Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Podcast

Comentário no Jornal Eldorado: Bolsonaro trata público como privado

Comentário no Jornal Eldorado: Bolsonaro trata público como privado

“Moro, você tem 27 superintendências, eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro”.  Por que a do Rio? “Porque é o meu Estado”. Estas frases constam de uma conversa pelo aplicativo WhatsApp entre o autor, o presidente da República, Jair Bolsonaro, e seu então ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, que entregou seus aparelhos de telefonia celular aos interrogadores do depoimento prestado sábado na sede da Polícia Federal em Curitiba no sábado 3 de maio. Reveladas com o maior destaque nas edições do dia de todos os meios de comunicação do País, elas expõem com clareza e cinismo uma extrema mistura de público e privado, como nunca talvez antes tenha havido na História. A revelação dessa confissão só se tornou possível porque o decano do STF, Celso de Mello, tirou todo o sigilo do processo de que constam.

Para ouvir comentário clique no play abaixo:
Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

Assuntos para comentário da quarta-feira 6 de maio de 2020:

1 – Haisem – Depoimento de Moro à PF – ‘Você tem 27 superintendências, eu só quero uma, a do Rio’ – O que há, a seu ver, de tão chocante nesta frase que o ex-ministro da Justiça atribuiu ao presidente da República, Jair Bolsonaro e é a manchete de primeira página da edição do Estadão de hoje

2 – Carolina – Você acha que o presidente Jair Bolsonaro cumprirá o prazo de 72 horas, dado ontem pela Justiça do Distrito Federal para que ele explique as mudanças no comando da Polícia Federal

3 – Haisem – Celso de Mello autoriza depoimento de três ministros generais – Que conseqüências práticas, em sua opinião, poderá ter essa decisão do decano do Supremo Tribunal Federal na investigação sobre as acusações feitas por Sérgio Moro contra Jair Bolsonaro

4 – Carolina – Que resultados poderá ter no inquérito aberto pelo decano do STF, Celso de Mello, a mensagem de WhatsApp exibida ontem pelo presidente Jair Bolsonaro no seu celular que, segundo ele, prova que o Sérgio Moro vazou informação sigilosa à imprensa

5 – Haisem – O que provam, a seu ver, as revelações feitas ontem sobre as agressões de bolsonaristas a profissionais da saúde e jornalistas em manifestações públicas que chegam perto.muito perto, de gabinetes do governo federal

6 – Carolina – Que revelações faz o primeiro editorial do Estadão hoje para justificar o título a respeito do presidente Jair Bolsonaro, Um mau militar

 

DIRETO AO ASSUNTO NA REDE

Twitter, Youtube, FaceBook, Instagram

Clique nestes links:

Twitter, Youtube, FaceBook, Instagram

 

Comentário no Jornal Eldorado: Por que generais se incomodaram

Comentário no Jornal Eldorado: Por que generais se incomodaram

Segundo Moro disse em depoimento, Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Augusto Heleno Ribeiro (Gabinete de Segurança Institucional) e Walter Braga Neto (Casa Civil) estavam presentes quando o presidente ameaçou demiti-lo por resistir a uma troca no comando da PF. Ontem o procurdor-geral da República, Augusto Aras, pediu ao decano do STF, Celso de Mello, para ouvir os três, que, conforme Moro, presenciaram o encontro no dia 23 de abril. O trio tem manifestado revolta contra o ex-juiz da Lava Jato e a assessoria jurídica do Planalto aconselhou silêncio. Se a reunião está gravada e o vídeo for executado, os três generais não poderão mentir. Se isso os incomoda, a futrica vazada na sede do poder da República pegou mal. Mas já deixa claro que Moro disse a verdade. Se tivesse mentido, eles não se incomodariam.

