Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Palestras

Flashes da palestra na banca de advocacia Fernandes & Figueiredo

Flashes da palestra na banca de advocacia Fernandes & Figueiredo

Na banca de advocacia Fernandes & Figueiredo, na quarta, 13 de agosto:

FFadv_010

Palestra na banca de advocacia Fernandes & Figueiredo

Em destaque

Nêumanne entre Edson Fernandes (à direita) e Francisco Petros (à esquerda).

 

Foto evento dia 13 de agosto

Nêumane entre Edson Fernandes (a direita) e Francisco Petros (a esquerda).

 

image001

 

Nêumanne: palestra no 5º Lubgrax Meeting

Nêumanne: palestra no 5º Lubgrax Meeting

O jornalista, poeta e escritor José Nêumanne Pinto fez palestras em São Paulo sobre a conjuntura nacional depois da queda do avião na qual morreu o candidato a presidente da República pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), Eduardo Campos, na quarta-feira 13 de agosto de 2014, à noite, durante a inclusão do economista Francisco Petros na equipe da banca de advocacia Fernandes & Figueiredo e em evento patrocinado pela revista Lubgrax, especialista em lubrificantes, na quinta-feira 14 de agosto de 2014, pela manhã.

neumanne08

Na primeira, Nêumanne falou, depois de Petros, economista muito respeitado no mercado paulistano e que agora acrescenta a suas atividades profissionais a condição de advogado que milita na área administrativa e empresarial, mostrando-se chocado, emocionado e triste com o acidente de Santos na manhã do dia da palestra. Nêumanne externou aos participantes sua conclusão de que as conseqüências da tragédia sobre as eleições de outubro e tudo o que vier a acontecer na política e na gestão pública no Brasil depois delas ficaram tão imprevisíveis como o fora o próprio acidente.

Na manhã seguinte, falando para fontes, assinantes e clientes da revista especializada Lubgrax, Nêumanne salientou a orfandade do País com a morte de Campos, que era um dos líderes mais importantes da geração que começou a fazer política depois do golpe militar de 1964. Sua participação na construção da democracia brasileira, segundo o conferencista, seria vital para que o País consiga sair do inferno astral político, econômico, ético, moral e de desempenho na gestão pública atualmente.

neumanne_isabel

“O Brasil Depois da Copa”: convite de Francisco Petros

“O Brasil Depois da Copa”: convite de Francisco Petros

Prezado Zeneu, taí o convite:

Depois de cinco anos de estudos, concluí o meu bacharelado em Direito e daqui por diante serei um advogado. Creio sinceramente que precisamos nos renovar e esta foi a minha principal motivação para tomar este caminho. A prática do Direito nas áreas do direito empresarial, sobretudo no mercado de capitais, se coaduna perfeitamente com a minha formação acadêmica e experiência profissional de cerca de trinta anos em corporate finance, asset management, fusões e aquisições e consultoria financeira. Estou muito feliz por esta conquista pessoal e profissional.

Neste contexto, ao mesmo tempo, complementar e novo, resolvi me associar ao escritório Fernandes, Figueiredo Advogados. Trata-se de uma competente sociedade de advogados especializada nas áreas de direito empresarial: societário, contratos, tributário, imobiliário e civil. Serei o sócio responsável pelas áreas de mercado de capitais e societária.

Em comemoração a todos os fatos acima, gostaria de convidá-lo para o evento que terá a palestra do jornalista José Nêumanne Pinto “O Brasil Depois da Copa” (vide convite abaixo) no próximo dia 13/8, ocasião em que formalmente será comunicada a minha associação ao escritório. Nada melhor que acreditar no futuro. De cada um de nós e do Brasil.

Conto com a sua presença.

Fique com o abraço de,

Francisco Petros

francisco

José Nêumanne Pinto fala sobre Ética e Jornalismo na UniÍTALO

José Nêumanne Pinto fala sobre Ética e Jornalismo na UniÍTALO

Transcrição da matéria publicada na página da  UniÍtalo – Centro Universitário Ítalo Brasileiro.

