na política.

“Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF”, disse, em curtíssima intervenção, o ministro da (falta de) Educação, Abraham Weintraub, irmão de Arthur, que se considera representante em Brasília do “ideólogo”-mor da famiglia Bolsonaro, Olavo de Carvalho. O programa de fechar o órgão máximo do Judiciário, bandeira dos bolsonaristas de raiz, entre eles o ministro que confunde Kafka com kafta, e depois prender por nada seus componentes do poder de nossa republiqueta das bananas do Vale do Ribeira, onde viveu o magistrado supremo, como se diz no formalismo do poder republicano, não está previsto em nenhum manual decente de política, por mais ideológico que seja. É apenas um crime previsto no Código Penal e na Lei de Segurança Nacional, abrigada na Constituição em vigor. É, portanto, o ânimo criminal, e não ideológico, que inspira o idiota que comanda a pasta mais importante do País e não disse uma palavra a respeito dela na ocasião.

Muitos termos chulos foram usados pelos membros do chulé da extrema direita, mas nenhum foi pronunciado na fala do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Nada, contudo, foi tão pornográfico como o que fez numa rara menção à gravíssima crise sanitária provocada pelo novo coronavírus. “O meio ambiente é o mais difícil de passar qualquer mudança infralegal em termos de infraestrutura, instrução normativa e portaria, porque tudo que a gente faz é pau no Judiciário, no dia seguinte. Então para isso precisa ter um esforço nosso aqui enquanto estamos nesse momento de tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só se fala de covid, e ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas”, disse, sem tugir nem mugir. Entre Weintraub e ele, o ex-ministro da Saúde Nelson Teich retorceu-se em evidente desagrado, que, na certa, o levou a desertar da patota imunda. Fez bem. O recorde de derrubada da Floresta Amazônica demonstra que as palavras do ministro, condenado por improbidade em primeira instância por ato administrativo no governo do tucano Alckmin no Estado de São Paulo, não foram semeadas em vão.

Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, também se referiu à terrível crise sanitária vivida no Brasil. “A pandemia vai passar, mas governadores e prefeitos responderão processos e nós vamos pedir inclusive a prisão de governadores e prefeitos. E nós tamo (sic) subindo o tom e discursos estão chegando. Nosso ministério vai começar a pegar pesado com governadores e prefeitos. Nunca vimos o que está acontecendo hoje”, disse, bem ao estilo terrivelmente evangélico que encanta o bajulado pornógrafo-chefe. Sua inspiração não pode ter sido do evangelho do amor, mas, provavelmente, do gabinete do ódio, chefiado pelo filho 02 do chefão da União, Carlos Bolsonaro. É inimaginável que ela tenha aprendido esse tipo de delinquência vulgar com Jesus Cristo na goiabeira. Mais fácil terá sido em seu ofício de coletora de dízimos do que em manuais de política, democracia e coisa pública (res publica em latim).

Um silêncio eloquente na reunião foi o do chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno Ribeiro de Almeida, a quem o “capitão da cloroquina” teria dirigido as queixas mais duras (na verdade, o vídeo provou que eram contra Moro), numa estúpida versão fantasiosa bolada por ele e dois colegas de farda e galões no Palácio do Planalto, Walter Braga Netto e Luiz Eduardo Ramos. Não se sabe se para esconder a vergonha da mentira desmascarada antes de ser contestada, ele deixou para aparecer na sexta-feira 22 de maio assinando de próprio punho uma nota golpista de ameaça ao decano do STF, por ter este encaminhado a seu amado chefe aviso de que consultara o procurador-geral da República, Augusto Aras, sobre notícia-crime de que é alvo.

O autor do crime contra a Lei de Segurança Nacional, assinada por João Figueiredo no último governo da ditadura e incorporada à Constituição, já foi condenado por um crime menor, de intendente. O Tribunal de Contas da União o flagrou em compra irregular de equipamentos esportivos numa olimpíada do Exército. O general, que foi gravado cantarolando “se gritar pega centrão, não fica um, meu irmão”, também foi obrigado a deixar discretamente a sinecura de que gozava no Comitê Olímpico Brasileiro assim que seu chefe e protetor, Arthur Nuzman, foi preso sob a acusação de ter participado da compra da escolha do Rio de Janeiro para sediar os Jogos Olímpicos de 2016.

