Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Direto ao Assunto

Nêumanne entrevista Leo Chaves – 2019 (6)

Nêumanne entrevista Leo Chaves – 2019 (6)

Para Leo Chaves,

“açoite do conformismo assassina a Nação”

 

O cantor, compositor e escritor constata que

“o chão do Brasil chora lama, enquanto brasileiros se afogam nela”, 

e não há salvador da Pátria com cidadãos de braços cruzados

Tendo contemplado inúmeras vezes, ao viajar de Abre Campo para Belo Horizonte na infância, o casario de Mariana, na região histórica de Minas Gerais, e mesmo não tendo visitado a cidade depois do arrombamento da barragem da Samarco nas proximidades, há três anos, Leo Chaves se emociona e o relaciona “a um déficit na eficiência, competência e qualificação”. Na entrevista desta semana no Blog do Nêumanne, o autor do best-seller No Colo dos Anjos conclui, em tom de lamento: “Quando se vive no Brasil, não se espera nada senão uma escada rolante com episódios trágicos, desastres e aquilo que não se espera? Desumanizamo-nos com o avanço da humanidade. Não somente eu, mas qualquer outro brasileiro acostumado a lidar com situações parecidas espera o próximo episódio, exatamente com os mesmos trejeitos e características, ou piores.” O cantor, que fez dupla de muito sucesso na música popular com o irmão Victor e é jurado no The Four Brasil, reality show da Rede Record, enxerga o que tem acontecido como resultado de “presunção do ser humano se autodesafiar! Cheira a um desafio a Deus”. Ele não acredita “numa mudança de profissionais que há anos vivem chafurdados neste contexto”. Mas completa: “Podemos, sim, metamorfosear na formação de novos cidadãos, com base em alta performance, eficiência, versatilidade, entrega coerente e comportamento ativo. Uma nova geração, muito mais preparada, para um novo Brasil. Essa mudança começa numa tomada de consciência social”.

Foto clipe1 - Desde a infância, Leo está acostumado a subir e descer as montanhas ricas em minérios e contemplar as belas paisagens com que cruza no caminho. Foto: Leo Crosara

Foto clipe1 – Desde a infância, Leo está acostumado a subir e descer as montanhas ricas em minérios e contemplar as belas paisagens com que cruza no caminho. Foto: Leo Crosara

Mineiro nascido em Ponte Nova e criado em Abre Campo, Leo Chaves é compositor, cantor, arranjador e produtor, reconhecido como um dos principais artistas nacionais há mais de uma década, quando, ao lado do irmão Victor, sua voz conquistou fãs por todo o País. Além de músico, é empresário do agronegócio, cria gado Senepol na Fazenda Paraíso. É presidente fundador eexecutivo do Instituto Hortense, que tem como objetivo desenvolver habilidades socioemocionais em crianças e adolescentes de instituições públicas e ONGs. Atualmente, o trabalho impacta mais de 35 mil pessoas. É escritor e palestrante há três anos,tendo apresentado mais de 50 palestras nos últimos 12 meses. Como ser uma marca, e não apenas representar uma, e como se desenvolver e se reinventar ultrapassando os próprios limites são alguns dos tópicos abordados. É também embaixador do programa Jovem Aprendiz, sendo porta-voz de jovens entre 14 e 24 anos que têm o direito de ser contratados por médias e grandes empresas. Leo Chaves é ainda certificado em programação neurolinguística pela Sociedade Brasileira de Neurolinguística e nos últimos anos tem se aprofundado nos estudos de inteligência emocional, gestão da emoção, filosofia, educação familiar e escolar, coach e pedagogia. Seu primeiro livro, No Colo dos Anjos, em menos de três meses se tornou umbest-seller, ocupando o primeiro lugar na lista dos mais vendidos da revista Veja e do site PublishNews. Atualmente é um dos jurados do The Four Brasil, novo reality show exibido pela Rede Record.

Nêumanne entrevista Leo Chaves

 

Nêumanne – Quantas vezes o senhor já esteve na região histórica de seu Estado de Minas Gerais, tendo passado por Mariana? Qual era seu sentimento durante essas visitas àqueles casarios cheios de histórias pra contar?

