Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

No Blog do Nêumanne: Sob o império da barbárie

No Blog do Nêumanne: Sob o império da barbárie

A notícia do padre degolado em sua paróquia provinciana na Normandia do desembarque das tropas aliadas para libertar a França do jugo alemão, uma referência paradoxal, trouxe-me um misto de imagens e sensações de minha memória, de minhas leituras e de meu conhecimento, de minha angústia e de minha perplexidade. Veio-me à mente a execução, também por arma branca, do beato Sebastião por Rosa, a mulher do vaqueiro Manoel, no clássico do cinema Deus e o Diabo na Terra do Sol, do gênio sertanejo e baiano de Glauber Rocha. A leitura do brilhante texto de Gilles Lapouge na Internacional do Estadão nesta quarta-feira (http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,morte-de-um-sacerdote,10000065166) despertou-me para o paradoxo da escolha da França cristã dos cruzados e agnóstica dos iluministas, de Voltaire e de Céline como alvo do terror suicida e insano. De fato, vivemos hoje em pleno conflito irracional da tentativa de exterminar os barões da cristandade que tentaram sem sucesso tomar Jerusalém dos sarracenos no Medievo, empreendida pelos jihadistas num mundo em que a perda da fé religiosa, substituída pelo fausto comodista do consumismo burguês (e a França é também a primeira pátria da burguesia como classe social e como padrão ideológico e político), ressuscita a glória da morte pelo extermínio da razão. É terrível este eterno retorno à barbárie, justificado como arma contra a opressão por Sartre, europeu entorpecido pela tentação socialista, e combatido por Camus, africano criado e educado em terra habitada por árabes muçulmanos. Nesta luta louca não há lugar para o bucólico, como mostra a execução do sacerdote em seu templo dedicado ao eterno e ao sagrado, conceitos tradicionalmente respeitados nos piores espasmos da truculência na civilização humana. Como pode haver paz num território em que o guerreiro nunca descansa e a vítima pode ser qualquer uma e estar em qualquer lugar? Tão assassina quanto o terror é a insensibilidade blasé com que certa intelligentsia presunçosa e estúpida tenta reduzir tudo às fronteiras fechadas dos próprios limites, que, aliás, desconhece. Como vê, estou triste, ensimesmado e meditabundo, apreensivo com o mundo que desaba num barranco ameaçando a sobrevivência de meus companheiros de luta e o futuro de meus amados descendentes. Contemplando essa ruína, temo e choro.

Foto: REUTERS/Steve Bonet , no  Estadão. Internacional

Foto: REUTERS/Steve Bonet , no Estadão. Internacional

Envie para um amigo

Criação de sites em recife Q.I Genial