Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Diversos

No caderno Aliás, do Estadão: Herói tratado como um vilão

No caderno Aliás, do Estadão: Herói tratado como um vilão

Em “Guerra fria e política editorial”,
a historiadora Laura de Oliveira retrata o editor Gumercido Rocha Dórea como vassalo dos interesses ianques no Brasil

Como qualquer gênero literário, a ficção científica apresenta aos leitores obras de baixa qualidade ou de esplêndida feitura. Por falta de espaço para elaborar uma lista dos piores livros da modalidade, o autor pede vênia ao leitor para ser dispensado de listá-los. É preferível, para quem escreve e para quem lê, elencar textos que alcançaram o estágio do sublime e que serviram de base para narrativas de alta magnificência em outras artes. É o caso de 2001 – Uma odisseia no espaço, do britânico Arthur C. Clarke. Dele foi extraído o clássico de cinematografia com o mesmo título, dirigido pelo americano Stanley Kubrick. É antológica a cena do primata jogando um osso no espaço com o corte da edição permitindo que o espectador o veja transformar-se numa nave sideral.

FR12 SÃO PAULO - SP - 29/08/2017 - ALIÁS - GUMERCINDO ROCHA DÓREA - Gumercindo Rocha Dórea, fundador da editora GRD, que está com 93 anos. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

FR12 SÃO PAULO – SP – 29/08/2017 – ALIÁS – GUMERCINDO ROCHA DÓREA – Gumercindo Rocha Dórea, fundador da editora GRD, que está com 93 anos. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

Um livro britânico e um filme ianque. Será a ficção científica uma exclusividade dos vencedores da Guerra de Secessão? Que dizer de Solaris? Nada poderia ser tão pouco imperialista como uma obra dirigida pelo soviético Andrei Tarkovski no tempo em que a União Soviética ainda existia. E mais: a fita é baseada no romance do polonês Stanislaw Lem, no qual também, diga-se de passagem, baseou-se o gringo Steven Sorderbergh, sulista de Atlanta, para produzir sua própria versão em cinema – exemplo do alcance planetário e extra-ideológico do gênero.

O autor destas linhas é de uma geração de brasileiros privilegiados que conheceram a modalidade multinacional sem ter de aprender russo para ler Cem anos à frente, novela de Kir Bolitchov (1978), e assim conhecer a descrição avant la lettre do corriqueiro celular de nossos dias. Ou fruir em inglês corrente a magnífica prosa de Crônicas Marcianas, de Ray Bradbury. O baiano Gumercindo Rocha Dórea criou uma editora, a GRD, que lançou em português romances, novelas e contos que inspiraram a fundação de clubes de ficção científica pelo País inteiro, permitindo a patrícios monoglotas conhecerem o gênio de Isaac Asimov. Assim como livros proibidos de dissidentes do regime stalinista, como o celebrado Nós, de Ieuguêni Zemiatin. De lambujem, lançou prosadores na língua pátria da estirpe de Fausto Cunha, autor de As Noites Marcianas, Gerardo Mello Mourão, Rubem Fonseca e Nelida Piñon, que dispensam apresentações.

Por causa disso e de muito mais, Dórea sempre foi tratado como herói por cultores do gênero, caso de Bráulio Tavares, meu conterrâneo e contemporâneo de adolescência em Campina Grande, e Ataíde Tartari, paulistano. A historiadora Laura de Oliveira, premiada por sua tese sobre Guerra Fria e Política Editorial, detentora de láureas de saber acadêmico, com texto recentemente lançado em livro pela Universidade Estadual de Maringá, contudo, resolveu reescrever a história, ao feitio stalinista, que Zamiatin denunciou, atribuindo à ficção científica a sórdida condição de mera propaganda imperialista dos EUA e reservando a Dórea o papel de reles vassalo dos interesses da dominação ianque sobre o Brasil na metade do século 20, a soldo do ouro do Forte Knox. Tudo isso porque Dórea nunca escondeu sua condição de integralista, corrente política de inspiração fascista que teve importância na cena política dos anos 30 aos 60, abraçada por políticos e intelectuais como Dom Helder Câmara, San Thiago Dantas e Miguel Reale. Mas dela hoje só restam vagarosas lembranças, como o equivocado ideário autoritário de Plínio Salgado, autor de uma brilhante Vida de Cristo.