Palestra foi a atração desta terça-feira na Jornada, promovida pelo novo Núcleo de Ética e Cidadania do UniÍtalo

José Nêumanne Pinto foi a atração desta terça-feira (13) da I Jornada de Ética e Cidadania do UniÍtalo. O evento, que continuará durante toda a semana, é realizado pelo novo Núcleo de Ética e Cidadania do Centro Universitário Ítalo Brasileiro, idealizado e liderado pela Dra. Viviane Maldonado, Juíza de Direito da 1ª Vara Cível do Foro Regional de Santo Amaro.

Com o Teatro Ítalo Brasileiro novamente lotado, José Nêumanne Pinto conversou com os presentes sobre Ética e Jornalismo e abordou temas que tomam o noticiário nacional, demonstrando como a falta de ética vem transformando as relações humanas em um estado de barbárie. Com vasta experiência na imprensa, o jornalista atualmente é comentarista da rádio Jovem Pan e editorialista do jornal O Estado de S. Paulo, além de já contar com 11 livros publicados.

Terrorismo

José Nêumanne Pinto iniciou sua apresentação falando sobre a banalização da violência e lembrou de casos recentes no país, como a morte de um torcedor de futebol em Pernambuco, atingido na cabeça por um vaso sanitário arremessado por rivais.

Lembrou da atuação de Jean-Paul Sartre e Albert Camus na Guerra de Libertação da Argélia, nas décadas de 50 e 60, e de como o primeiro apoiou ataques terroristas, enquanto o segundo sempre se posicionou contra as ofensivas. “Não ao terror sempre. O terror é indiscriminado e, portanto, bárbaro”, citou.

Segundo Nêumanne, em uma coletânea de editoriais escritos por Camus, ainda sem tradução para o português, fica clara a ideia do primado da ética sobre o interesse, algo que parece totalmente invertido atualmente no Brasil. “Pensei em pedir para um amigo deputado mudar os dizeres da bandeira de ‘ordem e progresso’ para ‘me engana que eu gosto’ ou para ‘o feio não é roubar, é ser pego’”, brincou.

Opinião

Ao falar sobre jornalismo, o comentarista não poupou críticas à falta de espaço para a opinião nos telejornais, principalmente em sua “ex-casa”. “O SBT extinguiu a opinião e isso é um crime que eu gostaria de denunciar para vocês aqui hoje. Justamente o SBT, que foi um dos pioneiros da opinião na televisão”. O jornalista foi demitido no início de 2014, junto com outros comentaristas como Denise Campos de Toledo e Carlos Chagas.

O palestrante também repudiou a censura à Rachel Sheherazade, também do SBT. Apesar de considerar que a colega errou em seus comentários – nos quais é acusada de estimular a violência, por exemplo –, condenou a mordaça instituída pela emissora.

Barbárie em nosso quintal

“O tema fundamental do século XXI é a ética a serviço da cidadania”, afirmou. Para demonstrar que este assunto ainda precisa evoluir muito na atual sociedade, voltou a comentar sobre barbáries atuais, como o sequestro de estudantes na Nigéria por extremistas mulçumanos.

Nêumanne, no entanto, alertou que o problema não está apenas em outros países e nem tão longe quanto muitos pensam. Relatou que sua esposa é professora na periferia de João Pessoa (PB) e que um de seus alunos sumiu da escola por algum tempo, se escondendo dos traficantes locais, segundo relatos. Quando o estudante reapareceu, havia tido suas mãos deformadas pelos criminosos.

O ético é a favor da vida

O jornalista também abordou o caso do linchamento de uma mulher no Guarujá. “É um ato de barbárie totalmente incompreensível. Um ato terrorista”, recriminou. Contou, ainda, que está acontecendo algo ainda pior: os traficantes da região estão assassinando os agressores, porque o caso atraiu a polícia para a região e está atrapalhando os negócios.

Isto, segundo Nêumanne, é uma combinação terrível de Lei de Talião – “olho por olho, dente por dente” – e do primado do negócio sobre o indivíduo, no qual o traficante, que já pratica uma atividade ilegal, considera suas vendas mais importantes que a vida dos demais. “É muito fácil identificar o que é ético ou não. O que é ético é a favor da vida. O que não é ético é a favor da morte”, definiu.

