Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Política

No Estadão desta quarta-feira: Impunidade garantida

No Estadão desta quarta-feira: Impunidade  garantida

Voto de Cármen Lúcia a favor de Bendine indica que “garantistas” agora têm maioria no STF

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Velloso não concordou com a decisão, por 3 a 1, da Segunda Turma da Corte anulando a condenação do ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobrás Ademir Bendine. “Nem o Código Penal nem a lei da colaboração premiada fazem esta distinção que o Supremo adotou. Penso que não é possível o tribunal, invocando o direito de defesa, ampliar norma processual”. Especialista em combate à corrupção, o professor de Direito da USP Modesto Carvalhosa revelou idêntico entendimento no seu perfil no Twitter: “Este precedente, aberto graças à ministra Cármen Lúcia, a Gilmar Mendes e Lewandowski, foi apenas uma desculpa esfarrapada para dar argumentos aos advogados de Lula”. E o desembargador Walter Maierovitch ironizou: “Só de ficar atento ao voto de três ministros do Supremo Edson Fachin teve torcicolo”.

Leia mais…

No Blog do Nêumanne: O preferido e o preterido

No Blog do Nêumanne: O preferido e o preterido

Bolsonaro insiste em dizer que nomeará chefe da AGU para STF, 15 meses antes da aposentadoria do decano  Celso de Mello, para mostrar a Toffoli que não deixará de cumprir o combinado

Em almoço no sábado 31 de agosto no Quartel-General do Exército (vulgo Forte Apache), em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro dispôs-se a conversar informalmente, sem direito a gravação, com jornalistas. E como sempre ocorre nessas ocasiões, sentiu-se à vontade para fazer revelações informais, mas que gostaria de ver publicadas. Foi o caso de um assunto remoto, que ele faz questão de tornar urgente: a nomeação do substituto do decano do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello.

Leia mais…

No Blog do Nêumanne: Se manda, Moro, vai embora!

No Blog do Nêumanne: Se manda, Moro, vai embora!

Bolsonaro não quer arcar com o ônus moral da demissão de Moro e recorre a um morde-e-assopra que não condiz com as responsabilidades de seu posto nem com o prestígio do ministro da Justiça

No fim de semana, o presidente Jair Bolsonaro recebeu na página oficial de presidente da República o seguinte apelo de um internauta identificado como Bunny: “Jair Messias Bolsonaro, cuide bem do ministro Moro, você sabe que votamos em um governo composto por você, ele e o Paulo Guedes”. E respondeu: “Com todo o respeito a ele, mas o mesmo não esteve comigo durante a campanha, até que, como juiz, não poderia”.

O recado foi dado no noticiário de fim de semana e, a meu ver, não merecia o destaque que mereceu, mesmo sem levar em conta a extrema miséria do vernáculo a que foi reduzido. Afinal, se se considerar que até que possa ser um simulacro de porque a sentença capenga não configura uma tentativa sibilina de desautorizar, desmoralizar ou apequenar um ministro de Estado. Nem sequer mais uma das várias farpas que o chefe do governo tem disparado no ministro da Justiça e da Segurança Pública, com a qual ele parece oferecer corda para o ex-juiz se enforcar sem querer se dar ao trabalho sequer de lhe pôr o laço no pescoço.

Leia mais…

No Blog do Nêumanne: Não há deuses nesta tragédia

No Blog do Nêumanne: Não há deuses nesta tragédia

Nesta peça sem heróis, as almas enfermas

só querem piorar as doenças de todos

O presidente Jair Bolsonaro acaba de levar um pito do decano do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, por ter devolvido ao Congresso cópia de medida provisória (MP) ali antes derrubada. Ele próprio reconheceu que havia errado, embora tenha atribuído a iniciativa a um assessor do qual não declinou o nome. Antes disso havia encaminhado ao mesmo destinatário outra MP, transferindo o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Economia para o da Justiça. E os parlamentares o derrotaram, mantendo a inteligência financeira subordinada ao primeiro. Agora resolveu desviar aquele órgão para o Banco Central (BC). Um vaivém descabido, dirá qualquer brasileiro sensato. Mas o chefão não terá violado a Constituição. O Congresso é que poderá alegar que não há urgência, já que a subordinação do Coaf foi decidida faz muito pouco tempo.

