Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Mário Chamie

Mário Chamie

Mário Chamie é poeta. Da Instauração Práxis, em que surgiu aclamado por intelectuais como Gilberto Freyre, até hoje, quando é estrela de primeira grandeza na literatura nacional, seu nome se destaca na produção poética. Mas ele é também um ensaísta respeitado, tendo publicado textos profundos e precisos sobre temas literários e culturais. Um de seus ensaios mais venerados é sobre Macunaíma, saga do herói sem nenhum caráter da lavra de outro Mário, o de Andrade.
Sua obra mais recente, Paulicéia Dilacerada, resultado de pesquisas e estudos iconográficos, epistolares e comportamentais do autor de Paulicéia Desvairada, tem como ponto central o xará e grande antecessor, mas não pode ser rotulada como pertencente a algum gênero literário. Tem que ver com poesia, pois reproduz alguns poemas importantes do gigante do modernismo e outros do próprio autor, que no livro assume a identidade de Máior Hacime, anagramas de seus nome e sobrenome. Mas é, acima de tudo, prosa. Nâo propriamente de ficção, pois o texto, elegante e ágil, com esmeros de ourives próprios do autor, é escrito na primeira pessoa como se o tivesse sido pelo outro Mário, num espelhamento e concomitância de vozes ou falas de ambos.
Trata-se também de um ensaio, mas elaborado de forma inusitada, pois, atribuído ao pretenso autor, reflete conceitos e idiossincrasias do escritor oculto. Máior (não no sentido de mais grande, mas no de mais experiente, como no latim e no castelhano) Hacime (a ser pronunciado com o agá aspirado, com o sotaque dos árabes, dos quais o autor descende, mas sem disfarçar a condição de topo do pódio que o anagrama trai) faz de conta que é o modernista, mas sem deixar de ser o poeta de agora.
Só por isso, o mais recente lançamento do poeta de Cajobi, tomando emprestado a dor, o perfil e os conceitos do colega nascido na Rua Aurora, entra com peso e estardalhaço na anêmica produção literária nacional de nossos dias, mais empenhada em mumificar os vivos que em extrair dos mortos geniais a seiva criadora deles.
Chamie (ou melhor, Hacime) encontrou no xará de Andrade idêntica condição múltipla: poeta, ensaísta, especialista em comunicação de massas e professor, o autor de hoje reproduz o inventor e pensador de ontem – ele mesmo poeta, romancista, folclorista, formulador de políticas culturais, animador e, pasme, um grande urbanista.
A prosa de Chamie não é ficção. Pois, afinal, não há um só pensamento expresso em suas frases, curtas e pontiagudas como punhais envenenados, que não seja da lavra do fundador do Departamento de Cultura de São Paulo e que deu o nome à Biblioteca Central, que fica ali na Rua Xavier de Toledo. Nas cartas a amigos, mais do que em qualquer outra fonte, o autor contemporâneo encontrou as raízes das mágoas e contrariedades de seu tema. Demitido por burocratas medíocres que substituíram seu protetor Fábio Prado na Prefeitura de São Paulo, o primeiro Mário destila sua amargura e seu rancor contra os principais responsáveis por seu afastamento do Departamento de Cultura e, depois, pelo arquivamento de sua política cultural, que se pretendia também a matriz de um plano urbanístico para São Paulo, na cadência rápida e certeira que o segundo Mário deu ao texto do livro. São eles: Prestes Maia, Abraão Ribeiro e Faria Lima.
Ou seja, além de incinerar o lixo literário acomodado de nossos dias, produzindo uma obra literária além e acima dos gêneros, o autor desse libelo genial traz a lume uma revelação: Mário de Andrade foi urbanista.
Da leitura de Paulicéia Dilacerada, escrito na ortografia anterior aos remendos da atual, emerge a constatação de que o gênio fundador do modernismo na literatura brasileira também foi capaz de prever a degeneração urbanística da cidade onde nasceu e foi sepultado. Chamie encontrou nas diatribes do xará de antanho contra a indigência burocrática que o afastou da coordenação do movimento cultural paulistano argumentos sólidos o suficiente para concluir que os destruidores de seus sonhos e planos também demoliram a cidade que ele imaginava ver crescer sobre bases culturalmente orgânicas e civilizadas. Um crescimento não movido por uma tacanha mentalidade provinciana, de feição quatrocentona, mas por força de nossos valores culturais sincréticos que dão vida à grande rapsódia de Macunaíma.
Mário de Andrade morreu cedo, assassinado pela estreiteza obreirista de engenheiros que soterraram sua cidade sob aço, cal, asfalto e cimento de viadutos e avenidas, hoje glorificados como sábios gestores de uma megalópole que não pode parar. O caos de 8 de setembro é o supremo feito desses “tocadores de obras” imitados por sucedâneos contemporâneos (como Paulo Maluf). O xará Chamie reuniu erudição, coragem e talento formal para ressuscitar o cadáver enterrado na Consolação, compartilhando com o leitor seu lamento e sua indignação pela degenerescência do burgo que vendeu sua alma acolhedora ao diabo do automóvel, que mora nos entulhos de uma megalópole insana.

Envie para um amigo

Criação de sites em recife Q.I Genial