Antes de abrir espaço para as perguntas da plateia, comentou também sobre a falta de ética no cotidiano do cidadão comum, como o suborno a um guarda de trânsito, por exemplo, e de como isso influencia na sociedade. “Hoje, só temos condições de viver se colocarmos a vida em primeiro lugar. Não só a nossa, mas a do outro também”.

Perguntas

Questionado sobre a atuação ética e a relação entre o interesse do público e a privacidade no fazer jornalístico, o palestrante afirmou que considera que pessoas públicas escolhem ter sua vida devassada, exceto por alguns momentos de privacidade, e que enxerga com naturalidade quando a imprensa aborda temas sobre a vida particular destas pessoas.

Sobre a dificuldade de se trabalhar a ética na educação, tema levantado pela professora Hânia Pilan, falou que é uma missão quase impossível ser professor no Brasil. “Ao longo da minha carreira, aprendi que o maior problema do Brasil é a educação, do primário ao ministro. É um desafio muito complicado.”

“Hoje, a escola é o lugar onde se ‘desalfabetiza’ o aluno. Quem aprendeu alguma coisa em casa, desaprende na escola, principalmente na pública. Isto é muito triste”, lamentou. Após criticar as atuações dos governos PT e PSDB em relação à educação, respondeu à professora: “Não tenho nenhuma palavra consoladora para lhe dar”.

Perguntado por uma aluna sobre quais seriam os benefícios da Copa do Mundo para o país, Nêumanne rebateu prontamente: “Nada!”. A reação foi recebida com muitos aplausos pela plateia. Depois, falou que errou sua previsão sobre a Copa, pois conseguiram roubar ainda mais do que ele poderia imaginar e não haverá legado nenhum. “Sou Flamengo e ia muito ao Maracanã. Me sinto duplamente lesado: por terem derrubado o Maracanã e por terem gastado 1,3 bilhões para construir uma arena. É um estádio de b*”, reclamou.

Para encerrar, falou um pouco mais sobre a classe política brasileira, mas lembrou que os cidadãos também devem atuar eticamente para ajudar a melhorar a situação do país. “Não tem nenhum fdp ladrão lá que não foi colocado por nós”, frisou. “O Brasil somos todos nós!”

Palestra na abertura do XII Seminário Guarani

Palestra na abertura do XII Seminário Guarani

Na quarta 07 de maio de 2014, em S. Paulo, José Nêumanne Pinto compôs a abertura do XII Seminário Guarani com a palestra sobre o tema:  “Cenário político brasileiro em 2014 – que a sociedade espera do novo presidente”.

O  objetivo do encontro foi “reunir clientes, prospects, fornecedores, parceiros, investidores, colaboradores e representantes comerciais da Companhia para debater assuntos de mercado e oferecer informação de valor para o dia-a-dia de seus negócios”.

seminarioguarany

Também presentes na programação:

08h00 Abertura (Presidente Guarani e autoridades – hino nacional)
09h00 José Nêumanne Pinto
10h00 Ilan Goldfajn – “Perspectivas econômicas para 2014/15”
11h00 Intervalo
11h30 Paulo Fleury – “Infraestrutura Logística no Brasil”
12h30 Adriano Pires – “Energia: perspectivas e riscos para o Brasil no curto
e médio prazo”

13h30 Almoço

14h30 Luiz Carlos Corrêa Carvalho – “Cenário agrícola para a safra 2014/15 do Centro-Sul do Brasil”
15h10 Martinho Seiiti Ono – “A dinâmica do mercado de etanol na safra 2014/15”
15h50 Bruno Lima – “A dinâmica do mercado de açúcar na safra 2014/15”
16h30 Elizabeth Farina (Moderadora) – Painel açúcar e etanol.

17h15 Encerramento

Nêumanne, palestra na Abiplast

Nêumanne, palestra na Abiplast

No dia 6 de dezembro, pela manhã, em S. Paulo, Nêumanne proferiu palestra na Abiplast, sobre  “A atual conjuntura”.

06 de dezembro de 2013.

06 de dezembro de 2013.

Página 3 de 512345
Criação de sites em recife Q.I Genial