Leia mais…

No Blog do Nêumanne: A ‘supertele’ de Lula quebrou

No Blog do Nêumanne: A ‘supertele’ de Lula quebrou

Telefônica Oi, “campeã nacional” do PT, em que o BNDES investiu R$ 15 bilhões, informou à Anatel que não tem dinheiro para cumprir contrato, e rombo de R$ 65 bilhões pode parar no bolso do pobre

Situação das contas da Oi piora e Anatel estuda intervenção, avisou o Estado em manchete da primeira página de sexta-feira 16 de agosto. Segundo o furo de reportagem de Renata Agostini e Mateus Vargas, de Brasília, o diagnóstico da situação da Oi, apresentado à cúpula da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) na semana passada, indicou que o dinheiro em caixa da operadora chegou ao “mínimo necessário”. Nada há a ser feito, a não ser cassar a concessão dada aos acionistas da telefônica e pô-la a cargo de Salim Mattar para leiloá-la a interessados o mais rápido possível. Só assim o rombo de RS$ 65,4 bilhões produzirá o efeito menos doloroso possível para o bolso dos pagadores de impostos do Brasil. O resto é lorota de espertalhão para livrar de responsabilidade os beneficiários do negócio em detrimento do Tesouro Nacional.

As projeções, às quais o Estado teve acesso, foram debatidas em reuniões realizadas na terça 13 de agosto e na quarta 14 na agência, que é responsável por regular o setor, das quais participaram cerca de 20 pessoas, incluindo integrantes da diretoria e o presidente da Anatel, Leonardo Euler de Morais. A apresentação, feita à cúpula da agência, incluiu o alerta de que, se a Oi não reagir, a interrupção da operação por falta de caixa tem “probabilidade alta” e apresentará impacto “muito alto” no sistema de telecomunicações.

Na divisão do bolo da estatal Telebrás em três empresas, durante o governo Fernando Henrique, sob égide de Sérgio Motta e de Luiz Carlos Monteiro de Barros, então ministro das Comunicações, a Brasil Telecom ficou com uma das três fatias da divisão em 2008. E a história da Oi começou mesmo com a estratégia do financiamento público do BNDES a empresários escolhidos a dedo pelo então presidente Lula, do PT, para criar o que ele com seu linguajar futebolístico, apelidou de “campeões nacionais”. Entre estes estavam Sérgio Andrade, da Andrade Gutierrez, e Carlos Jereissati, da La Fonte e do Shopping Iguatemi, mui amigo do petista, embora este tivesse como inimigo figadal seu irmão Tasso.

blog19ago

Em 2008 o petista patrocinou a aprovação do Marco Regulatório das Telecomunicações no Brasil, lei para promover no setor o que o marketing lulista consagrou como as tais “campeãs nacionais”, entre elas a “supertele”. A lei lembrava um fato pitoresco da História do Brasil: Getúlio Vargas assinou em 1943 um decreto-lei para permitir a seu desafeto e aliado Assis Chateaubriand exercer pátrio poder sobre a filha Tereza, e este passou a ser conhecido como “Lei Terezoca”. A criação da “supertele” pode, então, merecer o apodo de “Lei Telezoca” do padim Lula.

Agora vem aí a “supertele” Oi voltando a assombrar o Brasil.

A telefônica, que não era mais resultante da sociedade de Andrade e Jereissati, acumulou dívidas de R$ 65 bilhões e 400 milhões e obteve a segunda maior recuperação judicial da História, aprovada em 2017,  pelo juiz da  7.ª Vara Empresarial do Rio, Fernando Cesar Ferreira Viana, um megacalote que só viria a ser superado no ranking nacional pela Odebrecht, que em 12 de junho passado recebeu prebenda ainda maior, no valor de R$ 83 bilhões e 267 milhões do juiz João de Oliveira Rodrigues Filho, da 1.ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, no prazo recorde de um dia após o pedido.

Na semana passada a Anatel, em nota, desmentiu que estude a declaração de caducidade, que seria a tomada da concessão da telefonia fixa da Oi, e sua venda a um novo grupo ou empresa. O Estado informou que um novo marco regulatório das teles – truque idêntico ao de Lula há 11 anos – forneceria lenha para a Oi fazer fogueira com os bilhões pilhados direto do bolso dos pagadores de impostos. Mais uma vez, como em 2008, esse nome pomposo esconde uma maracutaia excepcional. Traduzindo: o governo ainda estuda a doação dos bens públicos que a Oi teria de devolver ao poder público. E lá vem o governo Bolsonaro ameaçando ressuscitar de novo acionistas que jogaram no lixo privilégios de negócios feitos a juros de pão de ló, como também se pretendeu fazer no governo Temer, sob os auspícios do presidente da Anatel à época, Juarez Quadros.

