Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

BLOG

Artigo no Estadão desta quarta-feira: Bolsonaro e Mourão são a quintessência da maldade

Artigo no Estadão desta quarta-feira: Bolsonaro e Mourão são a  quintessência da maldade

José Nêumanne

Vice fã de torturador garante distância

de presidente desumano de eventual impeachment

Balanço do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) aponta que, até 21 de novembro de 2020, foram registradas no Brasil 200 mil mortes, 24% mais do que era estimado para o ano findo. Naquela data, as perdas em decorrência da covid-19 chegavam a 168.989, conforme dados divulgados pelo consórcio dos meios de comunicação, já que o Ministério da Saúde se recusa a fornecer dados confiáveis. A coincidência levanta a hipótese de que, mesmo com aumento da população, a pandemia, maior causa de óbitos do País no ano, está muito longe de poder ser definida como mera “gripezinha”. Os números nunca mentem, mas isso não comoveu quem cruzou o marco do calendário gregoriano facilitando a contaminação pelo novo coronavírus.

Alguns brasileiros ilustres agiram como agentes desse contágio. O craque Neymar promoveu festa para 500 convidados em Mangaratiba, aviltando o tema do sucesso de Luiz Gonzaga. O influenciador em redes sociais Carlinhos Maia aglomerou centenas no Natal da Vila, resultando em 47 contaminados. Outro ídolo de crianças e adolescentes nas redes sociais, Felipe Neto, criticou-o, mas foi filmado jogando futebol. O governador de São Paulo, João Doria, jura adesão à ciência, mas fez um bate-volta para Miami a pretexto de “merecido” repouso de guerreiro. Outro tucano, Bruno Covas, festejou a reeleição para a Prefeitura de São Paulo num “covidão” que lembrou bailes funk da periferia, e ainda promoveu um bonde da alegria com aumento de 46% para si, o vice, vereadores e servidores. Merval Pereira definiu-os como “sem noção” em sua coluna no Globo.

Dentre eles, Jair Bolsonaro é hors-concours. Ganhou menção especial porque passou o Natal num forte militar em São Francisco do Sul (SC), pertinho de Presidente Getúlio, no Vale do Itajaí, onde 21 brasileiros morreram afogados numa enchente. Na companhia de um magote de bajuladores, deixou em Brasília a mulher, Michelle, que usufruiu o feriadão rodando de kart com o maquiador Agustin Fernandez no Ferrari Kart do Autódromo Nelson Piquet. Madame pode ser adicionada ao rol.

Depois, o presidente cometeu insanidades tentando desviar sua responsabilidade no combate à vacinação, com exigência de imagens do calo ósseo na mandíbula de Dilma, torturada no regime militar. E na grotesca exposição de sua barriga pseudoatlética ao se jogar de um barco ao mar para nadar até um grupo previamente reunido de apoiadores, que insultaram adversários aos berros e o chamaram de “mito”. Aglomerados e jorrando perdigotos, como só convém ao vírus.

No show de indiferença ao risco de morte de 212 milhões de vítimas desgovernadas por ele, destacou-se sua crítica desastrada à decisão do Congresso argentino de descriminalizar o aborto. Nem isso alterou o sono perpétuo decretado por seu pretenso adversário, Rodrigo Maia, presidente da Câmara, a mais de 40 processos de impeachment. Parte dessa expressão de inércia se deve ao fato de seu substituto eventual, o vice Hamilton Mourão, ser, como ele, admirador confesso do torturador e assassino Brilhante Ustra, acusado por Dilma de lhe haver fraturado a mandíbula. A tortura, reconhecem os “mansos de coração” do sermão das bem-aventuranças Daquele que ele diz adorar, Jesus Cristo, é a máxima covardia. Só poltrões como Bolsonaro e seu vice podem considerar esse oficial “herói” e “homem de honra”. Covardia é o contrário de bravura, qualidade que dá medalhas a militares em ação nos campos de batalha. E só pode ser pior do que um torturador quem o admire sem coragem de imitá-lo, só por faltar ocasião.