A capa do livro não deixa dúvidas quanto a suas intenções e distorções: Tio Sam, de casaca e calça listrada, senta-se no ombro do jovem editor, certamente soprando palavras de ordem para emitir doses fatais de veneno colonialista com o fito de escravizar nossa doce pátria espoliada. Se a capa é grotesca, o texto da autora é pior. Isso deixa a impressão de que a acadêmica foi movida pela intuição de que jamais a própria obra de vulgarização do marxismo-leninismo teria sido publicada por Dórea. Seja por professar ela ideologia antagônica à dele, seja por não ter o texto dela a qualidade exigida por ele na seleção dos originais a serem postos à venda.

Pela leitura do tatibitate menos do que sofrível texto a que a autora expõe o leitor e pelos deslizes editoriais que a tornam uma missão quase impossível, de tão espinhosa (a revisão deixou passar linhas repetidas em algumas páginas), a obra termina por fazer propaganda de Dórea, embora em nenhum momento lhe faça justiça.

  • Jornalista, poeta e escritor

(Publicado no caderno Aliás, Cultura, Pag. 2, Estado de S. Paulo, no domingo 3 de setembro de 2017)

Para ler no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

http://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/?p=6362

 

Perfil fúnebre de Walter: Dublê de repórter  e empresário

Perfil fúnebre de Walter: Dublê de repórter  e empresário

Com a morte de Walter Fontoura em São Paulo, na madrugada desta terça-feira, 4 de julho, saiu de cena mais um representante de uma geração de jornalistas que tinham ao mesmo tempo faro de notícia, vocação de chefiar equipes e visão de mercado. Há 15 anos, morreu o carioca (como ele) Evandro Carlos de Andrade. Em fevereiro deste ano, foi a vez de Mauro Guimarães, com os mesmos 80 anos de Walter, seu maior amigo. Outro expoente, Oliveiros S. Ferreira, está aposentado, aos 89 anos. Mauro e Walter tiveram importância capital no apanágio jornalístico e empresarial do Jornal do Brasil, hoje limitado à edição virtual. E Walter também participou, como Evandro, do crescimento das Organizações Globo. Oliveiros, celebrado professor da Universidade de São Paulo (USP), teve atuação decisiva na consolidação do Estado de S. Paulo.

walterfontoura

Filho de um oficial da Aeronáutica, Walter passou a infância em Natal, capital do Rio Grande do Norte, cidade e Estado aos quais sempre dedicou carinho filial. Mas sua ligação com o Rio de Janeiro foi muito mais intensa e significativa. Foi redator da primeira coluna política importante na imprensa brasileira contemporânea: o Informe JB, inspiração da Coluna do Estadão, do Painel da Folha de S.Paulo, de SwannAncelmo Góes e Jorge Moreno, no Globo. A prioridade da informação na coluna, cuja marca registrada era o anonimato do autor, contaminou outras tidas como sociais, deixando suas marcas em Zózimo Barroso do Amaral, que foi seu subordinado no Caderno BDireto da Fonte, no Caderno 2, e Mônica Bergamo, na Folha Ilustrada.

