Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Direto ao Assunto

Comentário no Jornal da Gazeta 1: Podridão no ar

Comentário no Jornal da Gazeta 1: Podridão no ar

Governo só não sente cheiro do próprio cadáver porque está morto

(Comentário no Jornal da Gazeta 1 terça-feira 12 de junho de 2018)

Para ver clique no play abaixo:

Para ver no Blog do Nêumanne, Politica, Estadão, clique no link abaixo:

https://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/podridao-no-ar/

Estadão Notícias: Juntos de novo

Estadão Notícias: Juntos de novo

Lula e Fernando Henrique parecem conectados desde muito tempo atrás e não conseguem se separar. Desta vez, o tucano depôs ao juiz Sérgio Moro em defesa do petista. Em benefício do réu e de si próprio, a testemunha contou que presidentes da República têm por obrigação, ao contrário de executivos privados, receber gente de toda espécie, de banqueiros a sindicalistas, o que é, por suposto, muito diferente de receber propinas, de que o sucessor da testemunha na Presidência é acusado pelo Ministério Público Federal para fazer reformas no sítio Santa Bárbara, em Atibaia. O depoimento foi tomado logo depois de ter sido divulgado que o próprio FHC teria sido pilhado num e-mail encontrado no computador de Odebrecht pedindo-lhe dinheiro para o PSDB. Este meu comentário faz parte do Estadão Notícias, inserido no Portal do Estadão às 6 horas da segunda-feira 11 de junho de 2018.

Para ouvir clique no link abaixo:

https://brasil.estadao.com.br/blogs/estadao-podcasts/estadao-noticias-o-combate-as-fake-news-e-a-massa-de-indecisos-nas-eleicoes/

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

https://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/juntos-de-novo/

Comentário no Jornal Eldorado: Abaixo da crítica

Comentário no Jornal Eldorado: Abaixo da crítica

O governo Temer é tão desastrado, sem rumo e despreparado que produziu uma crise que se prolonga para, sem força nem poder, acabar com a pane seca e a crise de desabastecimento de alimentos cedendo em tudo o que pediram os transportadores de cargas que bloqueavam estradas e saídas de refinarias, inclusive providências proibidas por lei. É o caso do tabelamento do frete, que contraria a economia de mercado, vigente por dispositivo constitucional. Como não conseguem cumprir o trato, os negociadores desatinados e desinformados levaram a uma situação descrita na linha fina da manchete do Estadão: “embarques do agronegócio têm 11 dias de atraso, indústria sente falta de insumos; tabela está sendo negociada”. Que porcaria de governo!

Para ouvir, clique no play abaixo:

Ou clique no link abaixo e, em seguida, no play:

https://soundcloud.com/jose-neumanne-pinto/neumanne-1206-direto-ao-assunto

Para ouvir O resto que se dane futebol clube, com Nelson Gonçalves, clique no link abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=133ykQyQNb0

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

https://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/abaixo-da-critica/

Assuntos do comentário da terça-feira 12 de junho de 2018

1 – Haisem – A manchete do Estadão hoje é espantosa: “Indefinição sobre frete de carga trava transporte.” Se o governo Temer não consegue cumprir uma condição que aceitou para interromper os bloqueios de estradas e definir fretes, ele consegue definir o quê?

2 – Carolina O ministro dito Extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, tem razão quando diz que vazamento dos inquéritos da Polícia Federal representa o “assassinato político” de seu chefe, o presidente Michel Temer?

3 – Haisem Até que ponto o uso de parte da arrecadação das loterias suprirá o combate ao crime e à violência pelo tal de Sistema Único de Segurança Pública – SUSP -, lançado ontem pelo governo?

4 – Carolina A defesa feita ontem pela presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, da liberdade de imprensa produzirá algum efeito benéfico na luta contra a violência contra jornalistas no Brasil, que tem sido uma das mais terríveis pragas nas instituições brasileiras contemporâneas?

SONORA_CÁRMEN 1206

5 – Haisem O recurso apresentado pela procuradora-geral da República Raquel Dodge pedindo a volta à prisão do ex-presidente da Fecomércio Orlando Santos Diniz e do ex-dirigente da Dersa Paulo Vieira de Souza, soltos da cadeia por habeas corpus do ministro do STF Gilmar Mendes, pode ser o início da reversão dessa guerra deste senhor contra o combate à impunidade que tem avançado e feito muito sucesso na primeira instância?