O desgovernante que torna inviável a vacinação, sonhada pelo povo real (e não o fictício na Praia Grande e no “chiqueirinho” do Alvorada) como sopro de sobrevida, não é, contudo, um ponto fora de curva na história dessa “Pátria Amada” ideal de comerciais de promoção da Secretaria de Comunicação. Bolsonaro e Mourão são a quintessência da maldade de momentos abjetos de nossa História. O Brasil foi a última Nação do Ocidente a abolir a escravidão de africanos transportados em brigues imundos através do Atlântico, e da qual se livrou em doses homeopáticas e condições indignas, denunciadas pelo abolicionista Joaquim Nabuco. A República cega e surda não enxergou a ignomínia do massacre dos crentes sertanejos em Canudos, comandado por covardes arrogantes como Moreira César, apesar do relato do gênio Euclydes da Cunha. Nem ouviu os gemidos dos dissidentes no Estado Novo de Getúlio, relatados em Memórias do Cárcere, de Graciliano Ramos;

A encenação da grosseria contagiosa nas areias de Praia Grande, a cargo de agentes da morte treinados nas “milícias populares” do capitão terrorista em Polícias Militares (PMs), celebrou a agonia anunciada pelo combate ao uso da máscara, ao isolamento social e à imunização, condizentes com as melhores conquistas civilizatórias do honrado Brasil real. A farsa fúnebre nada tem que ver com a definição de amor, verdade e vida do Deus manso, ao Qual reza o facínora-mor. Só propicia safras malditas de ódio, mentira e dolorosa tortura da morte antecipada.

 Jornalista, poeta e escritor

(Publicado na página A2 do Estado de S. Paulo, quarta-feira 6 de janeiro de 2020)

Para ler no Portal do Estadão clique aqui.

No Blog do Nêumanne: O Brasil do bem tem nojo de Bolsonaro

No Blog do Nêumanne: O Brasil do bem tem nojo de Bolsonaro

José Nêumanne

Ao perdoar delitos que considera menores, presidente é coerente com seu passado de delinquente desaforado no último país a abolir a escravidão no Ocidente e de forma execrável, como denunciou Nabuco

“Ninguém me pressiona para nada, eu não dou bola para isso”, confessou o presidente Jair Bolsonaro, enquanto circulava ao longo de duas horas em Brasília, sem usar máscara, no sábado, 26 de dezembro, um dia depois da celebração do nascimento do fundador da fé que ele diz professar. No dia seguinte, domingo, 27, fiel ao estilo de carcará, que pega, mata e come, mas depois assopra na ferida, assegurou: “Temos pressa em obter uma vacina, segura, eficaz e com qualidade, fabricada por laboratórios devidamente certificados. Mas a questão da responsabilidade por reações adversas de suas vacinas é um tema de grande impacto, e que precisa ser muito bem esclarecido”. Ou seja, nem sempre ele mente descaradamente a ponto de merecer o apelido de “minto”. Quando morde, é veraz. Quando recua, mente, ao fingir que o fez antes.

Faltou mais com a verdade, de forma repetida e contumaz, no palanque da campanha presidencial, quando prometeu combater a corrupção, a violência, o crime e os privilégios de uma casta, à qual pertence, que trata as burras da República como se fossem propriedade familiar. No exercício do mandato presidencial, que conquistou com o mais extenso, desavergonhado e cínico estelionato da História do País, ele dedicou-se a perdoar os “pequenos delitos”, cometidos por assassinos da velocidade ao volante, desmatadores da Amazônia e destruidores do meio ambiente. Em particular, ele próprio e seus filhotes, que extorquem funcionários fantasmas em seus gabinetes, legitimados pelo voto popular proporcional em seus mandatos, de acordo com provas levantadas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP/RJ). Assim como portadores de armas legalizadas e fora do alcance do rastreamento do Exército, que dispensou escoiceando o comando da Força sem a menor cerimônia.