Para ouvir comentário clique no play abaixo:

 

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

 

Assuntos do comentário da terça-feira 5 de maio de 2020:

1 – Haisem – PGR quer ouvir três ministros militares citados por Moro – Esta é a manchete da edição do Estadão hoje – Você já tem algo a dizer sobre as prioridades do procurador-geral da República, Augusto Aras, em que o acusado, o presidente da República, Jair Bolsonaro, não é sequer cogitado para dar seu depoimento

2 – Carolina – Como você interpreta o pedido da defesa do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro para quebrar o sigilo do depoimento que o acusador deu sábado na Polícia Federal de Curitiba

3 – Haisem – Agressão à imprensa é intolerável, diz Defesa – Que comentário você tem a fazer a respeito da nota oficial distribuída ontem pelo ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, sobre a atitude rancorosa e estúpida dos participantes da carreata da morte pró-ditadura e a favor de Bolsonaro

4 – Carolina – Qual é o tom do principal editorial do Estadão hoje, intitulado Selvagens simplesmente, a respeito da agressão do repórter fotográfico Dida Sampaio e do motorista Marcos Pereira, ambos do Estadão e que trabalhavam na cobertura do ato público antidemocrático de domingo 3 de maio

5 – Haisem – O que você argumenta no artigo semanal O contragolpe do capitão de milícias, publicado hoje no Blog do Nêumanne do Portal do

Estadão

– Carolina – Flávio Migliaccio morre aos 85 anos – é o título da primeira página da edição de hoje do Estadão sobre a morte do ator consagrado no cinema e na televisão brasileiros. Que destaque você daria ao fato

Comentário no Jornal Eldorado: Bolsonaristas agridem democracia

Comentário no Jornal Eldorado: Bolsonaristas agridem democracia

No domingo 3 de maio, dia da liberdade de imprensa, o presidente Jair Bolsonaro participou mais uma vez de um ato público que encerrou a carreata da morte em frente a seu local de trabalho, o Palácio do Planalto, acusando o STF de ter violado a democracia proibindo que ele nomeasse um diretor geral da Polícia Federal que foi seu segurança na campanha e se tornou amigo dele e de seus filhos, principalmente o 02, Carlos. Na aglomeração, que não é recomendável durante fase crítica da pandemia da covid-19, o fotógrafo do Estadão Dida Sampaio e o motorista da equipe foram agredidos a socos e pontapés por bolsonaristas radicais. e ele disse que, se houve mesmo a agressão, teria sido praticada por “infiltrados”. Pegou muito mal entre os militares sua afirmação de que eles estariam ao seu lado e do lado do povo.

Para ouvir comentário clique no play abaixo:

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

 

Assuntos para comentário da segunda-feira 4 de maio de 2020:

1 – Haisem – Bolsonaro diz estar no limite e ter apoio das Forças Armadas – O que você acha que deu no presidente da República levando-o a agredir frontamente a cúpula do Poder Judiciário, Neumanne

BOLSO 0405 B

2 – Carolina – Que resultados institucionais práticos podem ter, na sua visão, as declarações públicas de ministros do STF, do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e de outras figuras importantes da política brasileira a mais uma declaração explícita de Bolsonaro contra a democracia

3 – Haisem – Manifestantes pró-governo agridem equipe do Estado – diz título de chamada de primeira página da edição do Estado hoje. A que se deve o emprego da violência física dos apoiadores a qualquer custo do atual governo

4 – Carolina – Quando se tolera o intolerável – é o título do principal editorial da página de opinião do Estado hoje. Qual é a posição tomada pelo jornal a respeito das agressões à equipe de cobertura dos atos antidemocráticos apoiados pelo presidente Jair Bolsonaro

5 – Haisem – Militares dizem que Bolsonaro tentou usar prestígio das Forças Armadas – é o título da manchete da capa do Portal do Estadão hoje. Até que ponto você acha que os comandantes de Exército, Marinha e a Aeronáutica poderão reagir contra esses arreganhos autoritários do presidente da República

6 – Carolina – Ao reforçar acusações, Moro cita ministros – diz outro título de chamada de primeira página do Estado. Você acha que esta poderá vir a ser uma prova importante do ex-ministro da Justiça contra seu ex-chefe no inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal a respeito de sua saída