A experiência “ideológica” do arapongão do Palácio foi o golpe frustrado do general Sylvio Frota, de quem era ajudante de ordens como capitão, contra Ernesto Geisel. O grupo, a que também pertenciam os assassinos e torturadores Brilhante Ustra e Major Curió, escalado pelo chefe para receber os comandantes de tropas no aeroporto foi enganado por um “frotista”, general Fernando Bethlem, que recebeu os quatro-estrelas à saída da escada dos aviões em que chegaram para a posse deste.

Hoje o acusado de crimes contra humanidade no Haiti é estrela “frotista” dos generais empregados pelo capitão na produção de gosto similar ao linguajar chulo da reunião, intitulada “a volta dos que não foram”. E o que é grave: ninguém parece querer impedir que fiquem pendurados no cabide de altíssimos cargos com as garras fincadas no filé mignon do poder da triste república dos sem-coragem nem vergonha.

Jornalista, poeta e escritor

(Publicado no Blog do Nêumanne na segunda-feira 25 de maio de 2020)

Para ler no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

 

Coluna semanal do Ric Mais: Marinho complementa Moro

Coluna semanal do Ric Mais: Marinho complementa Moro

O Grupo Ric de Comunicação põe à disposição de emissoras de rádio e jornais impressos ou em edição virtual três podcasts de três minutos cada e um artigo por semana. Interessados em publicar este material original deve entrar em contato com mash.leonardo@gruporic.com.br

Marinho complementa Moro

José Nêumanne

Em entrevista e depoimentos, ex-aliado de Bolsonaro amplia alcance das acusações de ex-juiz

O empresário carioca Paulo Marinho, que emprestou sua casa para a gravação de programas da campanha de Jair Bolsonaro à Presidência, contou a Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, que o primogênito do chefão, Flávio, respondeu à questão feita pela Nação sobre motivos pelos quais o capitão é obcecado pela superintendência da Polícia Federal (PF) no Rio. O filhote dito 01 contou-lhe que três assessores dele ouviram de um delegado bolsonarista da PF que a Operação Furna da Onça foi deflagrada depois do segundo turno da eleição para não prejudicar o então candidato do PSL à Presidência. Marinho contou aos jornalistas que apresentou “elementos” (provas) em dois depoimentos à PF. Não havia dúvida de que Moro não mentiu ao acusar e, ao fingir defender-se, o próprio presidente comprovou tudo. Mas a entrada desse personagem novo acabou por dar toda a razão ao ex-ministro da Justiça e tornar as tentativas de responder do senador mera galhofa.

O corpo mole da Procuradoria-Geral da República (PGR) transforma o dublê de advogado Augusto Aras em “puxa-saco presidencial” de uma republiqueta de bananas (egressas do Vale do Ribeira, onde JB nasceu) se continuar se negando a oferecer denúncia sobre o chefe do Poder Executivo, apesar de todas as evidências. À saída do segundo depoimento, um dos inquiridores do empresário deu mais uma razão a essa hipótese ao declarar aos repórteres que o Ministério Público Federal não poderia investigar a denúncia de O Antagonista de que contas bancárias do acusador foram devassadas “informalmente” pelo Coaf, hoje órgão do Banco Central, sob comando do PR. Afinal, a devassa teria sido “informal”. O sub-relapso é Eduardo Benones, fiel à linha do relapso-mor.

Pelo que já se sabe do caso, é possível que sejam instalados com urgência, no Senado, processos de impeachment do presidente, do senador das milícias e do “puxa-saco presidencial”. Para os dois primeiros, a Câmara terá de autorizar, com dois terços dos votos. Para comprar o terço de votos necessários para os dois primeiros escaparem de punição o principal denunciado desembolsa no momento R$ 86 bilhões de orçamentos de FNDE, Banco do Nordeste, Codevasf e Dnocs. A famiglia Bolsonaro nunca teve dificuldade para usar dinheiro público em proveito próprio. No rastro da denúncia de Marinho foi publicado que um dos assessores de Flávio que conversaram com o vazador bolsonarista da PF, o advogado Victor Granado Alves, recebeu R$ 500 mil do PSL, cujo diretório no Rio era presidido pelo primeiro filhote, na base de R$ 40 mil por mês, subtraídos do Fundo Partidário, para honrar honorários privados do clã. Como o partido não está sob controle da famiglia, não será impossível comprovar esse dano ao erário.