Desde muito cedo, Walter chefiou equipes, o mais evidente de seus muitos talentos na gestão de empresas e redações jornalísticas. Fidalgo, com talento de diplomata, empregado na direção do escritório do Instituto Brasileiro do Café em Nova York, ele sempre cultivou fontes e foi, enquanto trabalhou cotidianamente, um feroz caçador de “barrigas”. Graças às fontes que consultava, usou o poder da chefia, por exemplo, para impedir que saísse a nota de uma coluna que desinformava sobre a preferência do presidente Geisel para suceder-lhe pelo general Hugo Abreu, no dia em que João Figueiredo seria anunciado. À época dirigia o “jornal da condessa”, em que trabalhou 18 anos como repórter, redator, editorialista, diretor da sucursal de São Paulo, redator-chefe e vice-presidente da empresa. Nele comandou, nos anos 70, uma equipe de destacados jornalistas, como Carlos Castelo Branco e Villas-Bôas Corrêa. De 1985 a 1997, dirigiu a sucursal paulista do então maior concorrente do JBO Globo.

"Walter, a mulher Arlete e as filhas, ainda pequenas, Claudia e Ana Cristina." Foto do perfil do jornalista no FaceBook https://www.facebook.com/walter.fontoura.5

“Walter, a mulher Arlete e as filhas, ainda pequenas, Claudia e Ana Cristina.”
Foto do perfil do jornalista no FaceBook – https://www.facebook.com/walter.fontoura.5

Fora do jornalismo, empregou o talento de executivo no Conselho Consultivo do Banco Mercantil de São Paulo, para o qual foi convidado por seu amigo, Gastão Vidigal, que ele considerava o banqueiro-síntese do Brasil. Sobre o Mercantil escreveu o livro O Banco, São Paulo e o Brasil. Foi também diretor da Associação Comercial do Rio de Janeiro, vice-presidente da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, membro do Conselho de Orientação Superior da Fiesp, da Editora Páginas Amarelas e do Masp.

Em 2000, Walter Fontoura juntou-se aos amigos publicitários Luiz Sales, Alex Periscinoto e Sergio Guerreiro para fundar a SPGA Consultoria de Comunicação e prestou serviço a presidentes de empresas como Vale, Santos Brasil, Votorantim, Basf e Bradesco.

Caricatura de Walter Fontoura (08/06/1936 a 04/07/2017) de autoria não identificada, copiada da página dele no Facebook.

Caricatura de Walter Fontoura (08/06/1936 a 04/07/2017) de autoria não identificada, copiada da página dele no Facebook.

Por todos esses lugares compartilhou competência, simpatia, elegância e cavalheirismo. Deixa viúva Arlete, com quem teve três filhos, Walter (morto na juventude), Cláudia e Ana, além de cinco netos.

Antonio Foutoura D'Angelo com Walter Fontoura. Foto copiada do perfil do FaceBook: https://www.facebook.com/walter.fontoura.5

Antonio Foutoura D’Angelo com Walter Fontoura. Foto copiada do perfil do FaceBook: https://www.facebook.com/walter.fontoura.5

José Nêumanne Pinto

Jornalista, poeta e escritor

Comentário no Direto da Estante, Estadão no Ar: Os encantos de Macondo

Comentário no Direto da Estante, Estadão no Ar: Os encantos de Macondo

Está em processo de criação a primeira série de ficção sobre a vida do escritor colombiano Gabriel García Márquez, o Gabo, que completaria 90 anos nesta segunda, 6. Trata-se de um projeto de produtores e escritores independentes da Colômbia, que planejam vendê-lo para a Netflix ou HBO. Gabriel García Márquez, que ganhou o prêmio Nobel em 1982, continua e continuará provocando reações depois de sua morte, em 2014, aos 87 anos, pois, diariamente, “milhões de pessoas apreciam as deliciosas páginas do universo mágico de Macondo, o lugarejo idealizado pelo escritor, traduzido para muitos idiomas”, diz o comunicado da produtora. Alguém teria, por acaso, alguma dúvida?

