Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Perdoador-geral

Com seu vernáculo trôpego de Odorico Paraguaçu, o prefeito folclórico da fictícia Sucupira da novela e do seriado O bem amado, de Dias Gomes, do cerrado, o senador Joaquim Roriz (PMDB-DF) fez uma defesa considerada fraca tecnicamente pelo presidente nacional de seu partido, Michel Temer (SP). Nem por isso ela foi irrelevante. Em pelo menos um trecho, Sua Excelência produziu uma sutil, mas cabal, definição de como as coisas funcionam aqui. No meio de sua versão, considerada estapafúrdia pelo colega Romeu Tuma (DEM-SP), corregedor, o réu apelou para um argumento decisivo: o de que nunca negou seu apoio às propostas do governo. Ou seja, não interessa se ele cometeu, ou não, um delito que configure quebra do decoro parlamentar. O que está em jogo é sua lealdade de fiel serviçal do governo.
Essa mentalidade de encarar o debate político como um Palmeiras X Corinthians ou Vai Vai X Camisa Verde e Branca, na base do ou está comigo ou está “sem migo”, como diria o jogador Dedeu, do Náutico de Recife, levou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a absolver o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), até que se produza prova de sua culpa. Do alto de sua montanha de votos e na crista da onda da popularidade, apesar do Caos Aéreo Nacional e do “me dá um dinheirinho aí” do mano Vavá, o chefe do Executivo incorporou de novo seu papel favorito de “perdoador-geral da República”. E conta para isso com o silêncio cúmplice da oposição, pois o DEM passou 24 horas na presidência do Conselho de Ética do Senado, não indicou o relator, como deveria ter feito, e ainda fingiu disputar a presidência. Argh!
© Jornal da Tarde, terça-feira, 03 de julho de 2007.

Envie para um amigo

Criação de sites em recife Q.I Genial