  • Jornalista, poeta e escritor

Para ler no site do Grupo Ric Mais clique aqui.

No Blog do Nêumanne: Marinho encalacra Bolsonaro de vez

No Blog do Nêumanne: Marinho encalacra Bolsonaro de vez

José Nêumanne

Entrevista de empresário cria quatro problemas novos para presidente: é verossímil, revela crimes gravíssimos, encaixa-se em fatos notórios e permite cassação de sua chapa na Justiça Eleitoral

A entrevista do empresário Paulo Marinho à colunista Mônica Bergamo, publicada na Folha de S.Paulo de domingo 17 de maio, tem um efeito de bomba de hidrogênio sobre o destino do presidente da República, Jair Bolsonaro, e, em consequência, de suas vítimas, cidadãos brasileiros.

Bolsonarista de primeira hora, com relevantes serviços prestados ao vencedor do pleito presidencial, entre os quais a cessão de sua mansão no Rio para servir de quartel-general da comunicação da campanha da chapa formada por dois militares, o próprio e o vice, general Hamilton Mourão, o entrevistado contou um fato de inegável verossimilhança. Disse que o filho do capitão, quando era deputado estadual no Rio de Janeiro, lhe contou que um delegado da Polícia Federal (PF) vazou a informação sigilosa de que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) encaminhou à Operação Furna da Onça, da Lava Jato, relatório sobre movimentação de R$ 1,2 milhão em contas do caixa informal do clã, Fabrício Queiroz.

No relato, Marinho ofereceu, de lambujem, mais quatro testemunhas: o ex-coronel Miguel Braga, chefe de gabinete do 01 de Jair, hoje senador; a funcionária Val Meliga, de sua total confiança e irmã de dois milicianos presos na Operação Quatro Elementos; e os advogados Victor Alves, que até hoje trabalha no gabinete do senador, e Christiano Fragoso. De acordo com o entrevistado, o encontro do primogênito do presidente com ele e Christiano Fragoso, que ele mesmo havia indicado ao então presidente eleito para cuidar do caso, ocorreu na quinta-feira 13 de dezembro de 2018 na casa que serviu de estúdio na campanha deste.

A versão apresentada pelo filho 01 do presidente foi de que o ex-coronel Braga, o advogado Victor e a funcionária Val foram ao encontro marcado por telefone com o policial à porta da sede da PF na Praça Mauá.  O delegado ­– que, segundo a repórter Thaís Oyama, do UOL, autora do livro Tormenta, contendo bastidores do governo federal, atende por um apelido, e não é o ex-segurança do presidente depois do atentado em Juiz de Fora, Alexandre Ramagem – narrou-lhes sobre “milhões movimentados” por Fabrício Queiroz, que administrava o gabinete do 01 na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), apontados pelo Coaf como suspeita “movimentação ilícita”.

O delegado disse ainda que a operação estava sendo adiada para depois do segundo turno para não prejudicar o então deputado federal na eleição presidencial pelo PSL. E sugeriu que fossem demitidos Fabrício, do cargo de “assessor parlamentar 3” que ocupava no gabinete da Alerj, e sua filha Natália, que era “secretária parlamentar” no gabinete do pai.

Pai e filha foram demitidos em 15 de outubro. Esse fato particular viria a conhecimento público após a publicação pelo Estadão do primeiro furo jornalístico sobre o episódio, em 6 de dezembro, com a revelação do documento do Coaf e do inquérito do Ministério Público (MP) e da PF em reportagem de Fábio Serapião no blog de Fausto Macedo. O escândalo, contudo, não mobilizou os políticos a ponto de adiar a posse da chapa vencedora nem de perturbar os primeiros 500 dias do governo federal. Apesar das desculpas esfarrapadas que sempre inspiram notas oficiais da família presidencial tentando defender o indefensável. Argumentos estúpidos como o do senador alegando que a publicação motivava prejudicar a gestão do pai presidente. E o conto de carochinha sobre um depósito de Fabrício na conta de Michelle, sua mulher, como pagamento de parcela de uma dívida do assessor com ele. Que caradura!

