Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Doutor Pedalada

Como jogador do Internacional de Porto Alegre, Didi Pedalada não deixou lembranças similares às de craques como Tesourinha, Flávio, Falcão ou Alexandre Pato. Seu nome entrou mesmo para a história como o agente do Dops gaúcho que seqüestrou os uruguaios Lilian Celiberti e Universindo Díaz, que os tiranos brasileiros entregaram de mão beijada aos colegas uruguaios.
As ditaduras militares no Cone Sul foram extintas, mas esse tipo de colaboração internacional, não! Agora mesmo, a zelite petista que manda no País despachou de volta para Cuba, a pedido do ditador Fidel Castro, os boxeadores Guillermo Rigondeaux e Erislandy Lara, que tentaram trocar o Paraíso socialista pelo inferno do capitalismo selvagem. Mas foram impedidos pela Polícia Federal, sob o comando do causídico gaúcho Tarso Genro.
Sua Excelência foi rápido e rasteiro para mandar seus Didis Pedaladas de agora localizarem e prenderem os “desertores”, conduzidos ao jatinho especial que o Comandante enviou ao Brasil para tornar efetiva a deportação decretada pelo governo dos amigos companheiros. E não lhe faltou cara-dura para mandar seus assessores contarem que o governo não tinha como impedi-los de voltar a Cuba, porque eles nem sequer pediram refúgio.
A presteza da deportação dos pugilistas contraria a tradição brasileira de abrigar assaltantes como o inglês Ronald Biggs e colegas de Fidel, caso do paraguaio Alfredo Stroessner. Mas, desta vez, Lula nem pode dizer “nunca antes neste País”, pois os militares já o tinham feito. Agora é torcer para que os deportados não tenham pior destino que os uruguaios. Afinal, eles sobreviveram.

© Jornal da Tarde, quinta-feira, 02 de agosto de 2007

Envie para um amigo

Criação de sites em recife Q.I Genial