Embora sua eleição majoritária seja uma obra-prima do engodo da venda do bonde e pronta entrega de uma parelha de muares, não se pode, contudo, incriminá-lo por falta de coerência, segundo Assis Chateaubriand a virtude dos imbecis. Afinal, sua ação, resultante na mortandade superior à propiciada pelas bombas atômicas ianques sobre Hiroshina (140 mil mortos) e Nagasaki (74 mil), supera 190 mil numa contagem rasa com subnotificação. Ou seja, deixa ambas para trás em recorde e deverá alcançar, à média de mil por dia, a soma das duas tragédias em um mês.

  Bolsonaro entrou na latrina pública planejando atentados à bomba em quartéis e na adutora do Guandu, no Rio. Condenado em segunda instância por terrorismo, foi perdoado por nostálgicos da ditadura no Superior Tribunal Militar, em decisão estúpida, absurda e funesta. No exercício de sete mandados de deputado federal entre 1991 e 2018, destacou-se pelo apoio irrestrito dado ao capitão PM do Rio Adriano da Nóbrega, chefe da milícia de Rio das Pedras e do empreendimento homicida Escritório do Crime, na base eleitoral dele e de sua famiglia. E também pela associação com o médico, sindicalista e petista Arlindo Chinaglia na autorização para venda da “pílula do câncer”, primeira demonstração explícita de sua vocação para charlatão barato de feira livre.

Na campanha presidencial de 2018, adotou bandeiras populares com desfaçatez e esperteza. E caiu no gosto do Brasil profundo, que, como ele, tem um vasto elenco de vilezas históricas. A maior delas, a escravidão de índios e, depois, africanos degradados em porões infectos de navios negreiros, cospe na honra de quem desfralda o “auriverde pendão”, como denuncia o poeta Castro Alves. Outra, quase das mesmas proporções, é o degredo em território nacional em pocilgas desumanas dos escravos forros, abandonados à própria sorte sem o menor planejamento, conforme denunciou o mais lúcido dos abolicionistas, Joaquim Nabuco.

O presidente, pois, não caiu na História de pára-quedas, que aprendeu a manejar quando conheceu Fabrício Queiroz, subtenente da PM RJ, tesoureiro do peculato de que o MP RJ acusa seu primogênito, Flávio, beneficiário de “doações” de Adriano e benemérito doador de ao menos R$ 98 mil na conta da primeira-dama, Michelle, que o vendedor da cloroquina, destruidora de fígados e devoradora de fetos, assumiu como seus.

Em reveladora entrevista que publico no Blog do Nêumanne no Portal do Estadão desde sábado 26 último, o pioneiro no jornalismo ambiental no Pasquim, Edilson Martins, contou que a famiglia Bolsonaro sempre teve relações íntimas com milícias. Mas não é a única. A modalidade criminosa controla, como ele lembrou, os distritos eleitorais em que o prefeito afastado e não reeleito do Rio, Marcelo Crivella, mais recebeu votos. E nenhum ex-prefeito, entre eles o que agora foi reeleito, Eduardo Paes, nem governador nenhum, incluindo o atual, Cláudio Castro, moleque de recados do clã presidencial, denunciaram as evidências de crime dos bandos na periferia da ex-Cidade Maravilhosa.

O Brasil do bem sabe que o torturador Brilhante Ustra não é “um cidadão de honra” e que o massacre de Canudos é uma nódoa indelével na história do Exército. E sente vergonha e nojo do Brasil do Bê, de Bolsonaro, que deplora a vacina e exalta, não o placebo, mas uma mezinha maldita, que faz mal ao paciente impaciente pela imunização, que ele lhe nega.