Só que o caso pôs em evidência suspeitas conexões de pai, filho e seu trêfego espírito de porco com as milícias que disputam com o tráfico de drogas o poder paralelo na periferia miserável do Rio. Fabrício, que serviu na brigada de paraquedistas com Jair Messias e se tornou amigo íntimo dele e conviva de churrascos e pescarias, é suspeito de ter prestado serviços a milicianos. E não é a única conexão entre a família do presidente e tal prática criminosa. O 01 condecorou o capitão miliciano da Polícia Militar Adriano da Nóbrega com a Medalha Tiradentes, da Alerj, alegando tê-lo como herói do Bope. Mas o “comendador” já estava, na ocasião, preso por homicídio. Nessa condição também teve o privilégio de contar com o deputado Bolsonaro em seu julgamento, o que propiciou ao parlamentar um emocionado discurso em sua defesa na tribuna da Alerj. Mais tarde, “seu” Jair viu-se enredado na execução da vereadora Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes, por ser vizinho de condomínio dos acusados da execução do crime pela polícia estadual, Ronnie Lessa e Élcio Queiroz.

  O capitão miliciano foi assassinado covardemente por tropas policiais baianas com ajuda de agentes da polícia estadual fluminense, em Esplanada (BA). Até agora os agentes do governador Wilson Witzel e o MP do Rio não revelaram os mandantes do assassinato da vereadora do PSOL e de seu motorista, em 14 de março de 2018. Nada também têm a dizer sobre a eventual queima desse arquivo em 9 de fevereiro de 2020.

Aliás, o MP do Rio nunca explicou por que Fabrício Queiroz ainda não depôs no inquérito cuja abertura foi adiada, conforme a elucidativa e definitiva entrevista de Marinho, que acaba de fornecer uma peça aparentemente pequena do quebra-cabeça que foi escondida da sociedade brasileira nestes últimos anos, apesar de todas as evidências do envolvimento do clã Bolsonaro. Agora chegou a hora da elucidação total de um caso horrendo e mantido oculto por desfaçatez e falta de caráter de todos. É uma caixa de Pandora da qual o empresário carioca entregou a chave. Para ser aberta se demanda mais vergonha na cara do que coragem.

A Nação exige comportamento diferente do oportunista procurador-geral da União. Augusto Aras, que tem poupado o presidente da República com tanto zelo que passa a merecer a mudança da denominação de seu alto cargo de procurador-geral da República para “puxassaco-presidencial”. Depois que Bolsonaro prestigiou e apoiou manifestantes golpistas pela terceira vez, um à frente do QG do Exército e dois na Praça dos Três Poderes, ele “passou o pano”. Mas pode recuperar o terreno perdido se  aproveitar a oportunosa ensancha dada por Paulo Marinho e incluir sua entrevista no inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a seu pedido, para investigar as graves acusações feitas pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro contra o ex-chefe. Para isso teria de apensá-la pelas evidências oferecidas pelo clã no poder republicano. Fatos, apenas fatos.

As questões são óbvias. Por que Bolsonaro disse que seu sonho era fazer do presidente da Agência Brasileira de Inteligência (quanta estupidez!), Alexandre Ramagem, diretor-geral da PF? Por que nomeou para esse posto o obscuro lugar-tenente dele, Rolando (Lero) Alexandre de Souza, após ter tido o sonho interrompido pelo ministro do STF Alexandre de Moraes? Seria Fabrício Queiroz a pessoa à qual se referiu ao tentar impedir que ferrassem (perdão pelo eufemismo) sua família e seu “amigo”?

O depoimento de Marinho não surpreende. Este autor já se referia ao saco de gatos briguentos que é a PF (petistas de Paulo Lacerda, tucanos de Marcelo Itagiba e viúvas de Romeu Tuma) no livro O que Sei de Lula (Topbooks), editado em 2019. No artigo Polícia Federal, uma santinha de pau oco, publicado no Estadão em 29 de abril passado, constatei as novas alas de petistas grã-finos liderados por Luiz Fernando Corrêa, discípulo de Márcio Thomaz Bastos e o mais longevo diretor-geral da história da instituição, e bolsonaristas, agora, ao que parece, sob a batuta de Alexandre Ramagem. A entrevista, talvez provocada pelo risco de seguir o destino do capitão ex-herói do Bope ou de um enfarte como o que calou seu amigão Gustavo Bebianno, mas também por uma respeitável coragem de enfrentar suas responsabilidades, que dá lógica e possivelmente consequências a fatos que não deviam mais ser escondidos da cidadania.

