Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

José Nêumanne Pinto fala sobre Ética e Jornalismo na UniÍTALO

José Nêumanne Pinto fala sobre Ética e Jornalismo na UniÍTALO

Transcrição da matéria publicada na página da  UniÍtalo – Centro Universitário Ítalo Brasileiro.

Palestra foi a atração desta terça-feira na Jornada, promovida pelo novo Núcleo de Ética e Cidadania do UniÍtalo

José Nêumanne Pinto foi a atração desta terça-feira (13) da I Jornada de Ética e Cidadania do UniÍtalo. O evento, que continuará durante toda a semana, é realizado pelo novo Núcleo de Ética e Cidadania do Centro Universitário Ítalo Brasileiro, idealizado e liderado pela Dra. Viviane Maldonado, Juíza de Direito da 1ª Vara Cível do Foro Regional de Santo Amaro.

Com o Teatro Ítalo Brasileiro novamente lotado, José Nêumanne Pinto conversou com os presentes sobre Ética e Jornalismo e abordou temas que tomam o noticiário nacional, demonstrando como a falta de ética vem transformando as relações humanas em um estado de barbárie. Com vasta experiência na imprensa, o jornalista atualmente é comentarista da rádio Jovem Pan e editorialista do jornal O Estado de S. Paulo, além de já contar com 11 livros publicados.

Terrorismo

José Nêumanne Pinto iniciou sua apresentação falando sobre a banalização da violência e lembrou de casos recentes no país, como a morte de um torcedor de futebol em Pernambuco, atingido na cabeça por um vaso sanitário arremessado por rivais.

Lembrou da atuação de Jean-Paul Sartre e Albert Camus na Guerra de Libertação da Argélia, nas décadas de 50 e 60, e de como o primeiro apoiou ataques terroristas, enquanto o segundo sempre se posicionou contra as ofensivas. “Não ao terror sempre. O terror é indiscriminado e, portanto, bárbaro”, citou.

Segundo Nêumanne, em uma coletânea de editoriais escritos por Camus, ainda sem tradução para o português, fica clara a ideia do primado da ética sobre o interesse, algo que parece totalmente invertido atualmente no Brasil. “Pensei em pedir para um amigo deputado mudar os dizeres da bandeira de ‘ordem e progresso’ para ‘me engana que eu gosto’ ou para ‘o feio não é roubar, é ser pego’”, brincou.

Opinião

Ao falar sobre jornalismo, o comentarista não poupou críticas à falta de espaço para a opinião nos telejornais, principalmente em sua “ex-casa”. “O SBT extinguiu a opinião e isso é um crime que eu gostaria de denunciar para vocês aqui hoje. Justamente o SBT, que foi um dos pioneiros da opinião na televisão”. O jornalista foi demitido no início de 2014, junto com outros comentaristas como Denise Campos de Toledo e Carlos Chagas.

O palestrante também repudiou a censura à Rachel Sheherazade, também do SBT. Apesar de considerar que a colega errou em seus comentários – nos quais é acusada de estimular a violência, por exemplo –, condenou a mordaça instituída pela emissora.

Barbárie em nosso quintal

“O tema fundamental do século XXI é a ética a serviço da cidadania”, afirmou. Para demonstrar que este assunto ainda precisa evoluir muito na atual sociedade, voltou a comentar sobre barbáries atuais, como o sequestro de estudantes na Nigéria por extremistas mulçumanos.

Nêumanne, no entanto, alertou que o problema não está apenas em outros países e nem tão longe quanto muitos pensam. Relatou que sua esposa é professora na periferia de João Pessoa (PB) e que um de seus alunos sumiu da escola por algum tempo, se escondendo dos traficantes locais, segundo relatos. Quando o estudante reapareceu, havia tido suas mãos deformadas pelos criminosos.

O ético é a favor da vida

O jornalista também abordou o caso do linchamento de uma mulher no Guarujá. “É um ato de barbárie totalmente incompreensível. Um ato terrorista”, recriminou. Contou, ainda, que está acontecendo algo ainda pior: os traficantes da região estão assassinando os agressores, porque o caso atraiu a polícia para a região e está atrapalhando os negócios.

Isto, segundo Nêumanne, é uma combinação terrível de Lei de Talião – “olho por olho, dente por dente” – e do primado do negócio sobre o indivíduo, no qual o traficante, que já pratica uma atividade ilegal, considera suas vendas mais importantes que a vida dos demais. “É muito fácil identificar o que é ético ou não. O que é ético é a favor da vida. O que não é ético é a favor da morte”, definiu.

Antes de abrir espaço para as perguntas da plateia, comentou também sobre a falta de ética no cotidiano do cidadão comum, como o suborno a um guarda de trânsito, por exemplo, e de como isso influencia na sociedade. “Hoje, só temos condições de viver se colocarmos a vida em primeiro lugar. Não só a nossa, mas a do outro também”.

Perguntas

Questionado sobre a atuação ética e a relação entre o interesse do público e a privacidade no fazer jornalístico, o palestrante afirmou que considera que pessoas públicas escolhem ter sua vida devassada, exceto por alguns momentos de privacidade, e que enxerga com naturalidade quando a imprensa aborda temas sobre a vida particular destas pessoas.

Sobre a dificuldade de se trabalhar a ética na educação, tema levantado pela professora Hânia Pilan, falou que é uma missão quase impossível ser professor no Brasil. “Ao longo da minha carreira, aprendi que o maior problema do Brasil é a educação, do primário ao ministro. É um desafio muito complicado.”

“Hoje, a escola é o lugar onde se ‘desalfabetiza’ o aluno. Quem aprendeu alguma coisa em casa, desaprende na escola, principalmente na pública. Isto é muito triste”, lamentou. Após criticar as atuações dos governos PT e PSDB em relação à educação, respondeu à professora: “Não tenho nenhuma palavra consoladora para lhe dar”.

Perguntado por uma aluna sobre quais seriam os benefícios da Copa do Mundo para o país, Nêumanne rebateu prontamente: “Nada!”. A reação foi recebida com muitos aplausos pela plateia. Depois, falou que errou sua previsão sobre a Copa, pois conseguiram roubar ainda mais do que ele poderia imaginar e não haverá legado nenhum. “Sou Flamengo e ia muito ao Maracanã. Me sinto duplamente lesado: por terem derrubado o Maracanã e por terem gastado 1,3 bilhões para construir uma arena. É um estádio de b*”, reclamou.

Para encerrar, falou um pouco mais sobre a classe política brasileira, mas lembrou que os cidadãos também devem atuar eticamente para ajudar a melhorar a situação do país. “Não tem nenhum fdp ladrão lá que não foi colocado por nós”, frisou. “O Brasil somos todos nós!”

Envie para um amigo

Criação de sites em recife Q.I Genial