Trata-se de um escândalo inominável. Em vez de abrir a caixa-preta do BNDES, como o presidente Jair prometia em campanha, o banco público seria instado a esperar em silêncio no fim da fila dos credores (ou seja, todos os cidadãos brasileiros, cuja propriedade o capitão administra) sua vez de receber, que nunca vai chegar.

 Lula, Luciano Coutinho, presidente do banco à época em que o presente foi dado aos compadritos do petista, donos e diretores da Oi, que usufruíram o presente e, ainda assim, o quebraram e jogaram no lixo, deveriam ser punidos, jamais recompensados.

O escândalo não termina aí.

Eurico Teles, presidente da Oi, que atuou junto ao juiz Fernando Cesar Ferreira Viana para a aprovação da recuperação judicial, foi denunciado pelo Ministério Público Federal do Rio Grande do Sul em 2014 e se tornou réu em 2017 por formação de quadrilha, estelionato, patrocínio infiel e lavagem de dinheiro.  O esquema, segundo relatou a Polícia Federal (PF), consistia em subornar um escritório de advocacia que defendia 13 mil clientes em ações contra a Oi em troca de encerramento dos processos judiciais. Ou seja, Eurico e a Oi compravam o defensor de seus clientes insatisfeitos. Deu no que deu: a Oi faliu, devendo R$ 65,4 bilhões  aos credores, principalmente ao trabalhador brasileiro.

Pois só do BNDES a Oi tomou R$ 15 bilhões de empréstimos, que, com a recuperação judicial, como no caso da Odebrecht, não serão ressarcidos. E esta será mais uma bola nas costas de um yuppie da Tijuca, Gustavo Montezano, que ocupou a presidência do BNDES, sempre infiel depositário do dinheirinho suado do cada vez mais apropriadamente chamado de “contribuinte”, e, tudo indica, não vai fazer nada. Não tem idade nem competência para lidar com essas cobras criadas todas. E é um egresso do mercado, para onde voltará no dia em que concluir que não há caixa-preta a abrir e irritar o capitão no comando, que o defenestrará sem uma palavra de consolo do padrinho Paulo Guedes. Pois este sabe que, não sendo um “presidente banana”, mas um “presidente abacaxi”, o chefe manda e faz questão de confirmar com chumbo do Diário Oficial.

Na verdade, a Oi poderia – e deveria – servir de exemplo para um novo marco no Brasil na questão de recuperação judicial, em vez de ter seus acionistas e dirigentes beneficiados por mais uma “Lei Telezoca”. Afinal, a caixa-preta de recuperação judicial também está aí para ser aberta. É inaceitável a recuperação judicial de empresas, como Oi e Odebrecht, que corrompem o sistema e não são punidas do ponto vista patrimonial.

Emílio Odebrecht contou em delação premiada, sem rodeios, que sua empresa pagava propinas desde a época de seu pai, Norberto Odebrecht. Ou seja: é uma tradição secular de corrupção, passando de geração em geração. O ministro do Tribunal de Contas da União Bruno Dantas apresentou, em seu voto favorável ao bloqueio de bens da família Odebrecht, a solução, que é preservar a atividade empresarial e os empregos, punindo e afastando os donos da companhia. No caso de empresa envolvida em corrupção, é uma necessidade afastar os donos, os sócios. Caso contrário, vão continuar fazendo, o que fazem e fazem com maestria, pois são os melhores do mundo nessa modalidade:  corromper, conforme Dantas defendeu em entrevista no Blog do Nêumanne.

***********

Na sexta-feira 16, ficamos privados da companhia agradável e da conversa ácida, lúcida e implacável do grande brasileiro Roberto Gusmão. Ele entrou para a política como líder estudantil, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE). E fez História ao se aproveitar de brecha da Constituição liberal de 1945 (1946?), que autorizava o vice de uma chapa a se eleger com o presidente da outra, e inventar a chapa Jan-Jan (Jânio Quadros, apoiado pela UDN, e João Goulart, o Jango, delfim de Getúlio Vargas e do PTB). À época, aproveitou-se da confusão udenista, que não achou um vice para Jânio chamar de seu. Empresário, dono de uma cervejaria em Ribeirão Preto, incorporada pela Antarctica, da qual foi diretor, voltou à política na secretaria do governo de Franco Montoro, posto em que articulou a chapa Tancredo Neves-José Sarney no colégio eleitoral. Participei de jantares no restaurante Four Seasons com ele e Mauro Guimarães. Sou o único sobrevivente. Saudade dos três  intolerantes!