Assim como é o caso do vídeo de uma reunião com 40 pessoas, nem todas altas autoridades, em que o governo Bolsonaro, que acompanha, impassível, a morte de 16 mil brasileiros, mostra não ter honra, juízo, empatia e pudor para administrar esta crise sanitária, econômica, política e social. E usada criminosa e covardemente como estelionato eleitoral. Seja qual for a sentença – anulação da chapa pelo Tribunal Superior Eleitoral, condenação por crime de responsabilidade no Senado ou comum pelo STF –, sua impunidade envergonha mais o Brasil do que os nefastos frutos dessa safra de ódio, despudor e desmandos.

·        Jornalista, poeta e escritor

(Publicado no Blog do Nêumanne na segunda-feira 18 de maio d3e 2020)

Para ler no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

Coluna semanal do Ric Mais: O bajulador-geral da República

Coluna semanal do Ric Mais: O bajulador-geral da República

O Grupo Ric de Comunicação põe à disposição de emissoras de rádio e jornais impressos ou em edição virtual três podcasts de três minutos cada e um artigo por semana. Interessados em publicar este material original deve entrar em contato com mash.leonardo@gruporic.com.br

 

 

O bajulador-geral da República

José Nêumanne

Procurador-geral volta aos tempos de dublê de advogado para servir a quem pode levá-lo ao STF

Qualquer advogadozinho de porta de cadeia – até mesmo o rábula petista que ora ocupa a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) – se daria por mais que satisfeito com as provas que o presidente da República, Jair Bolsonaro, dá para justificar todas as acusações feitas contra ele por Sérgio Moro. Era de imaginar, então, que o ex-advogado e atual procurador-geral, Augusto Aras, não perderia o expediente para buscar pelo em ovo no parecer encaminhado ao decano daquela instituição, ministro Celso de Mello, ao fazer considerações aleatórias sobre temas que não são de sua alçada. E pior: para as quais não dispõe de prova nenhuma.

Primeiro, ausentou-se da sessão para a qual foram convidados o Ministério Público Federal (MPF), que chefia, a Advocacia-Geral da União (AGU), à qual parece prestar serviços extraordinários, o acusador Sergio Moro e sua defesa, demonstrando nítido desinteresse pelo assunto em pauta. E, depois, produziu esta pérola: “O procurador-geral da República não compactua com a utilização de investigações para servir, de forma oportunista, como palanque eleitoral precoce das eleições de 2022”. Atribuiu ao acusador a pecha de fazer uso eleiçoeiro de suas denúncias. De lambujem, despachou contra a degravação do vídeo, aproveitando para fazer sibilinas críticas ao relator pela rapidez com que toca o inquérito.

Assim, confirma a avaliação deste autor de que ele é disponível aos interesses de velhos amigos do PT, como José Dirceu. E cumprirá a autoanistia empreendida por quem o nomeou para o cargo, Jair Bolsonaro, desmascarando a sub-reptícia aliança de interesses entre lulopetismo e nazibolsofascismo. Diz-se que o ex-PGR Geraldo Brindeiro foi “engavetador-geral”. Se for coerente com seu parecer, o baiano Aras, filho do petista Roque, maçaneta de Chico Pinto, que frequentava a casa do chefe da segunda seção do Exército em Salvador, a quem revelava nomes e atos de adversários da ditadura militar, arquivará as acusações contra o atual presidente. O despacho de arquivamento não poderá ser anulado pelo relator, pois a decisão final não cabe ao juiz, mas a ele. Ainda assim, as forças democráticas não assoladas pela covardia terão de cobrar do Senado punição cabível para adverti-lo de que o Ministério Público, elevado pela Constituição de 1988 a “quarto poder” de fato, nunca deveria ser chefiado por um “bajulador-geral da República”. Até para os varões desta República se redimirem do aval que deram a quem joga no lixo a imagem positiva que sua corporação tem no povo que paga seus polpudos vencimentos.

E é por isso que aquele que pode indicá-lo para o lugar do decano no STF aposta no destino de país tribal transaariano para nossa desafortunada Pátria amada, mãe gentil.

*Jornalista, poeta e escritor

Para ler no blog do grupo Ric Mais clique aqui. 

Página 1 de 13112345...1015202530...»
Criação de sites em recife Q.I Genial