*Jornalista, poeta e escritor

(Publicado no Blog do Nêumanne na segunda-feira 28 de dezembro de 2020)

Para ler no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

 

No Blog do Nêumanne: Não há vacina nem cura para estupidez

No Blog do Nêumanne: Não há vacina nem cura para estupidez

José Nêumanne

Uma semana após Shakespeare ter sido vacinado e no dia em que norte-americanos são imunizados da covid na gestão Trump, brasileiros não sabem se se livrarão da pandemia nem de Bolsonaro

Com sol nas janelas, os brasileiros começam a semana com esperança no coração. Uma senhora chamada Margaret, como Thatcher, e um William Shakespeare contemporâneo tomaram no dia 8 a primeira dose das duas a que os britânicos têm direito da vacina da Pfizer, norte-americana, em consórcio com a Biontech, alemã, pensando cicatrizes da 2.ª  Guerra Mundial. Nesta segunda-feira, 14 de dezembro, 538 membros do Colégio Eleitoral dos Estados Unidos escolheram Joe Biden sucessor de Trump confirmando o rodízio como valor democrático. Enquanto isso, vacinas da parceria citada começaram a ser injetadas do Atlântico Norte ao Pacífico, da fronteira com o Canadá à margem norte do Rio Grande, em gigantesca operação de logística, aí sim no sentido lato da palavra.

Mas a esperança mora muito longe, no rico, desenvolvido e precavido Hemisfério Norte, que se prepara para um inverno de imunização, enquanto essa tarefa não é cumprida no Brasil, em mais um verão sob um capitão de milícias e um general da passiva (apud Ruy Castro). Este aprendeu em alguma cantina de caserna que o Norte e o Nordeste do Brasil têm inverno à mesma época que o deles, em calendário muito esquisito. O ocupante da pasta, que nunca usou maleta de médico, divulgou um “programa nacional de imunização” (?) em que despreza o calendário gregoriano, que desde 1582 substitui o juliano, elaborado pelo  colega romano Caio Júlio César. “Seria irresponsável darmos datas específicas para o início da vacinação, porque depende de registro em agência reguladora”, disse o tenente-coronel da reserva Élcio Franco, Conselheiro Acácio-geral do Ministério da Saúde, com cofiado, mas nada confiável, cavanhaque de coronel da Guarda Nacional dos tempos do imperador. Com o tom usado por comandantes das Forças Armadas na ditadura militar, de triste memória de chumbo, sangue e mordaça, mas venerada pelo chefão do Poder Executivo, Jair Bolsonaro, que o instalou como número dois do clubinho de usuários de pijamas no QG da luta contra a covid, em que o certo seria usar jalecos, não admite discordância.

Nem do Supremo Tribunal Federal (STF), pois a divulgação do vídeo desaforado do “pijamado” de plantão coincide no tempo com o prazo de 48 horas exigido pelo relator da ação, que cobrou datas de começo e fim da aplicação do imunizante, Ricardo Lewandowski. Pela barbicha do profeta, diriam os 22% de brasileiros que não querem ser vacinados, em nome do livre-arbítrio imposto pelo chefão do ambulatório cujos atendentes nunca manejaram espátulas nem bisturis. Quem confia em sua habilidade em manejar armas de ofício? O que era bom para os Estados Unidos, segundo o chanceler Juraci Magalhães, não é mais bom para o Brasil tratando-se da saúde do povo.

Francamemte, o quase general Franco é mais um arauto escalado pelo charlatão da cloroquina para dar a má notícia de que boas novas do império do Norte não têm vez nestes trágicos trópicos, que nem Lévi-Strauss seria capaz de descrever e analisar. Donald, o charlatão-mor que indicou a cloroquina mágica ministrada pelo fâmulo ao sul do Rio Grande, faz questão de gastar bilhões em vacinas e passar para a História como o estadista que derrotou o novo coronavírus chinês. O pato dele, Jair, não está nem aí para a cor da chita e mandou excluir a Coronavac ­- parceria da chinesa Sinovac com o Instituto Butantan, que, segundo o general da passiva Pazuello, não é de São Paulo (seria da Austrália, soldado sem combate nem medalha de bravura?) – da relação de fornecedores da prevenção, aceita e aplicada no Reino Unido e nos Estados Unidos.