(Comentário no Direto da Estante, Estadão no Ar da Rádio Estadão na terça-feira, 27 de março de 2017, às 7h56m)

Para ouvir clique no ícone play abaixo:

 

Para ouvir no Blog do Estadão, Politica, Estadão, clique no link abaixo:

http://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/os-encantos-de-macondo/

Comentário no Direto da Estante do Estadão no Ar: Ler ou não ler – eis a questão

Comentário no Direto da Estante do Estadão no Ar: Ler ou não ler – eis a questão

O professor, ensaísta, crítico, poeta, escritor e presidente da Academia Brasileira de Letras, Domício Proença Filho, reflete sobre a importância da leitura em seu novo livro, Leitura do texto, leitura do mundo, publicado pela Editora Anfiteatro e a ser lançado hoje, na Livraria da Travessa, no Shopping Leblon, às 19 horas. A questão central do texto é a importância do ato de ler na nossa relação com o outro e com o mundo que nos cerca. A obra foi escrita a partir da sua experiência em cursos que ministrou para 20 mil docentes da educação básica e cerca de 15 mil funcionários de empresas públicas e privadas. Nela tentou resumir, ordenar e responder às questões que ouviu na sala de aula.

(Comentário no Direto da Estante do Estadão no Ar da Rádio Estadão na terça-feira 7 de março de 2017, às 7h52m)

Para ouvir clique no link abaixo e, aberto o site Estação Nêumanne, no ícone do play

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

http://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/ler-ou-nao-ler-eis-a-questao/

No Blog do Nêumanne: Sob o império da barbárie

No Blog do Nêumanne: Sob o império da barbárie

A notícia do padre degolado em sua paróquia provinciana na Normandia do desembarque das tropas aliadas para libertar a França do jugo alemão, uma referência paradoxal, trouxe-me um misto de imagens e sensações de minha memória, de minhas leituras e de meu conhecimento, de minha angústia e de minha perplexidade. Veio-me à mente a execução, também por arma branca, do beato Sebastião por Rosa, a mulher do vaqueiro Manoel, no clássico do cinema Deus e o Diabo na Terra do Sol, do gênio sertanejo e baiano de Glauber Rocha. A leitura do brilhante texto de Gilles Lapouge na Internacional do Estadão nesta quarta-feira (http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,morte-de-um-sacerdote,10000065166) despertou-me para o paradoxo da escolha da França cristã dos cruzados e agnóstica dos iluministas, de Voltaire e de Céline como alvo do terror suicida e insano. De fato, vivemos hoje em pleno conflito irracional da tentativa de exterminar os barões da cristandade que tentaram sem sucesso tomar Jerusalém dos sarracenos no Medievo, empreendida pelos jihadistas num mundo em que a perda da fé religiosa, substituída pelo fausto comodista do consumismo burguês (e a França é também a primeira pátria da burguesia como classe social e como padrão ideológico e político), ressuscita a glória da morte pelo extermínio da razão. É terrível este eterno retorno à barbárie, justificado como arma contra a opressão por Sartre, europeu entorpecido pela tentação socialista, e combatido por Camus, africano criado e educado em terra habitada por árabes muçulmanos. Nesta luta louca não há lugar para o bucólico, como mostra a execução do sacerdote em seu templo dedicado ao eterno e ao sagrado, conceitos tradicionalmente respeitados nos piores espasmos da truculência na civilização humana. Como pode haver paz num território em que o guerreiro nunca descansa e a vítima pode ser qualquer uma e estar em qualquer lugar? Tão assassina quanto o terror é a insensibilidade blasé com que certa intelligentsia presunçosa e estúpida tenta reduzir tudo às fronteiras fechadas dos próprios limites, que, aliás, desconhece. Como vê, estou triste, ensimesmado e meditabundo, apreensivo com o mundo que desaba num barranco ameaçando a sobrevivência de meus companheiros de luta e o futuro de meus amados descendentes. Contemplando essa ruína, temo e choro.

