Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Podcast

Podcast Estadão Notícias: Mão na roda

Podcast Estadão Notícias: Mão na roda

O ministro Gilmar Mendes, coerente com sua atuação desde que foi nomeado por Fernando Henrique para o STF, garantiu uma vez mais as noites de sono de José Serra, Aloísio Nunes Ferreira e, por tabela, do presidenciável Geraldo Alckmin, mandando soltar o operador do PSDB Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, flagra pelo Ministério Publico suíço com R$ 113 milhões de saldo em contas no país, o que não corresponde a seus vencimentos como diretor da Dersa. A libertação foi providencial, pois o indigitado já mandou vários recados para os tucanos de alta plumagem avisando que está prestes a negociar com a PF e o MPF uma delação premiada que pode abalar o palácio do governo em São Paulo com sismos bem inconvenientes. Este foi meu comentário no Podcast Estadão Notícias, no ar desde 6 horas de segunda-feira 14 de maio de 2018.

Para ouvir clique no link abaixo:

http://brasil.estadao.com.br/blogs/estadao-podcasts/estadao-noticias-copom-e-pib-estao-no-radar-da-semana-e-um-bate-papo-sobre-copa-do-mundo/

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

http://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/mao-na-roda/

Comentário no Jornal da Gazeta 1: Por uma bola

Comentário no Jornal da Gazeta 1: Por uma bola

Depois de ser goleada, defesa de Lula insiste até achar brecha

(Comentário no Jornal da Gazeta 1 quinta 11 de maio de 2018)

Para ver clique no link abaixo:

Para ver no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

http://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/por-uma-brecha/

Podcast Estadão Notícias: Não foi bem assim

Podcast Estadão Notícias: Não foi bem assim

Memorando do diretor da CIA em 1974, William Cosby, ao secretário de Estado dos EUA à época, Henry Kissinger, obtido nos arquivos da Inteligência americana pelo pesquisador da FGV Matias Spektor revisa a história da abertura do regime militar para democracia tal como a conhecemos hoje. Nele, o funcionário conta que em reunião com outros três generais, entre os quais o então chefe do SNI e depois seu sucessor, João Figueiredo, o presidente Ernesto Geisel, assim que empossado, autorizou Figueiredo a controlar a continuação da política de execução de “subversivos perigosos” nos porões da repressão, tal como era praticada no governo anterior, sob Emílio Médici. Conclui-se daí que a saída da ditadura para democracia não foi uma retirada. Este é meu comentário no Podcast Estadão Notícias, no ar no Portal do Estadão desde as 6 horas da sexta 11 de maio de 2018.

Para ouvir clique no link abaixo:

http://brasil.estadao.com.br/blogs/estadao-podcasts/analise-eleitor-brasileiro-ainda-tem-fetiche-por-alguem-que-mande-ouca-no-estadao-noticias/

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

http://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/nao-foi-bem-assim/

Comentários no Estadão às 5H: Bomba na abertura

Comentários no Estadão às 5H: Bomba na abertura

Um petardo atômico de efeito retardado atingiu em cheio a história oficial da abertura democrática durante os dois últimos governos do regime militar. A CIA revelou documento de seus arquivos registrando uma reunião do general Ernesto Geisel, então presidente da Republica, com seus colegas de farda Milton Tavares de Souza e Confúcio Danton de Paula Avelino, um saindo e o outro entrando no Centro de Inteligência da força, e o diretor do SNI, João Figueiredo. Conforme relato dos americanos, Milton contou ao chefe que 104 inimigos do regime haviam sido executados por ordens superiores no governo de Emílio Medici e perguntou se essa política teria sequência. Geisel autorizou a continuação e encarregou Figueiredo de decidir quais “subversivos perigosos” seriam executados e quais seriam poupados. Este foi um dos comentários meus no Estadão no Ar, programa da TV Estadão, ancorado por Emanuel Bomfim, transmitido do estúdio no meio da redação do jornal e retransmitido pelas redes sociais Youtube, Twitter, Periscope Estadão e Facebook na quinta-feira 11 de maio de 2018, às 17 horas.

Para ver o vídeo clique no play abaixo:

Para ver no Blog do Nêumanne, Politica, Estadão, clique no link abaixo:

http://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/uma-bomba-na-abertura/

Podcast Estadão Notícias: Desculpa vazia

Podcast Estadão Notícias: Desculpa vazia

Nem mesmo os três “soltadores” oficiais, Gilmar, Toffoli e Lewandowski, que derrotam frequentemente o relator Edson Fachin na Segunda Turma do STF, desta vez, votaram a favor do sonho do “Lula livre!” e mantiveram o preso mais famoso do Brasil na cela em Curitiba em mais uma votação virtual, 4 a 0 até o voto do decano Celso de Mello, ao interminável estoque de embargos regimentais e embargos dos embargos dos embargos dos advogados de defesa. Ainda haverá recursos a serem apresentados e, muito provavelmente, goleados, mas isso só ampliará a certeza de que o condenado em segunda instância não está sendo perseguido por Polícia, Ministério Público e Justiça federais, mas simplesmente cumprindo pena por crimes comuns. Este é meu comentário no Podcast Estadão Notícias, que figura no Portal do Estadão desde as 6 horas da quinta-feira 11 de maio de 1018.

Para ouvir clique no link abaixo:

http://brasil.estadao.com.br/blogs/estadao-podcasts/estadao-noticias-brasil-se-protege-de-crise-argentina-mas-alta-dos-juros-nos-eua-preocupa/

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Politica, Estadão, clique no link abaixo:

http://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/desculpa-vazia/

Podcast Estadão Notícias: Sem tirar a máscara

Podcast Estadão Notícias: Sem tirar a máscara

Ao anunciar sua desistência de se candidatar à Presidência da República, o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa agiu da mesma forma como fizera ao se aposentar no Olimpo do Poder Judiciário: sem dar satisfação alguma ao público pagante. Esta foi a forma que encontrou para não ter de enfrentar uma campanha politica presidencial, que nunca é de alto nível, mas também não deixa intactos fatos mantidos sob o véu do sigilo e da conveniência de quem se arrisca a disputar o maior de todos os poderes. Como explicar que, tendo sido implacável com todos os outros acusados, deixou Lula de fora do alfanje do mensalão, fiel a sua antiga militância petista, mas não à fama de juiz imparcial e inabalável que tentou construir em embates com pares no plenário? Como sustentar sua definição de “impeachment Tabajara” para o caso Dilma a um eleitorado que não aceita essa mistificação? Este é meu comentário no Podcast Estadão Notícias, no portal desde as 6 horas da quarta-feira 9 de maio de 2018.

Para ouvir clique no link abaixo:

http://brasil.estadao.com.br/blogs/estadao-podcasts/estadao-noticias-joaquim-barbosa-sai-da-cena-eleitoral-como-entrou-calado/

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

http://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/sem-tirar-a-mascara/

Página 4 de 76«...23456...1015202530...»
Criação de sites em recife Q.I Genial