O passivo Pazuello protagoniza vexames que só não são comparáveis à exposição picareta de terno e vestido presidenciais da posse em próprio público. Atribuiu a autoria do enxundioso e vazio “programa federal de imunização”, com a chancela médica do áulico ortopedista Ronaldo Caiado, a uma plêiade de especialistas convocados para uma palestra, entre os quais alguns reconhecidos e renomados. Os pretensos autores da fake news já negaram sua cumplicidade, mas o Ministério dos reservistas na Saúde já avisou que eles não têm poder de veto sobre o que não assinaram.

Numa demonstração de que a saúde do povo é, para ele, desprezível, o capitão de Artilharia (cuja “modalidade é matar”) rebaixa gradualmente a chefia de órgãos técnicos para os quais não têm “notório saber”, de general para duas patentes abaixo. Este mês o tenente-coronel (reservista) Jorge Kormann, que foi, segundo o próprio Currículo Lattes, “assessor de gestão e planejamento estratégico no Hospital Militar de Área de Porto Alegre” (!), será submetido a sabatina do Senado para ocupar na Anvisa o posto da farmacêutica Alessandra Bastos. O fundador e primeiro presidente da agência, Gonzalo Vecina, manifestou esperança, no vídeo da semana da série Nêumanne Entrevista, no Blog do Nêumanne no portal do Estadão, de que o usuário de pijama e boquinha seja reprovado na sabatina do Senado. O bem-intencionado desejo do respeitado epidemiologista choca-se com a realidade dos fatos: o contra-almirante médico Antônio Barra Torres foi aprovado na sabatina da Comissão de Assuntos Sociais do Senado por 34 votos a 7, ou seja, teve quase cinco vezes a maioria dos votos necessários para assumir o posto ora ocupado pela farmacêutica Alessandra Bastos. Na Anvisa há um ano, nomeado em janeiro e aprovado em outubro, o oficial da reserva da Marinha participou sem máscara nem isolamento social de manifestação contra o STF e o Congresso Nacional e a favor de uma eventual intervenção militar chefiada pelo colega da reserva que o nomeou.

Com a ocupação de cargos técnicos da saúde por fardados que não frequentam mais quartéis, mas clubes (círculos) militares sem comando, Bolsonaro dá sinais de carência de inteligência e excesso de maldade ao instalar não a militarização do ministério que descuida da pandemia, mas a tomada de poder por oficiais de pijama, sem jaleco nem bastão para travar uma guerra prestes a ser perdida por todos nós. A medicina não tem solução para esse desvario: não há vacina nem remédio para prevenir ou curar baixo QI ou desumanidade, mesmo que sejam explícitas e confessas.

*Jornalista, poeta e escritor

(Publicado no Blog do Nêumanne no Portal do Estadão da quarta-feira 15 de dezembro de 2020)

Para ler no Blog do Nêumanne, Políltica, Estadão, clique aqui.

No Estadão: STF apenas suspendeu o golpe sujo no Congresso

No Estadão: STF apenas suspendeu o  golpe sujo no Congresso

José Nêumanne

Aliviada, Nação deve temer outros

que virão como conchavo da cúpula dos três Poderes

A apertada vitória – por 6 a 5 e 7  a 4 – da democracia, garantida pela Constituição, que desautorizou a reeleição dos presidentes do Senado e do Congresso, David Alcolumbre, e da Câmara, Rodrigo Maia, deve ser recebida com alívio. Mas não pode ser comemorada como definitiva. Não apenas pela margem, mas principalmente por circunstâncias e motivações do placar vitorioso.