6 – Carolina O relator da Lava Jato, ministro do STF Luiz Edson Fachin, faz bem ao mandar mais um pedido de liberdade da defesa de Lula à Procuradoria-Geral da República para dar seu parecer ou já devia ter anunciado a decisão pedida?

7 – Haisem Por que, ao depor ontem em defesa de Lula perante o juiz Sérgio Moro no processo sobre a ocultação de patrimônio e uso de propina na reforma do sítio Santa Bárbara, em Atibaia, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que só tem a reformar sua cabeça?

SONORA_FHC 01

8 – Carolina Como você define a confissão do deputado Nelson Marquezelli de se beneficiar do projeto que isenta caminhoneiros de multas por ser proprietário de uma frota de 120 caminhões?

SONORA O resto que se dane futebol clube Nelson Gonçalves

https://www.youtube.com/watch?v=133ykQyQNb0

Assuntos do comentário da terça-feira 12 de junho de 2018

1 – Haisem – A manchete do Estadão hoje é espantosa: “Indefinição sobre frete de carga trava transporte.” Se o governo Temer não consegue cumprir uma condição que aceitou para interromper os bloqueios de estradas e definir fretes, ele consegue definir o quê?

2 – Carolina O ministro dito Extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, tem razão quando diz que vazamento dos inquéritos da Polícia Federal representa o “assassinato político” de seu chefe, o presidente Michel Temer?

3 – Haisem Até que ponto o uso de parte da arrecadação das loterias suprirá o combate ao crime e à violência pelo tal de Sistema Único de Segurança Pública – SUSP -, lançado ontem pelo governo?

4 – Carolina A defesa feita ontem pela presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, da liberdade de imprensa produzirá algum efeito benéfico na luta contra a violência contra jornalistas no Brasil, que tem sido uma das mais terríveis pragas nas instituições brasileiras contemporâneas?

SONORA_CÁRMEN 1206

5 – Haisem O recurso apresentado pela procuradora-geral da República Raquel Dodge pedindo a volta à prisão do ex-presidente da Fecomércio Orlando Santos Diniz e do ex-dirigente da Dersa Paulo Vieira de Souza, soltos da cadeia por habeas corpus do ministro do STF Gilmar Mendes, pode ser o início da reversão dessa guerra deste senhor contra o combate à impunidade que tem avançado e feito muito sucesso na primeira instância?

6 – Carolina O relator da Lava Jato, ministro do STF Luiz Edson Fachin, faz bem ao mandar mais um pedido de liberdade da defesa de Lula à Procuradoria-Geral da República para dar seu parecer ou já devia ter anunciado a decisão pedida?

7 – Haisem Por que, ao depor ontem em defesa de Lula perante o juiz Sérgio Moro no processo sobre a ocultação de patrimônio e uso de propina na reforma do sítio Santa Bárbara, em Atibaia, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que só tem a reformar sua cabeça?

SONORA_FHC 01

8 – Carolina Como você define a confissão do deputado Nelson Marquezelli de se beneficiar do projeto que isenta caminhoneiros de multas por ser proprietário de uma frota de 120 caminhões?

SONORA O resto que se dane futebol clube Nelson Gonçalves

https://www.youtube.com/watch?v=133ykQyQNb0

No Blog do Nêumanne: Suprema platitude federal

No Blog do Nêumanne: Suprema platitude federal

Como não se conseguem entender entre eles mesmos, ministros do STF tecem loas acacianas à democracia, mas um deles confessa que só não ama o povo para não ter de imitar Hitler

Atualíssima é a frase urdida pelo gênio político do pessedista maranhense Vitorino Freire nos idos sob a égide da Constituição mais liberal que o Brasil teve, a de 1946: “É tão grave a crise que vaca não reconhece bezerro”. A de hoje é pior: ficou difícil até distinguir vaca de bezerro, tão confuso se tornou o cenário institucional brasileiro. O presidente Michel Temer mandou as fantasias reformistas para as calendas que as prorroguem ou para os infernos que as carreguem. Fê-lo porque o Congresso também assumiu o Poder Executivo para livrar o chefe deste de duas incômodas investigações pedidas pelo amaldiçoado ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, não reconduzido ao posto, para se afastar do céu seco do Planalto a sombra de sua espada de Dâmocles enferrujada.