Direto ao Assunto no YouTube: Milagre seria renunciar já

Direto ao Assunto no YouTube: Milagre seria renunciar já

O presidente Jair Bolsonaro disse na quarta-feira, 29 de abril, que, mesmo tendo cancelado a nomeação de Alexandre Ramagem para a direção-geral da Polícia Federal, não desistiu do sonho de ter o delegado à frente da corporação no futuro. Bolsonaro deu o recado ousado, absurdo e agressivo a um membro do STF, que nem sequer chamou pelo cargo certo, que seria ministro, não senhor na cerimônia de posse do ministro da Justiça, André Mendonça, que substituiu Sérgio Moro, quando pediu respeito à Constituição, com a qual ele chegou a se confundir, e pregou a autonomia entre os Poderes, que o julgador praticou. Depois de ter respondido à pergunta de um repórter sobre o recorde de mortes pela pandemia da covid-19 com a expressão de desprezo “e daí?”, ficou a certeza de que dele a Nação só pode esperar a renúncia já.

Para ouvir comentário clique no play abaixo:

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

 

Assuntos do comentário de quinta-feira 30 de abril de 2020:

1 – Haisem – Ministro do STF barra nomeação à direção da PF; Bolsonaro reage – diz título de chamada no alto da primeira página do Estadão hoje. De que adiantará, a seu ver, a reação do presidente da República à proibição do relator Alexandre de Moraes

2 – Carolina – O Portal do Estadão dá hoje a notícia de que Jair Bolsonaro já começou a bater cabeça com o ocupante de um gabinete no Planalto, o novo advogado-geral da União, José Levi. Como foi isso e como você interpreta

3 – Haisem – Como você acha que o presidente da República poderá economizar tempo no meio das três crises que o abalam, uma das quais criada por ele mesmo, e adquirir com facilidade informações sobre como lidar com a Polícia Federal e enfrentar o STF nessa relação tumultuada

4 – Carolina – Bolsonaro pressiona Receita para atender igreja evangélica – diz a manchete de primeira página do Estadão hoje. O que você tem a dizer sobre mais essa síndrome do reizinho birrento que baixou no capitão reformado do Exército

5 – Haisem – ‘Sai do seu mundinho de ódio’ – diz Dória a presidente – eis aqui mais um título de chamada de primeira página, agora sobre o debate áspero entre presidente e governadores estaduais a respeito do combate ao novo coronavírus pelas autoridades, em particular o de São Paulo

6 – Carolina – Morte por covid pode dobrar no Estado – diz mais um título de chamada de primeira página no Estadão – Estariam este Estado, o Brasil e o mundo vivendo neste mês de maio, dito mês das flores, uma absurda e inusitada tempestade perfeita

 
 

DIRETO AO ASSUNTO NA REDE

Twitter, Youtube, FaceBook, Instagram

Clique nestes links:

Twitter, Youtube, FaceBook, Instagram

 

 

 

 

Comentário no Jornal Eldorado: Bolsonaro devia renunciar

Comentário no Jornal Eldorado: Bolsonaro devia renunciar

No dia em que o Brasil contabilizou mais de 5 mil mortes por coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que lamenta, mas não tem o que fazer em relação ao recorde de 474 óbitos por covid-19 em 24 horas  Sua declaração é de uma desumanidade impressionante, indo do desprezo ao humor negro: “E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”, disse o chefe do governo, referindo-se ao seu segundo nome. Ninguém está exigindo milagre de quem não tem nenhuma vocação para santo. Mas em nome de seu tão proclamado amor à Pátria, ele podia renunciar, por exemplo. Faria grande favor à Nação e permitiria que o general Hamilton Mourão unisse poderes e chefes de executivos federal, estaduais e municipais com a população para combater, como ele não faz,  a terrível pandemia.