Critica-se muito, e com toda a razão, a votação virtual, quase nunca virtuosa, de turmas e plenário do Supremo Tribunal Federal (STF). No caso, contudo, não é de todo improvável que o resultado fosse o inverso, ou talvez com um pouco mais de folga, se ela tivesse sido presencial. Os repórteres responsáveis pela cobertura do Judiciário não se enganaram quando previram a aprovação do relatório de Gilmar Mendes, que abriu larga margem na quinta-feira e só foi revertido no domingo à noite, no fechamento (ainda provisório) da questão. Protegida pelo anonimato de fonte, a posição  de ministros que votaram a favor da questão apresentada pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), sob a égide do delator do mensalão, Roberto Jefferson, não a assumiram, mas expressaram, em confiança, explicitamente.

Talvez numa sessão presencial esses ministros não tivessem mudado sua opção por mais um abandono de seu dever funcional de manter a letra da Carta Magna com a intenção de impor uma nova derrota humilhante ao presidente da República, Jair Bolsonaro, que só queria o impedimento da reeleição do filho de César Maia. A péssima repercussão desse lance de xadrez, contudo, os fez perceber que o motivo real do golpe poderia ser, de fato, seus membros não se arriscarem à abertura de processos de impeachment por algum deputado que ocupasse o lugar do atual presidente, que já deu provas de não estar disposto a abrir o processo contra o chefe do Executivo, e também contra alguns deles.

A reação à virada de mesa com o tabuleiro junto, da forma como foi feita, serviu para lhes mostrar que votar a favor do atropelamento da ordem constitucional vigente terminaria por dar mais força ao relator Gilmar. E reduzir o poder institucional do presidente neste biênio, Luiz Fux. A quem, aliás, restou decidir, em voto de Minerva. Ainda que tais conjeturas não passem de conversa de “perus” (que rondam rodadas de pôquer sem mexer nas cartas nem apostar), a votação à distância, tal como feita, permitiu pôr em questão algumas conclusões apressadas a respeito do comportamento nada ético dos componentes atuais do pretório que nada tem de excelso.

Alguns ingênuos incautos que acreditam em duendes na floresta e desconhecem a sabedoria popular, que reconhece que de boas intenções os cemitérios são lotados, reproduzem a baboseira de que a natureza vitalícia do posto supremo reduz a gratidão dos afilhados pela própria escolha por seus padrinhos. Com pressa natural em marinheiros de primeira viagem, o noviço da grei, Kassio Nunes Marques, fez tudo o que o patrono, Jair Bolsonaro, mandou e o padrinho, Gilmar Mendes, abençoou: retirar Maia do páreo e nele manter o fiel Alcolumbre. A vitaliciedade não garante a lealdade, mas interesses comuns inspiram obediência de afilhados. Toffoli, Ricardo Lewandowski e Alexandre de Moraes seguiram o relator com a desfaçatez própria de quem se sabe inalcançável pela cobrança cidadã.

Gilmar não se tornou adversário impenitente do combate à corrupção por zelo pela Constituição, mas por amor à própria gula. Toffoli é o principal avalista da aliança sórdida de Bolsonaro, seu amigo recente, e Lula, seu paraninfo desde sempre, de lhes garantir condições para disputarem segundo turno, conveniente, quiçá indispensável, para ambos, em 2022. Chegou a votar contra a própria decisão monocrática que interrompeu por seis meses as investigações de crimes financeiros contra o erário para evitar que Flávio Bolsonaro e Gilmar fossem investigados. Lewandowski associou-se a Kátia Abreu para permitir a Dilma Rousseff disputar (e perder feio) eleição para o Senado em Minas. Moraes nunca se desculpou por ter decretado censura vexatória à revista Crusoé para acudir o então presidente do STF, que lhe deu plenos poderes para investigar, julgar, condenar e punir a ousadia de publicar um documento de fé pública.