Na recente revolta dos carreteiros, o País parou, os preços de gás de cozinha e da gasolina subiram a bel-prazer dos transportadores de cargas, que bloquearam as rodovias e provocaram pane seca e desabastecimento geral de gêneros alimentícios de primeira necessidade. As batatas sumiram até da mesa dos vencedores, contrariando a lei da tribo imaginada por Machado de Assis, o gênio do Cosme Velho. Após ter mandado as Forças Armadas prenderem os rebelados do asfalto e não ter sido obedecido, decretado prisões que a Polícia Federal (PF) fingiu que não tinha de cumprir e lavrado multas que só serão cobradas quando o País construir o trem bala de submetralhadoras roubadas de quartel ou contrabandeadas por traficantes, o chefe do governo instituiu a “polipartilha” do poder, na qual caminhoneiros mandam, o Congresso ouve porque tem juízo, o Executivo obedece porque não pode mais e o Judiciário cala ou emite platitudes aos borbotões por meras vaidade e insensatez. Antes, falava-se em democracia, governo do povo, e agora chegamos à “dialogocracia” repetida, na qual o ex-futuro chefe e futuro ex-chefe na mesma pessoa fixa uma tabela de frete, anunciada como a mais nova “lei do antimercado” negociada, até que esta seja renegada pelos mais antigos mandamentos do mercado de pulgas da reinante insensatez ruminante.

Os pronunciamentos de brinquedo de papel machê foram economizados ou repetidos de acordo com a conveniência. Durante a crise na estrada, o dra. Cármen Lúcia, chefe suprema da Corte em que a Justiça não tem dois pesos e duas medidas, mas 11 passos e 11 retrocessos, em que os maus são abençoados e as pestes são distribuídas, fechou-se em copas, paus, ouros e espadas. No meio da refrega, fez-se ler em entrevista na qual falou sobre generalidades, mas nada disse nem lhe foi perguntado sobre a crise em que os consumidores de diesel ascenderam à aristocracia.

Mas seria injusto afirmar que, findas as batalhas após as quais os feridos foram meticulosamente espetados em ponta de baionetas, ela não se manteve silente e ausente. “A construção permanente do Brasil é nossa e é democrática e comprometida com a ética. Não há escolha de caminho: a democracia é o único caminho legítimo. Cumprimos nosso dever com a República Federativa do Brasil. Há de se ter serenidade, mas também rigor com o cumprimento e o respeito aos direitos, especialmente os fundamentais”, afirmou Cármen, na abertura de uma sessão do STF, que lhe cabe presidir até entregar, em setembro, o bastão ao atual vice, Dias Toffoli. No meio da balbúrdia generalizada de um plenário que não se entende nem sobre a duração do intervalo para o cafezinho, Cármen garantiu que essa algaravia promoverá a “aliança de cidadãos”, que se engalfinham nas redes sociais sobre a condução dos negócios da República, a necessidade de a atriz mulata ser retinta para interpretar a sambista negra e as decisões disparatadas de árbitros sobre as regras “claras” do ludopédio.

“Há de se ter seriedade e também manter a esperança. Há de se cuidar dos direitos e também garantir os serviços e o incansável combate à corrupção. Não vivemos de quimeras, embora lutemos por sonhos”, disse madame presidente na qualidade de Acácia dos Acácios naquela mesma ocasião. Dias depois, contrataria espaço e transporte exclusivo para ela e seus dez colegas evitarem o povo rebelde e barulhento no acesso comum aos aviões de carreira. Não é sui generis o conceito de igualdade dela?