Para ouvir comentário clique no play abaixo:

 

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

 

Assuntos para comentário na quarta-feira 29 de abril de 2020:

1 – Haisem – País passa de 5 mil mortes por coronavírus e supera a China – Esta é a manchete da edição do Estadão hoje. E a reação do presidente da República, Jair Bolsonaro, foi “E daí? Querem que eu faça o quê?” Quando será que ele vai tomar conhecimento da realidade, hein, Nêumanne

2 – Carolina – Qual é a grande novidade da política que foi anunciada como nova por Bolsonaro e seus apoiadores, mas se mostrou para lá de velha no episódio da demissão de Maurício Valeixo pelo presidente Jair Bolsonaro provocando o pedido de demissão de Sérgio Moro

3 – Haisem – Que bastidores da queda do ex-juiz Sergio Moro você tem a revelar hoje a nossos ouvintes

4 – Carolina – O que você acha que pode mudar com as investigações sobre as revelações de Antônio Palocci e as descobertas sobre os atos nada republicanos do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral

5 – Haisem – De que especificamente trata seu artigo intitulado Polícia Federal, uma santinha de pau oco, publicado na página 2 do Estadão de hoje

6 – Carolina – Notícia publicada hoje no Portal do Estadão dá conta de que o Departamento de Logística do Exército admitiu ao Ministério Público que, de fato, revogou três portarias de controle de armas e munições para “atender à administração pública e as mídias sociais”. Como diria o poeta Carlos Drummond de Andrade, “e agora, José?”

 

Comentário no Jornal Eldorado: Presidente não pode tudo

Comentário no Jornal Eldorado: Presidente não pode tudo

“O presidente da República – que também é súdito das leis, como qualquer outro cidadão deste País – não se exonera da responsabilidade penal emergente dos atos que tenha praticado, pois ninguém, nem mesmo o Chefe do Poder Executivo da União, está acima da autoridade da Constituição e das leis da República”, escreveu o decano do STF, Celso de Melo, ao aceitar pedido de inquérito para investigar denúncias de Moro contra Bolsonaro. A frase sintetiza o que espera o chefe do Executivo ao longo deste inquérito pedido pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, que, em agradecimento à cortesia da própria nomeação, mandou investigar também o acusador por hipótese de denunciação caluniosa e eventual crime contra honra. Como se percebe, seu intuito de pagar favor é maior do que o espírito de justiça.

Para ouvir comentário clique no link abaixo e, em seguida, no link abaixo:

 

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

 

 

Assuntos do comentário de terça-feira 28 de abril de 2020:

1 – Haisem – STF manda apurar declarações de Moro contra Bolsonaro – é a manchete do Estadão de hoje na primeira página. Em que essa decisão tomada em decisão monocrática do decano do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, pode atrapalhar o governo federal durante a crise atual

2 – Carolina – O que representam para o inquérito aberto pelo Supremo as decisões do presidente Jair Bolsonaro de nomear o advogado-geral da União, André Mendonça, para o Ministério da Justiça, e o presidente da Agência Brasileira de Informação, Alexandre Ramagem, para a direção-geral da Polícia Federal

3 – Haisem – Como você interpreta a declaração do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, de que é preciso cautela para analisar os pedidos de impeachment do presidente Jair Bolsonaro, depois de um longo silêncio após as acusações do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro

4 – Carolina – De que trata especificamente seu artigo publicado no Blog do Nêumanne do Portal do Estadão hoje sob o título O coronavírus como arma política

5 – Haisem – Estado ganha o direito de obter testes do presidente – é título de chamada na primeira página do jornal. Qual é sua opinião sobre esta notícia

6 – Carolina – O que você tem a dizer sobre a carta do general Eugênio Paceli Vieira Motta abordando a interferência indevida, segundo o Ministério Público Federal, do presidente Jair Bolsonaro tornando flexíveis normas de comercialização de armas pelo Exército

 

DIRETO AO ASSUNTO NA REDE

Twitter, Youtube, FaceBook, Instagram

Clique nestes links:

Twitter, Youtube, FaceBook, Instagram

 

 

Página 3 de 19712345...1015202530...»
Criação de sites em recife Q.I Genial