O decano Marco Aurélio Mello abriu a dissidência óbvia em favor do pedido do PTB e da letra constitucional, não por amor à plebe difusa e, para ele, ignara, que desprezou ao soltar o traficante André do Rap e ratificar seu voto na oportunidade de mudá-lo. Rosa Weber apegou-se à literalidade da regra, assim como antes dera voto decisivo para negar a possibilidade de prender condenado em segunda instância. Na presidência do STF, Cármen Lúcia permitiu a Renan Calheiros cuspir na decisão da Corte de desalojá-lo da linha sucessória presidencial.

Em 12 de julho, Bolsonaro terá mais uma chance de nomear um ministro do Supremo para chamar de seu. E este poderá dar o voto decisivo em eventual embate a se tornar necessário para enfrentar o acordão dos três Poderes pela impunidade dos compadritos desta republiqueta do conchavo.

*Jornalista, poeta e escritor

(Publicado na página A 2 do Estado de S. Paulo da quarta-feira 9 de dezembro de 2020)

Para ler no Portal do Estadão clique aqui. 

No Blog do Nêumanne: Gestão Bolsonaro despreza a vida

No Blog do Nêumanne: Gestão Bolsonaro despreza a vida

José Nêumanne

Presidente é, no mínimo, leniente com violência criminosa ao abolir rastreamento de armas compradas no comércio e liberar velocidade assassina em vias a pretexto de combater ‘indústria de multas’

Em 30 de julho passado, o Estadão publicou reportagem no noticiário policial intitulada Botucatu vive madrugada de terror com assaltos a agências bancárias, explosões e tiroteios. José Maria Tomazela, correspondente no interior paulista, informou: “Um suspeito foi morto e dois policiais ficaram feridos durante ataques de uma quadrilha com 40 integrantes; ação criminosa teve início por volta das 23h30 de quarta-feira, 29”.  Foram roubados R$ 2 milhões. Na terça-feira 1.º de dezembro, 30 homens fortemente armados puseram Criciúma (SC) em pânico, de madrugada, imobilizaram a Polícia Militar (PM), que não prendeu nenhum membro da quadrilha, apenas quatro cidadãos comuns que recolheram dinheiro no asfalto. Na madrugada seguinte, ocorreu em Cametá (PA) fato idêntico em todos os detalhes, menos dois: a quadrilha arrombou um cofre sem dinheiro e deixou um refém morto, na fuga.

Isso tudo é uma vergonha. Vergonha ainda maior porque não são  episódios isolados nem fortuitos. Há tempos organizações criminosas se aproveitam de deficiências de segurança de cidades interioranas, usando a estratégia que ficou conhecida como “novo cangaço”. É uma forma de glamourizar folclorizando iniciativas criminosas brutais com as quais buscam compensar a queda dos lucros provocada pela pandemia da covid-19. Seja como for, ninguém tem ouvido mais a cantilena de autoelogio do presidente Jair Bolsonaro e de seus comparsas sobre a “brava e eficiente” atuação do ministro da Justiça, André Mendonça. Segundo ele, superando o que diz ter sido fiasco do antecessor, o ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro. Que o capitão usou como trunfo para conquistar votos contra a corrupção na eleição presidencial em que emergiu do baixíssimo clero no Congresso Nacional para o posto com o poder maior nesta insana república de trevas.