No sábado, 9 de junho, palestrando em Londrina, no norte do Paraná, Estado onde o juiz de primeiro grau Sérgio Moro reina porque pune, o relator da Operação Lava Jato caprichou na paródia do bom mocismo galopante dando ao “óbvio ululante” de que falava o gênio do teatro e da crônica esportiva Nélson Rodrigues a majestade do nariz de cadáver de suas grã-finas favoritas. Ao participar do 2.º Congresso Internacional de Ciência Jurídica, o ministro do STF Edson Fachin obtemperou: “Parlamentares erram e por isso devem responder. Mas o Parlamento é essencial à vida democrática. Juízes também erram e por isso o Estado deve responder, mas o Judiciário é essencial à vida democrática. No Estado, administração também cometem erros desde o funcionário mais humilde ao mais gabaritado da Nação. E quem erra deve responder”. Fachin deu continuidade à manifestação deixando claro que considera fundamental a manutenção da administração pública como aparelho do Estado democrático. E também ponderou: “É fazendo as instituições funcionarem que o Brasil vai dar um futuro ao seu passado, como escreveram as professoras Heloisa Starling e Lilia Schwarcz, esta última em uma obra importante sobre a história recente do País” (Brasil, uma Biografia). Talvez fosse o caso de ele empregar definição mais clara e também mais escorreita a que recorreu Jânio Quadros quando questionaram sua predileção pela ingestão alcoólica: “Bebo porque é líquido. Se fosse sólido, comê-lo-ia!”

 Essa simplicidade cômica do ex-presidente não compareceu ao texto Contra notícia falsa, mais jornalismo, da lavra do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), também ministro do STF Luiz Fux, publicado neste Estado (na página 6 da edição de Política do domingo, 10 de junho), à guisa de introduzir sua eventual participação no Fórum Estadão sobre Fake News, ao qual terminaria faltando. Segundo o doutor, “o jornalismo de qualidade pode incomodar, mas sua existência, deve ser garantida”. No mais lídimo estilo Cármen Lúcia e Fachin, Fux completou seu rosário de lugares comuns com um que ao menos nos consola. Assim ele concluiu o texto publicado: o TSE “defende os profissionais que lutam para promover participação ativa dos cidadãos no processo democrático e repele qualquer tentativa de silenciá-lo”. Ufa, aleluia!

O mesmo não se pode dizer de seu inimigo cordial, o famigerado Gilmar Mendes, que o antecedeu na cadeira do TSE. Vários corpos à frente na corrida pela coroa de impopular-mor da República contra Temer, do qual é conviva no Jaburu, Sua Excelência capricha em atitudes antipáticas em pronunciamentos e votos no Supremo. Recusa-se a se considerar impedido e concede habeas corpus a mancheias a parentes da mulher, Giomar, e clientes da banca de advocacia da qual ela é sócia. E sempre que pode, citando ou sendo citado pelos “coleguíssimos” Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, desanca policiais, procuradores ou juízes federais de primeira instância pelo fato de combaterem a corrupção com denodo, atribiuindo-lhes garras e ganas absolutistas.

Em entrevista a Mário Vitor Rodrigues, que circula neste Portal do Estadão de domingo, o ministro que se diz “O Supremo” desfiou uma série de argumentos contra a simpatia do povo e a favor da impopularidade como único instrumento viável de justiça. Por falta de espaço, resumo todos em seis frases: “É preciso sempre advertir que se os tribunais decidem em consonância com a opinião pública eles colocam em risco os direitos e garantias constitucionais. Hitler dizia que os tribunais nazistas traduziam o espírito do povo… e foi o que foi. Eu cumpro esse papel com bastante tranquilidade e sei que estou honrando a minha missão institucional. Eu hoje disse a você que não me preocupo em fazer grandes obras, mas em evitar que se cometam catástrofes”. Quem quiser conhecer a íntegra de seus argumentos sobre a gênese nazista do populismo clique no link:

https://brasil.estadao.com.br/blogs/mario-vitor-rodrigues/entrevista-gilmar-mendes/

Em resumo, no Brasil, se não é cega, a Justiça é muito míope e só consegue enxergar o que mais apraz a quem dela se serve.

  • Jornalista, poeta e escritor

Para ler no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

https://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/suprema-platitude-federal/

Podcast Estadão Notícias: Retrato do desalento

Podcast Estadão Notícias: Retrato do desalento

O resultado da última pesquisa eleitoral divulgada pelo Datafolha é simplesmente devastador. O primeiro colocado em intenções de votos é o petista Luiz Inácio Lula da Silva, com 30%, embora seus correligionários e eleitores estejam cientes de que ele não poderá concorrer, de vez que é ficha suja por ter sido condenado a 12 anos e um mês de prisão em segunda instância pelo TRF4 de Porto Alegre por ter cometido crimes comuns de corrupção e lavagem de dinheiro. Os concorrentes em segundo e terceiro lugares, respectivamente Jair Bolsonaro e Marina Silva, com 15% e 11%, estão muito distantes dele e também se distanciaram do tucano Geraldo Alckmin, cujo desempenho, com apenas 7% de promessa de votos, somente um dígito, é o pior do partido na História. Este é meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão desde 6 horas da segunda-feira 11 de junho de 1018.