Leo Chaves – Já dizia o poeta Guimarães Rosa: “Minas é uma montanha, montanhas, o espaço erguido, a constante emergência, a verticalidade esconsa, o esforço estático; a suspensa região – que se escala”. A região de Mariana e Ouro Preto traz o retrato.

Desde minha infância essa  região era rota entre a cidade onde fui criado, Abre Campo, e Belo Horizonte. Sempre a vista dos casarios de Mariana à direita na estrada chamava atenção. O que havia por trás daquilo tudo. Olhava, pensava, interrogava, mas admirava.

Quanta história, de vidas e daquele chão.

Em paralelo a suas atividades como músico e escritor, Leo é um palestrante muito requisitado. Foto: Acervo pessoal

Em paralelo a suas atividades como músico e escritor, Leo é um palestrante muito requisitado. Foto: Acervo pessoal

Tive a oportunidade de estudar durante três anos em Cachoeira do Campo e com frequência ia a Mariana nos dias de folga. Uma cidade com arquitetura diferenciada, história invejada e admirada pelo mundo.

Durante essas viagens, desde sempre a imaginação viajava nas alturas que hoje retratam lamúrias! No entanto, ao me colocar no lugar das pessoas, imagino as histórias, as famílias, o quanto se caminhou para construir as cidades históricas de Mariana e Ouro Preto. Quantos capítulos guardados por trás dos casarios e dos morros.

Imagino quanto aquela cidade, aqueles morros foram importantes para o próprio crescimento do Estado e do País. Sabemos que os primeiros passos de Minas foram dados ali. Se hoje há grandes empresas que exploram minério, isso se deve muito aos antepassados que ali viveram e construíram aquela região. Desconstruídas por algo que se esconde.

Ficava imaginando se, com o crescimento da população e o avanço da tecnologia, poderíamos ter um uma geração que convivesse com  o equilíbrio entre sociedade, economia e meio ambiente, harmonia desesperançada que não encontramos nos dias atuais.

É amargo ver as Gerais estão ignotas.

Como diria o poeta, Minas, são muitas. Porém poucos são aqueles que conhecem as mil faces das Gerais.

Leo fez dupla com o irmão Victor em gravações de muito sucesso nas paradas e uma pauta lotada de shows. Foto: Priscilla Tessa

Leo fez dupla com o irmão Victor em gravações de muito sucesso nas paradas e uma pauta lotada de shows. Foto: Priscilla Tessa

N – O senhor foi a Mariana depois do arrombamento da represa do Fundão, da Vale (Samarco), testemunhou o assassinato do Rio Doce e o desamparo das famílias que viviam às suas margens? Qual seu sentimento na ocasião?

N – Não tive o desgosto de visitar a região na época do desastre, mas acompanhei pelos noticiários com profundo dissabor e pesar ao me colocar no lugar daquelas pessoas. Algumas perderam familiares, amigos. E muitas outras, seu sustento, pois pescavam e plantavam na região. Passaram a ter outras histórias pra contar.

Essas famílias perderam seu norte e ficaram à deriva de quem os desnorteou. Fico imaginando crianças e adolescentes diante de um discurso dos pais de não terem  mais os recursos financeiros para atender às suas necessidades. Sonhos despejados morro abaixo. Escolas que foram destruídas, casas varridas pela própria sujeira e uma infinidade de afetos  levados pela lama.

Imagino eu que, quando uma empresa de grande porte anuncia sua ida para determinada região, possivelmente há empolgação, comemoração, elogios, perspectiva de ganhos e dias melhores… A sociedade se aglomera com pensamentos otimistas, de esperança,  economia crescendo, setor industrial se desenvolvendo  e melhorias de condições humanas pra todos.

Realmente, a importância do setor da exploração de minério era de 80% no que diz respeito à economia. Ao mesmo tempo, com o rompimento da barragem, os mesmos elogios e as aclamadas frases de esperança e perspectivas se transformaram em lágrimas, protestos, gritos sem ressonância, angústia e revolta.