*Jornalista, poeta e escritor

(Publicado no Blog do Nêumanne segunda-feira 19 de agosto de 2019)

Para ler no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

um milhão2

No Blog do Nêumanne: Os delírios de poder de Toffoli

No Blog do Nêumanne: Os delírios de poder de Toffoli

Presidente do STF incorporou sem autorização dos eleitores chefia de poder moderador inexistente na República e se atribui condição de pacificador de eventuais conflitos entre Legislativo e Executivo

Em 23 de outubro de 2018, o advogado José Antônio Dias Toffoli tomou posse como 162.º presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), cumprindo uma praxe secular de rodízio entre os membros do colegiado que comanda o Poder Judiciário do País. O mais novo entre os 11, será o último a se aposentar, tendo, portanto, a rara possibilidade histórica de voltar ao posto de chefia. Em sã consciência ninguém podia esperar dele grandes feitos no campo jurídico. Em termos de “notório saber” (uma das duas exigências para ocupar o cargo, sendo a outra o “comportamento ilibado”), o que mais chama a atenção em seu currículo é ter sido reprovado duas vezes em concurso para a magistratura na primeira instância. Sem experiência alguma como juiz ou procurador (caso da maioria dos membros do plenário), nunca foi sequer um advogado que tenha brilhado em júris ou participado de grandes defesas perante a própria Corte. Desde estudante até o posto máximo sua experiência se limitou à assessoria jurídica do Partido dos Trabalhadores (PT) em bancadas, na assessoria jurídica da Casa Civil e na Advocacia-Geral da União sob as ordens de José Dirceu e Lula, ambos confinados em celas cumprindo penas por corrupção e lavagem de dinheiro.

No entanto, a Nação logo tomou conhecimento de suas ambições de poder e fama. Num quadro institucional tumultuado, com o País dividido entre esquerdistas fanáticos apeados do poder sob acusação de chefiarem e participarem do maior escândalo de corrupção da História e direitistas enfurecidos empenhados em apagar os gemidos de dor e rastros de sangue de uma ditadura militar sanguinária, acenou com um guardanapo de convescotes da República em Brasília falando em pacto. Talvez confiante de que sempre haverá algum “pato” para acreditar em fábulas de conciliação que animam os debates políticos na Pátria dividida ao meio pelo responsável por toda a sua carreira profissional, da solenidade de formatura até o raso Olimpo, que passou a chefiar, atirou-se ao afã de usar o martelo da última decisão judiciária para conquistar paz sem batalha. Foi o último a sair da residência oficial da presidência da Câmara dos Deputados no churrasco para o qual o chefe do Executivo, Jair Bolsonaro, ungido por quase 58 milhões de votos, carregou uma plêiade de auxiliares para exercer sua nova condição de mandachuva, após 28 anos de sombra no baixíssimo clero do Legislativo, com a parede de seu gabinete povoada de fotos de presidentes do regime militar. Nos piqueniques de luxo do Cerrado ou nos salões de hotéis de luxo do Ocidente capitalista, a lorota foi aplaudida com fervor, confiança e ignorância.

A crença na própria infalibilidade, contudo, levou-o a delírios perigosos, muito além do papo-furado de guisar patos dos lagos palacianos de Brasília. Após o fim do recesso de repouso gozado pela grei, o presidente começou o novo ano jurisdicional inventando uma investigação penal contra quaisquer fake news e denunciações caluniosas e difamantes, impondo uma mordaça a cada cidadão que ousar criticar qualquer ministro do STF. Num extremo esgar autoritário, nomeou o colega Alexandre de Moraes como relator, sem sortear o posto nem consultar nenhum dos dez colegas. No ímpeto de corresponder à confiança que nele foi depositada, este decretou a censura à revista Crusoé, do site O Antagonista, por haver revelado que o conviva da mesa ao lado tinha o codinome de “amigo do amigo do meu pai” na lista de propinas da Odebrecht, conforme delação premiada de um dos donos da empreiteira corrupteira, Marcelo Odebrecht. O mundo desabou sobre a luzidia calva do doutor e ele recuou. Mas nunca pediu desculpas pelo despautério. E mais: o citado ainda teve o topete de garantir que nunca houve censura no caso, como se, além de pacificador, mais do que Caxias, e conciliador aos modelos dos mineiros Bernardo de Vasconcelos e Tancredo Neves, ele estivesse acima da lei, das ideias e dos fatos. Mais até do que um condestável, como o gaúcho Pinheiro Machado, no governo do marechal Hermes da Fonseca.