Para ouvir clique no link abaixo:

https://brasil.estadao.com.br/blogs/estadao-podcasts/estadao-noticias-pre-candidato-filho-de-jango-critica-os-que-pedem-retorno-da-ditadura-nao-sabem-o-que-foi/

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Politica, Estadão, clique no link abaixo:

https://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/retrato-do-desalento/

Comentário no Jornal Eldorado: E agora, a “lulodependência”

Comentário no Jornal Eldorado: E agora, a “lulodependência”

A cinco meses da eleição, pesquisa Datafolha, ao registrar crescimento para 34%, mais de um terço do eleitorado, do número de brancos e nulos, superior aos 30% de intenção de votos do primeiro lugar, Lula, que está fora da eleição por ser ficha suja após ser condenado e estar preso cumprindo pena, revela a desilusão da sociedade brasileira como um todo e a desmoralização da classe política. Estamos diante de um quadro preocupante. Convido quem duvidar de minha opinião a ler a entrevista do presidente do Partido Socialista Brasileiro (PSB), Carlos Sampaio, que dirigiu a campanha interrompida pela morte de Eduardo Campos, ao Estadão, revelando que partido que se pretendia alternativa ao binômio PT-PSDB ora se declara “lulodependente”.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado, FM 107,3, na segunda-feira 11 de junho de 2018, às 7h30m)

Para ouvir, clique no play abaixo:

Ou clique no link abaixo e, em seguida, no play:

https://soundcloud.com/jose-neumanne-pinto/neumanne-1605-direto-ao-assunto-1

Para ouvir Presidente Cara de Pau clique no link abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=EV9fm6Vpmz8

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Política, Estadão, clique no link abaixo:

https://politica.estadao.com.br/blogs/neumanne/9159-2/

Assuntos do comentário de 11 de junho de 2018-06-11

1 – Haisem O que explica a notícia de que as ausências de Lula e de Joaquim Barbosa na disputa presidencial fizeram crescer para 34% o total de votos nulos e brancos na pesquisa de intenção de votos da Datafolha publicada ontem?

2 – Carolina Qual é a explicação na mesma pesquisa para o DEM estar dando sinais claros de que pode afastar-se da candidatura de Alckmin e começa a namorar Ciro Gomes como opção para aliança na eleição presidencial?

3 – Haisem Qual é sua expectativa para a palestra que o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro do STF Luiz Fuix, fará hoje no Forum Estadão sobre fake news?

4 – Carolina Que dúvidas você tem sobre o mesmo Tribunal Superior Eleitoral ter, ou não, condições para separar o joio do trigo em matéria de fake news como este mesmo presidente, o ministro do STF Luiz Fux, anda apregoando pelo Brasil?

5 – Haisem A confissão do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral de que não pôde se conter diante de tanto poder perante o juiz é atenuante ou agravante que pode alterar a perspectiva da pena a ser cumprida por ele?

6 – Carolina Em que as revelações feitas na semana passada à Policia Federal a respeito da reforma da casa de Maristela, filha do presidente Michel Temer, se assemelham ao caso do triplex de Lula no Guarujá, que levou o juiz Sérgio Moro a condenar o petista e o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região em Curitiba aumentar a pena de 9 anos e meio para 12 anos e 1 mês?

7 – Haisem Que motivos a Polícia Federal tem para mudar seu foco na investigação sobre o porto de Santos da Rodrimar para outra empresa, a Libra?

8 – Carolina Em que a afirmação do relator da Lava Jato no Supremo, ministro Edson Fachin, de que juízes e parlamentares erram, mas o Judiciário e o Parlamento são essenciais para o funcionamento do Estado de Direito no Brasil ajudam a consolidar e fortalecer nossa democracia?

SONORA Bezerra da Silva Presidente cara de pau

https://www.youtube.com/watch?v=EV9fm6Vpmz8

Página 4 de 480«...23456...1015202530...»
Criação de sites em recife Q.I Genial