Diante de um mesmo ângulo, ou seja, uma empresa que desperta esperança, otimismo numa sociedade, paradoxalmente,desencadeia pânico. Então, a pergunta que fica é: o que entra nesse meio? Na minha visão, não é o fato intrínseco de uma empresa se instalar ou não na região para a extração de minério. Isso não determina  um  problema, é, sim, o como fazer, como administrar. Penso eu que o grande problema, como tudo neste país, está  relacionado  a um déficit na eficiência, competência e qualificação.

As consequências não podem ser outras.

O descrédito acometido pelos ocorridos é intenso.

Leo, em palestra: “É amargo ver as Gerais tão ignotas. Como diria o poeta, Minas, são muitas. Porém poucos conhecem as mil faces das Gerais.” Foto: Acervo pessoal

Leo, em palestra: “É amargo ver as Gerais tão ignotas. Como diria o poeta, Minas, são muitas. Porém poucos conhecem as mil faces das Gerais.” Foto: Acervo pessoal

A Samarco está construindo uma nova comunidade para as famílias, a cerca de 10 km de Bento Rodrigues. Mas muitas preferem voltar às casas antigas. Mesmo em péssimas condições de abrigo e em estado de alarme. Viveram lá por uma vida, construíram sonhos, elas se sentem pertencentes àquele lugar. Dá pra imaginar o tamanho do ressentimento, do trauma que éprovocado numa família, numa geração, todo o prejuízo causado? É uma perda que vai muito além do material. E me impressiona a ideia de que daqui a pouco estará tudo normal, sem mudanças, à espera da próxima.

Precisamos ir à fonte. Alguém sabe o que causa tamanhas consequências desastrosas, ou criminosamente?

N – Passou alguma vez por sua cabeça o medo de que aquele desastre pudesse acontecer de novo, de forma muito semelhante e com resultados tão catastróficos como o primeiro?

L – Quando se vive no Brasil, não se espera nada senão uma escada rolante com episódios trágicos , desastres e aquilo que não se espera? Desumanizamo-nos com o avanço da humanidade. Não somente eu, mas qualquer outro brasileiro acostumado a lidar com situações parecidas espera o próximo episódio, exatamente com os mesmos trejeitos e características, ou piores.

Apesar do sucesso e da agenda lotada, Leo sempre fez questão de cultivar as raízes de mineiro do campo em contato com a terra e os animais – Foto: César Dutra

Apesar do sucesso e da agenda lotada, Leo sempre fez questão de cultivar as raízes de mineiro do campo em contato com a terra e os animais – Foto: César Dutra

Quando temos uma ideologia de gestão medíocre que reina na esfera  da mão de obra e da liderança social e profissional, é provável que tenhamos sempre os mesmos resultados repetidas vezes. Não temos uma maioria com comportamento proativo diante de imprevistos ou problemas. Há uma mentalidade passiva em massa. É como se fôssemos todos reféns de toda uma sociedade que sucumbe e observa. O açoite do conformismo assassina uma nação.

Geralmente não se tem as causas que levaram ao acontecimento, por falta de controle e diligência. Nos times profissionais não se vê conexão coletiva. Falta  uma atitude corretiva ou de realinhamento diante de situações adversas ou imprevistos, observa-se apenas.

De onde vem essa mentalidade medíocre? O passar na média, a síndrome do mas, tem de fazer, mas… Na minha visão, essa mentalidade nasce  do nosso modelo educacional, que deveria estimular, motivar e criar oportunidades para a esfera docente, mas a deixa como ultima da fila neste país. Parece que nos últimos anos regredimos nesse terreno. Não treinamos jovens para uma direção ascendente. Claro que a formação começa na infância e aí não há um contexto favorável. O que é esperar dos jovens que, sabe-se lá como, frequentam escolas, quando não se tem acesso a um conceito de ensino eficaz, quando não se conhece, apenas comparece, e a escassez de oportunidades reina?

Não acredito numa mudança de profissionais que há anos vivem chafurdados nesse contexto. Podemos, sim, metamorfosear  na formação de novos cidadãos, com base em alta performance, eficiência, versatilidade, entrega coerente e comportamento ativo. Uma nova geração, muito mais preparada, para um novo Brasil.