Foto: REUTERS/Steve Bonet , no  Estadão. Internacional

Foto: REUTERS/Steve Bonet , no Estadão. Internacional

Elis, a mais perfeita tradução do pop do sertão de Belchior

Elis, a mais perfeita  tradução do pop do  sertão de Belchior

José Nêumanne

Os violétricos. Este neologismo, síntese de memória e inovação, era um signo de nossa proposta, que ligava polos opostos, mesclando respeito e provocação. Belchior e eu planejávamos escrever um tratado sobre a fusão de viola de feira com guitarra elétrica. A obra não foi escrita e a palavra se perdeu, mas a geração teve sorte e fez sucesso: Fagner, Zé Ramalho, Mirabô, Alceu, Geraldinho, Marcus Vinicius, Pessoal do Ceará e outros autores retirantes. Com eles, as cantoras Elba e Amelinha.

Belchior morava na obra da casa de Irede Cardoso, minha colega no jornal e, depois, vereadora e militante feminista. Sem dinheiro para refeição e transporte, ia todo dia do Cemitério do Araçá, no Sumaré, até meu apartamento na Rua Caio Prado, na Consolação. Comíamos feijão de corda, preparado com esmero por Maria de Marinheiro: era a madeleine de Proust dele e o fazia voltar a sua Sobral natal. Ali, planejávamos o ensaio que não foi escrito.

Outro colega, Walter Silva Picapau, providenciou encontros que possibilitariam ao cearense realizar seu sonho de juventude. Levou-o para o programa Mixturação, no Teatro Record da rua Augusta, produzido pelo crítico que fora disque-jóquei. No palco cruzou com Raul Seixas, Simone, Ney Matogrosso e os Secos e Molhados. E ali reencontrou Fagner, o Pessoal do Ceará e Pekin. Walter apostava nos boleros deste último, mas ele nunca fez sucesso, voltou pro Ceará e sumiu. Alguns ascenderam ao estrelato, caso de Fagner e Belchior, que compuseram juntos Mucuripe, clássico registrado por Roberto Carlos, depois de Elis Regina.

No programa, ele também cruzou com o poeta, maestro, compositor e musicólogo Marcus Vinicius de Andrade, sob cuja direção musical produziu seu primeiro LP, por escolha do Picapau, que dirigia uma linha de jovens compositores e intérpretes pra Continental, de Alberto Byington. No apartamento de Marcus na Frei Caneca os dois engendraram seu disco de estreia. O resultado foi primoroso, mas não fez o sucesso comercial que merecia. Marcus introduziu no projeto de fusão pop-popular do artista o legado de George Martin com os Beatles.

O disco seguinte, Alucinação, feito no estúdio da Polygram, na Barra da Tijuca, foi uma espécie de grandes sucessos avant la lettre. Ali foram gravadas algumas das melhores canções de sua lavra. Duas – Como Nossos Pais e Velha Roupa Colorida – foram interpretadas de tal forma por Elis, com arranjos de César, que garantiram o sucesso enorme do show e do álbum Falso Brilhante, obra prima da dupla Elis e César. E incrementaram as vendas do próprio lançamento, agora quarentão.

Belchior virou um artista popular para o povão, o rei do circuito de churrascarias na periferia. E a maior cantora brasileira desde sempre o entronizou num alto altar no panteão da tal da Música Popular Brasileira. A Pimentinha de Porto Alegre e o pianista paulistano conseguiram de maneira mágica fazer o casamento perfeito entre a mistura de música e da poesia de repente do sertão com os sons da arte que consagrou Lennon e McCartney, Richards e Jagger. É difícil hoje saber se Belchior tem noção de que o sonho do compositor que amava mais a poesia, iniciado com Hora do Almoço, citada por seu inimigo de adolescência Fagner na gravação de Canteiros, foi realizado em tal plenitude que o melhor de sua obra inteira está no CD do show Falso Brilhante.

Qual falso, o quê? É o som sem jaça de violétrico no auge da perfeição.

Jornalista, poeta e escritor

Caderno 2 do Estadão, domingo, 8 de maio de 2016.

http://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/o-pop-do-sertao-de-belchior/

Página 1 de 3123
Criação de sites em recife Q.I Genial