Fiel ao figurino desenhado por seu colega serviçal do PT Rogério Favreto, do TRF-4, que tentou tirar Lula da “cela de estado-maior” da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba num plantão de fim de semana, Toffoli disparou mais uma decisão monocrática para radicalizar a mordaça protetora dos membros da grei. De uma canetada só, atendeu ao capricho paterno de Bolsonaro, proibindo o Ministério Público do Rio de Janeiro de levar adiante investigação sobre o primogênito presidencial, suspeito de “rachuncho” na Assembleia Legislativa fluminense. E em 1.º de agosto, sem ouvir ninguém, Moraes suspendeu apurações da Receita sobre ministros do Supremo, blindando, além do senador Flávio Bolsonaro, mais 132 pessoas, incluindo autoridades que estavam na mira do órgão. Considerou haver “graves indícios de ilegalidade no direcionamento das apurações em andamento” e “escolha subjetiva de fiscalização dos contribuintes”. Entre eles, a mulher do colega Dias Toffoli, Roberta Rangel, e a de Gilmar Mendes, Guiomar. E mais: os auditores da Receita responsáveis pela investigação, Wilson Nelson da Silva e Luciano Francisco de Castro, foram suspensos de suas funções.

A tentativa mentirosa de negar a censura foi perpetrada na reportagem de capa da revista Veja, em que o doutor nada douto foi tratado como o fiel da balança que tem num prato o peso dos votos de Bolsonaro e no outro a soma dos delitos criminais de que são acusados deputados.

Na citada entrevista à Veja, Toffoli atribuiu a seu “pacto” à aprovação em dois turnos na Câmara dos Deputados da reforma da Previdência: segundo ele, o eventual destravamento se teria devido ao arquivamento da CPI da Lava Toga. Sua intervenção para evitar impeachment — que, na verdade, nunca foi cogitado –, segundo Toffoli, só não teria ocorrido por haver ele contido uma insatisfação generalizada, até mesmo entre os militares. A revista registrou que, conforme Toffoli, o julgamento que pode libertar Lula será anunciado de supetão para evitar manifestações.

A manchete da Folha de S.Paulo de segunda-feira 12 de outubro, baseada num estudo da Fundação Getúlio Vargas Direito, de São Paulo, STF arquiva todos os processos de suspeição contra si, esclarece muito mais essa questão toda do que o ar majestático de barão do Império do presidente da instituição na capa da revista. A pesquisa revela que, “desde 1988, o Supremo Tribunal Federal arquivou todos os pedidos de impedimento ou suspeição contra seus ministros sem levá-los ao plenário, além de ter violado o regimento em ações sobre imparcialidade”. Na semana passada, Ricardo Lewandowski mandou arquivar ação da Rede Sustentabilidade contra a proibição de compartilhamento dos dados do Coaf, do Banco Central e da Receita Federal. Mais uma…

Aliás, a respeito do tema, o especialista em combate à corrupção Modesto Carvalhosa, professor de Direito da USP, publicou um post nas redes sociais conclamando os auditores das três instituições a não obedecerem à ordem de Moraes, que, segundo o jurista, viola o artigo 22 do Código Penal. “Cabe, portanto, aos servidores encarregados das funções de combate ao crime organizado, continuar exercendo plenamente suas funções de inteligência e de apuração de crimes financeiros, nos estritos termos do art. 15 da Lei sobre Lavagem de Dinheiro de 1998 e dos arts. 2.º e 9.º da Lei de Sigilo Bancário de 2001, remetendo-os à Polícia Federal e Promotoria Pública”, escreveu. E completou: “As decisões de Toffoli e Moraes foram reconhecidas como crimes de responsabilidade pela Procuradoria-Geral da República em 6 de agosto, pois ferem os princípios da moralidade, impessoalidade e legalidade e são objetos dos pedidos de impeachment protocolados no Senado contra os dois ministros. Por outro lado, os servidores suspensos em decorrência dessas criminosas ‘providências’ da dupla do STF têm o direito de impetrar mandado de segurança e habeas corpus perante a Justiça Federal para impedir o seu afastamento. O Sindifisco, por sua vez, tem legitimidade de ajuizar ação popular para que os dois Ministros sejam enquadrados na Lei de Improbidade Administrativa.”

Quando Carvalhosa publicou esse post, a Veja ainda não circulava nas bancas e entre assinantes. O que dizer agora, depois de Toffoli ter destampado a caixa de Pandora com declarações do arco da velha?

*José Nêumanne Pinto. Jornalista, poeta e escritor

(Publicado no Blog do Nêumanne na segunda-feira 12 de agosto de 2019)

Para ler no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique aqui.

Página 11 de 85«...5...910111213...2025303540...»
Criação de sites em recife Q.I Genial