Essa mudança começa numa tomada de consciência social.

Não acredito num salvador da Pátria com cidadãos de braços cruzados.

N – O senhor chegou a conhecer o Rio Doce, com esse nome poético, quando era líquido e piscoso, e testemunhou sua transformação num curso de dejetos assassinos?

L – Assisti a alguns vídeos de peixes morrendo, arrancou-me lágrimas. Eu me lembro de uma foto do meu pai com um dourado enorme, nos anos 80, pescado no Rio Doce. A lama com dejetos rejeitos, salgou o Rio Doce.

É triste presenciar o abandono de um celeiro de riquezas naturais.

Passei há poucos dias na Zona da Mata, devo admitir, parece que foi largada às traças. Não me conformo com tanto desleixo e descaso. Estamos mal representados, não há líderes à altura das Gerais. Nivelaram por baixo as altas montanhas mineiras. É tempo de agir?

“Não temos uma maioria com comportamento proativo diante de imprevistos ou problemas. Há uma mentalidade passiva em massa”, diz Leo. Foto: César Dutra

“Não temos uma maioria com comportamento proativo diante de imprevistos ou problemas. Há uma mentalidade passiva em massa”, diz Leo. Foto: César Dutra

N – Qual seu sentimento ao tomar conhecimento de que a empresa responsável por aquela barbaridade escolheria para administrar a barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, exatamente o mesmo funcionário sob cuja gestão se deu a desgraça em Mariana, em 2015?

L – Sob o ângulo da gestão de uma empresa desse porte, responsabilidades se dividem mediante uma hierarquia com influência direta no acontecido, que deve ser levada em conta.

O que me remete a um déficit enorme coletivo, do qual o País se mantém refém, atribuído à mão de obra desqualificada. A questão está associada a uma mentalidade medíocre, alimentada  por um paradigma que reina e predomina!

Assim mesmo, tá  bão, o jeitinho brasileiro continua rompendo muita coisa ladeira abaixo.

A solução para tal tendência decrescente é formar uma nova geração, com capacitação minuciosa, buscando mais recursos e ferramentas na base dos profissionais. Alicerces que não se rompem, preenchidos com conteúdo moral e princípios humanitários.

Sem plantarmos essas sementes na educação, continuaremos tapando buracos que frequentemente reaparecerão!

N – Como o senhor descreve sua reação emocional à notícia de que a Vale mantinha perto de Brumadinho uma represa de rejeitos a montante do restaurante e de prédios administrativos da própria empresa, cujos ocupantes ou visitantes foram massacrados pelo mar de lama que agora desce o Paraopeba rumo a Três Marias, uma represa que chegou a ser símbolo de uma era conhecida no Brasil como os “anos dourados”?

L – O chão do  Brasil chora lama, enquanto brasileiros se afogam nela. A lama da ganância cega parece ser o motor propulsor. Incompetência se alia a um contexto já não muito favorável. Meus arrepios incrédulos diante do que os olhos viam padeciam na angústia. Tamanha presunção do ser humano se autodesafiar! Cheira a um desafio a Deus, à existência da  falta de cuidado humano e isenção do senso de responsabilidade! Fica a interrogação: ainda dá pra acreditar no ser humano? Num mundo que treme por tantos absurdos, individualmente há tremuras internas de ponta a ponta, torneadas  por indignação e revolta com tanta indolência social! “Lamantável”.

N – Qual a sua expectativa, como brasileiro, quanto à chegada da lama do Córrego do Feijão ao Rio São Francisco, que a Nação inteira consagra e celebra como o “rio da unidade nacional”? Seria algo similar a constatar que nós só nos unimos pela lama mortal dos dejetos minerais?

L – Verdade seja dita, não formamos profissionais com base em raciocínio preventivo. Robotizados, sem produzir autonomia e independência. Tentar clarear quando tudo já escureceu, quando não há mais visão. É  o choro quando se puxou o gatilho na tentativa de ressuscitar. É necessária uma conduta diferente da sociedade. Muitas vezes imparcial e conivente com um contexto educacional regressivo!