A expressão “novo cangaço” é usada, como lembrou o jornalista Artur Dapieve no programa Estúdio i, da GloboNews, como eufemismo. Folhetos de cordel, filmes de aventuras, incluído um premiado em Cannes, O Cangaceiro, de Lima Barreto, análises marxistas de “especialistas”, como Rui Facó (Cangaceiros e Fanáticos), canções de domínio e sucesso públicos e outros produtos de consumo de massa já se tinham encarregado de amenizar a brutalidade absurda dos cabras de Jesuíno Brilhante, Lampião e Corisco, tornando-a saga de aventuras e até de  heroísmo. Algo similar ao que é feito agora com o carinhoso diminutivo “rachadinha” para tornar o crime de que é acusado o primogênito do presidente, Flávio, mais palatável do que contratação de servidores fantasmas, peculato, ou seja, desvio de dinheiro público para proveito privado, extorsão, corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

As invasões noticiadas e outras têm contado com a facilidade de as Polícias Militares não as combaterem como deveriam, o que, às vezes, não fazem por lhes faltarem homens e armas. Estas, modernas e pesadas, usadas nos assaltos, são geralmente furtadas dessas forças e também do Exército, o que ressalta a ineficiência de sua guarda para que se limite à defesa da sociedade. O silêncio das autoridades públicas que comandam as PMs e também do governo federal, que as trata como milícias populares armadas, é criminoso. Além de incentivar o uso de armas de fogo, seja imitando revólveres com os dedos, seja obstruindo os instrumentos de controle do comércio legal de armas de fogo no País. Em abril passado, a procuradora Raquel Branquinho afirmou, em ofício encaminhado ao Ministério Público Federal, que o presidente Jair Bolsonaro tinha violado a Constituição ao determinar ao Exército a revogação de portarias que facilitavam o rastreamento de armas e munição.

Em reação a tais portarias, publicadas pelo Exército em 17 de abril no Diário Oficial da União (DOU), o presidente escreveu em rede social que determinara a revogação das providências tomadas pela autoridade regular para rastrear armas adquiridas legalmente. Para a procuradora, há elementos que apontam a interferência de Bolsonaro em atos exclusivos do Exército. Na opinião dela, o episódio representa uma situação extremamente grave e tem o potencial de agravar a crise de segurança pública no País. Pela lei, ela informou, compete ao Comando Logístico do Exército Brasileiro fiscalizar produtos controlados, como armas e munições. O general Eugênio Pacelli, à época em que dirigia a Fiscalização de Produtos Controlados (DFPC) do Exército e determinou a adoção das normas por ela citadas, escreveu carta de despedida a colegas defendendo-as. Exonerado, havia ido para a reserva, conforme o DOU de 25 de março.

O deputado do baixíssimo clero que discursou na tribuna da Câmara em homenagem a Adriano da Nóbrega, quando este foi condenado e preso por homicídio e era suspeito de comandar a milícia de Rio das Pedras, nunca deixou de louvar o uso de revólveres e fuzis para “justiçamento”.

Da mesma forma, a queda de um ônibus irregular, dirigido por um motorista sem habilitação, em João Monlevade (MG), revela outra constante no discurso político e na ação do capitão de Artilharia, que admitiu ser seu ofício matar. Convém lembrar ainda a colisão de caminhão com ônibus, com 42 vítimas na manhã de 25 de novembro, no quilômetro 172 da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, em Taguaí, perto de Avaré (SP).

A proibição de rastreamento de armas legais e a redução da punição de motoristas infratores que provocam acidentes trágicos por abuso de velocidade em vias públicas ou rodovias, no mínimo, não recomendam Jair Bolsonaro como gestor público e justificam seu afastamento do cargo.

  • Jornalista, poeta e escritor

(Publicado no Blog do Nêumanne na segunda-feira 7 de dezembro de 2020)

Para ler no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

https://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/gestao-bolsonaro-despreza-a-vida/

 

O livro “Boni 85” para você. Download gratuito.

O livro “Boni 85” para você. Download gratuito.

O Boni autorizou o Nêumanne a disponibilizar o lançamento “Boni 85” nesta Estação.
Basta apontar a câmara do seu celular ou tablet para o QR pertinente ao seu aparelho e boa leitura! Mais instruções a seguir. 

boni (3)

 

Este livro é seu. Boa leitura!

boni85

Página 5 de 137«...34567...1015202530...»
Criação de sites em recife Q.I Genial