Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Nesta quarta-feira no Estadão: Graças a Deus, ainda há Anvisa em Brasilia

Nesta quarta-feira no Estadão: Graças a Deus, ainda  há Anvisa em Brasilia

José Nêumanne

Por 5 a 0 agência de vigilância sanitária

resgatou vida e ciência e recusou culto à morte

Devotos do apóstolo Tomé, que exigiu ver o Cristo ressuscitado e tocar nas chagas da crucifixão para crer, tinham sérias razões para duvidar que a diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizasse o uso emergencial da Coronavac, do laboratório chinês Sinovac e do Instituto Butantan, paulista. Seus cinco diretores foram indicados pelo presidente Jair Bolsonaro, que chama o imunizante de “vachina” e fez o possível e impossível para sabotar sua utilização na “campanha nacional de vacinação”, de ainda duvidosa existência, fiel à condição de artilheiro matador e a sua estúpida negação da ciência.
Tal dúvida tinha precedente a motivá-la. O diretor-presidente da agência, contra-almirante Antônio Barra Torres, apesar de médico, prestigiou, ao lado do chefe do Executivo, ato antidemocrático na Esplanada dos Ministérios, sem máscara nem distanciamento social, em 15 de março de 2020. Ficou claro na ocasião seu apoio aos golpistas bolsonaristas, expostos na ocasião em palavras de ordem, cartazes e faixas de ataque ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Congresso Nacional. Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, foram os nomes mais criticados pelos manifestantes. Em cartazes, parlamentares eram chamados de chantagistas. Um deles defendia fogo e álcool combinados para enfrentar o “vírus” do Supremo Tribunal Federal (STF). “Bolsonaro se aproximou dos manifestantes, fez selfies com o rosto colado e tocou nas mãos das pessoas. Em alguns momentos da transmissão do encontro, Torres apareceu filmando os cumprimentos entre Bolsonaro e os apoiadores presentes”, conforme relato dos repórteres do Estadão Jussara Soares e Mateus Vargas.

Imensa, portanto, foi a surpresa de telespectadores que, em audiência de transmissão de decisão futebolística, acompanharam a decisão histórica esperando o pior, caso do autor destas linhas, ao ouvir a abertura de Torres endossando as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) no combate à pandemia: distanciamento social, uso de máscaras e higienização obsessiva. Estas foram adotadas pelo primeiro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e pelo governador do Distrito Federal (DF), Ibaneis Rocha, que, há dez meses, proibiu aglomerações. As recomendações dos técnicos deram o pontapé inicial nas dúvidas que ainda pairavam no ar sobre a votação.

A relatora, Meiruze Freitas, foi indicada pelo corpo técnico da Anvisa, com estabilidade garantida pela Constituição (conforme destacou o penúltimo diretor a votar), e indicou caminho similar ao dos apóstolos de Cristo na estrada de Emaús: aprovação da Coronavac com a garantia de acompanhamento da segurança pelos fornecedores e pela própria agência. Romison Mota e Cristiane Gomes, também nomeados pelo capitão cloroquina, acompanharam a relatora.

O quarto voto merece destaque. Foi de Alex Campos, que começou homenageando, de forma emocionante, os mortos por covid e seus entes queridos enlutados. Numa demonstração de coragem e gratidão, citou o ex-ministro Mandetta, em cujo gabinete serviu e por quem foi indicado ao presidente para preencher o cargo. E, last but not least, elogiou a independência no trabalho dos meios de comunicação, que, a seu ver, o servidor público deve respeitar. Sem perder em momento algum a sobriedade, deu uma aula de civilidade e responsabilidade e, garantida a maioria, afastou o fantasma do negacionismo, que pareceu fugir da sala.

No último voto, o presidente Torres jogou a pá de cal nas pretensões de quem o indicou para o posto e apostou na mortífera tentativa de desqualificação da imunização. Na sessão, de mais de cinco horas, o brado de independência foi: “Vá e vacine”. E só imunizar não deterá o avanço do contágio do novo coronavírus. A cereja do bolo foi a condenação explícita do “tratamento precoce”, codinome da devastadora hidroxicloroquina, que o charlatão-mor da República quer impor a médicos e hospitais do País.

A Anvisa deu o primeiro passo. Os secretários estaduais de Saúde se disseram no limite com o ainda chefe do governo. Em entrevista ao canal do autor deste artigo no YouTube, o ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior disse que há mais motivos para impeachment agora do que quando participou do de Collor e foi coautor do de Dilma. O próprio capitão de milícias não se fez de rogado ao comentar a goleada de cinco a zero sofrida: “Não tem o que discutir mais”. E eximiu-se do dever de ofício de apoiar a imunização.

Isso faz lembrar a fábula do moleiro ao comentar a vitória sobre Frederico II, “sacro imperador da Prússia”, que tentou desapropriar seu moinho: “Ainda há juízes em Berlim”. Sim. Em Brasília há a Anvisa. Resta saber se ainda existirão no cerrado seco representantes do povo no Congresso e ministros da cúpula judiciária à altura de seus cargos para fazer o que urge: depor o capitão da morte Jair Bolsonaro por meios constitucionais. Isso já devia ter sido feito. Mas sempre será tempo de mudar e fazê-lo, como o fez Barra Torres. Agora, não. Já! Se qualquer dia for perdido, mais de mil brasileiros serão condenados à morte por omissão e inépcia de um governo assassino.

*Jornalista, poeta e escritor

Envie para um amigo

Criação de sites em recife Q.I Genial