Penso ser necessário investir num brasileiro que pense não somente no que fazer, mas especialmente no como fazer. A sociedade precisa gritar alto para que se tenham recursos coerentes voltados para a educação! Quantidade não é qualidade.

N – O senhor já deve ter ouvido falar que Deus é brasileiro porque reuniu neste quase continente na América do Sul uma costa magnífica e paisagens imunes a terremotos, tsunamis e vulcões. No entanto, o senhor não acha que seria o caso de o Criador se declarar apátrida depois da destruição inominável do Museu Nacional do Rio, desses acidentes nada naturais de Minas e do incêndio do alojamento dos garotos do Flamengo?

L – Se, por acaso, Deus se vestiu da natureza, o ser humano o despiu rudemente e de forma sagaz. Possivelmente, aqui Ele não mais se adornaria com tanta mancha e lama!

Um país rico, mas sujo e emporcalhado. Desperdício! É de causar vergonha, sim, e pra qualquer um, certamente.

Poderíamos ser agentes transformadores, mas figuramos como destruidores. Há uma conduta fadigada e indolente, importuna no convívio entre o ocupante e o ocupado. Comportamento raso que afunda, alarmante, o País.

Podemos sonhar ou imaginar uma escola que finda na consciência de seus discentes, o amor e respeito pelo chão que pisa? Fica a pergunta.

Para Leo, “falta uma atitude corretiva ou de realinhamento diante de situações adversas ou imprevistos, observa-se apenas”. Foto: Leo Crosara

Para Leo, “falta uma atitude corretiva ou de realinhamento diante de situações adversas ou imprevistos, observa-se apenas”. Foto: Leo Crosara

N – O poeta Carlos Drummond de Andrade, mineiro como o senhor, mas de Itabira, deixou versos imortais sobre o destino de dor de “oitenta por cento de ferro nas almas”. A última estrofe do poema Confidência do Itabirano descreve as causas dessa dor: “Tive ouro, tive gado, tive fazendas./ Hoje sou funcionário público./ Itabira é apenas uma fotografia na parede./ Mas como dói!”. O senhor diria que hoje, depois de tudo o que aconteceu perto de Itabira, em Mariana e Brumadinho, torna este poema mais perto de lá e também de nós?

L – Sem dúvida, os antigos já calculavam as gotas que sobrariam, e estamos nesse caminho. Gotas inclusive de uma sociedade que parece não saber qual direção seguir.

Urgência ainda nos cabe. Mais tarde, não mais!

Cabe também honra aos ditos: ser mineiro.

Ser mineiro é não dizer o que faz, nem o que vai fazer.

Mas, e os laudos mascarados na poeira da corrupção?

É passar por bobo e ser inteligente. Mas veem-se apenas o discurso do saber e a prática da bobeira.

É vender queijos e possuir bancos. Continuamos vendendo queijos, mas estamos fantasiados, toldados de lama.

Só arrisca quando tem certeza,

não troca um pássaro na mão por dois voando.

A certeza que se arriscou pelo corvo da ganância.

É fingir que não sabe aquilo que sabe. Aí, sim, exatamente isso, concordo!

“Assim mesmo, tá bão, o jeitinho brasileiro continua rompendo muita coisa ladeira abaixo”, desabafa Leo Chaves. Foto: César Dutra

“Assim mesmo, tá bão, o jeitinho brasileiro continua rompendo muita coisa ladeira abaixo”, desabafa Leo Chaves. Foto: César Dutra

N – Sem o Rio Paraopeba, escapou das proximidades de Brumadinho o Inhotim, um dos maiores espaços naturais abertos com exposição de objetos de arte do mundo. Será esse um sinal de Deus de que só a arte nos salvará da barbárie e da miséria malcheirosa da ganância, da conivência e da acomodação, que destroem todo o sentido de civilização?

L –  É o que ainda resta, além da pouca esperança.

Chegamos ao fundo, para podermos levantar.

Mãos à obra, brasileiro!

Links

Para ouvir Victor & e Leo e Paula Fernandes em Meu em Você clique no play abaixo

Leo cantava O Bailar das estrelas para os três filhos no berço – clique aqui.

Para ver entrevista de Leo ao YouTube sobre The Four Brasil, que estrela na Rede Record clique aqui.

Para ver entrevista de Leo a Camille Reis no YouTube clique aqui.

Comentário no Estadão às 5H: Laranjas podres

Comentário no Estadão às 5H: Laranjas podres

O laranjal do PSL de Minas, que teria sido administrado pelo ministro do Turismo de Bolsonaro, que tem três prenomes e nenhum sobrenome aparente – Marcelo Álvaro Antônio –, não pode nem deve ser assunto encerrado nem sequer quando o ministro da Justiça, Sérgio Moro, der por concluídas as investigações que mandou a PF fazer. A laranjeira deve mesmo ser podada pela raiz, mas muito pior do que ela é o adubo que a torna tão frondosa, ou seja, os fundos Partidário e de Financiamento de Campanha, que tomam mais de R$ 1 trilhão do suado e escasso patrimônio do trabalhador para financiar partidos e próceres, garantindo a corrupção com a apropriação privada de dinheiro público. Este é um dos comentários que fiz no Estadão às 5, ancorado por Gustavo Lopes no estúdio da TV Estadão na redação do jornal e transmitido por YouTube, Twitter e Facebook na quinta-feira 22 de fevereiro de 2019, às 17 horas.

Para ver o vídeo clique aqui. 

Para ver no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

Comentário no Jornal Eldorado: Projeto justo e ambicioso

Comentário no Jornal Eldorado: Projeto justo e ambicioso

Bolsonaro cumpriu seu principal dever na presidência da República ao levar o texto da reforma mais ambiciosa e justa da Previdência Social na História do Brasil ao Congresso Nacional, ao qual caberá reformar a Constituição para salvar as contas públicas brasileiras de seu desastre total. A Nação teve, então, a excepcional oportunidade de testemunhar a competência técnica e a capacidade de comunicação da equipe técnica chefiada por Rogério Marinho e escalada pelo ministro da Fazenda, Paulo Guedes, e também o ridículo atroz encenado pela bancada do PSOL, partido de extrema esquerda e da “resistência”, achincalhando, não o governo, mas os desempregados pelo rombo das contas públicas.

Para ouvir clique no play abaixo

Ou clique aqui e, em seguida, no play:

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

Assuntos para comentário da quinta-feira 21 de fevereiro de 2019

1 – Haisem – O que mais chamou sua atenção na solenidade da entrega pelo presidente Jair Bolsonaro aos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara, Rodrigo Maia, do projeto do governo da reforma da Previdência, segundo a manchete do Estadão hoje, “a mais ambiciosa de todas as reformas”

SONORA_BOLSONARO 2102

2 – Carolina – Até que ponto a alta qualidade técnica do projeto, para a qual você chamou a atenção, garantirá a aprovação no Congresso e, depois, o aval da cúpula do Poder Judiciário

SONORA_PAULO GUEDES 2102

3 – Haisem – O que você tem a comentar sobre o protesto com referência a laranjas feito pelo PSOL durante a visita de Bolsonaro ao Congresso Nacional

4 – Carolina – Como você recebeu o voto do decano do Supremo Tribunal Federal, ministro Celso de Melo, que criminaliza a homofobia no mesmo grau da condenação ao racismo

5 – Haisem – Que conseqüências práticas poderá ter para aumentar a segurança nacional a aprovação em votação simbólica da lei que combate o terrorismo no Brasil

6 – Carolina – O que você tem a dizer sobre a decisão da Primeira Turma do Supremo de mandar prender o assassino da missionária americana Dorothy Stang, que um de seus membros, o ministro Marco Aurélio Melo, tinha mandado soltar

7 – Haisem – Quando vai ter fim a agonia das populações das proximidades de represas da Vale na região histórica de Minas com as permanentes evacuações diante da perspectiva concreta de arrombamento delas.

8 – Carolina – Em que a negativa do desembargador Paulo Espírito Santo ao habeas corpus pedido por Régis Fichtner altera a paz de espírito dos membros das altas Cortes do Judiciário pátrio.

Direto ao Assunto no YouTube: A reforma é para todos

Direto ao Assunto no YouTube: A reforma é para todos

A cidadania brasileira teve a oportunidade de se congratular pela decisão tomada nas urnas em outubro ao acompanhar a visita do presidente Jair Bolsonaro ao Congresso para levar o mais justo e mais ambicioso projeto para uma reforma necessária e urgente da Previdência. Seu governo deu um show de competência e espírito público, enquanto a oposição, ou melhor “resistência”, fantasiada de laranja, encenou um protesto mambembe sem perceber que não achincalhava, o presidente eleito legitimamente e empossado segundo a Constituição, mas cada vaga de emprego obstruída pelo rombo do sistema previdenciário, como lembrou na ocasião o ministro da Fazenda, Paulo Guedes. Se gostar deste vídeo, dê um like, clique no sininho se quiser ser avisado dos próximos a serem publicados e compartilhe no Twitter e Facebook. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver o vídeo no Youtube clique no play abaixo:

Para ver no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

Comentário no Estadão Notícias: Ridículo veste laranja

Comentário no Estadão Notícias: Ridículo veste laranja

A palhaçada organizada pelo PSOL, legenda de extrema esquerda na representação política brasileira, durante a visita que o presidente Jair Bolsonaro fez ao Congresso para levar o projeto da reforma da Previdência, é uma demonstração inequívoca da forma leviana, covarde e burra com que a chamada “resistência” está se comportando na luta política travada na democracia brasileira. Enquanto a equipe técnica do governo levou aos representantes do povo na Câmara e no Senado um estudo sério sobre um problema grave, cuja solução poderá ser capital para reorganizar as contas públicas no Brasil, os parlamentares psolistas se vestiram de laranja numa encenação mambembe e cretina. Este é meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão desde 6 horas da quinta-feira 21 de fevereiro de 2019.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no player.

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

Comentário no Jornal Eldorado: A velha política dá as caras

Comentário no Jornal Eldorado: A velha política dá as caras

A mentira – arma da chamada “velha política”, que o presidente combateu na campanha – prevaleceu na conclusão do episódio que terminou na demissão do primeiro secretário-geral da Presidência do atual governo. Gustavo Bebianno, o demitido, mentiu ao informar ao Globo que estava tudo bem e Jair e Carlos Bolsonaro também, ao o chamarem de mentiroso, negando que o chefe tivesse conversado com o ex-funcionário. E a dita “velha política” deu as caras mesmo na escolha do novo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra, que foi ministro nos governos do PT e votou contra o impeachment de Dilma, no mesmo dia em que o Planalto perdeu feio na votação do aumento de sigilo na Câmara.

Para ouvir clique no play abaixo:

Ou clique aqui e, em seguida, no play:

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

Assuntos do comentário

1 – Haisem – Veja revela íntegra das conversas que Bebianno realmente teve com Bolsonaro por WhatsApp. Quem mentiu foi Bebianno ou Jair e Carlos Bolsonaro?

2 – Carolina – O presidente proibiu a visita do diretor da Globo a Bebianno no Palácio do Planalto e dizer que não o quer em seu palácio. O palácio, de fato, é de quem?

01 BOLSONARO GLOBO

3 – Haisem – Vera Magalhães escreveu no BR 18 que o presidente está nu e a culpa é do filho. Será que ela tem razão

4–Carolina – Presidente da Confederação Nacional da Indústria foi preso pela PF em operação que apura fraudes no sistema S e no Turismo

5 – Haisem – O que representa a derrota do governo na Câmara, que derrubou aumento do número de funcionários que podem decretar sigilo em documentos oficiais

6 – Carolina – Governo mandará projeto anticrime em três pedaços e Moro muda de opinião sobre criminalização do caixa 2

7 – Haisem – Lava Jato diz que Paulo Preto tinha em bunker R$ 100 milhões, ou seja o dobro do encontrado no apartamento de Geddel

SONORA_POZZOBON 2002

8 – Carolina – Aloysio Nunes Ferreira pede a Doria demissão da presidência da InvestSP depois de citado no processo contra corrupção do PSDB

Página 12 de 595«...5...1011121314...2025303540...»
Criação de sites em recife Q.I Genial