Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

Artigo para a coluna da Ric Mais: Fabrício: do cativeiro à cela

Artigo para a coluna da Ric Mais: Fabrício: do cativeiro à cela

O Grupo Ric de Comunicação põe à disposição de emissoras de rádio e jornais impressos ou em edição virtual três podcasts de três minutos cada e um artigo por semana. Interessados em publicar este material original deve entrar em contato com mash.leonardo@gruporic.com.br

Fabrício: do cativeiro à cela

José Nêumanne

Operação Anjo pode desvendar ligações perigosas

entre tentativa de autogolpe de Bolsonaro e ação de milícias

O faz-tudo de Flávio na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), Fabrício Queiroz, foi encontrado após longo e estranho sumiço. Ficou por um ano no cativeiro na casa confortável de Frederick Wassef, que se diz advogado dos Bolsonaros, pai e filho, mas tem jeitão e atua como faz-tudo atual da famiglia. Da paradisíaca Atibaia para o infernal complexo prisional de Gerinicó, em Bangu, a viagem de volta do sargento reformado da PM/RJ ao submundo da periferia de São Sebastião do Rio de Janeiro prenuncia uma rosário de dissabores para o presidente da República com novas informações que transcenderão à rachadinha.

As conexões do capitão com as milícias, que dominam bairros miseráveis da periferia da ex-Cidade Maravilhosa, foram até agora relegadas à eventualidade da simpatia e limitadas às coincidências. O discurso do deputado federal na Câmara criticando a condenação do tenente do Bope Adriano da Nóbrega por homicídio e a ordem para o primogênito condecorá-lo com a medalha Tiradentes argumentando que era herói popular, quando ele já era bandido passaram em brancas nuvens para aqueles que os adoradores do “mito” chamam de “isentões”. O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, disse que as milícias nasceram para o bem, mas depois se tornaram grupos armados, não mereceu sequer uma repreensão. As reações indignadas da famiglia Bolsonaro à queima de arquivo do fuzilamento do capitão Adriano foram minimizadas, como se houvesse algum laivo de humanidade naquela gentalha sempre desumana.

Mas agora veio o Ministério Público do Rio contar que Fabrício foi preso porque foi descoberto seu plano de fugir com a família, compartilhado com o “herói” do Bope que virou chefão da milícia do Rio das Pedras. E revelar que a transformação dos gabinetes de Jair, Flávio e Carlos em sedes de associação de proteção de famílias desamparadas de milicianas pode não ser mero interesse eleitoral, mas ilícito meio de vida.

O depoimento de Fabrício Queiroz, muitíssimo esperado em 18 meses desde a revelação de suas movimentações atípicas do Coaf pode, quem sabe, elucidar de forma definitiva que o projeto de armar o cidadão que Bolsonaro revelou na reunião do desgoverno pornô em 22 de abril é o ensaio  de um autogolpe. E precisa ser interrompido já, antes que seu decreto liberando totalmente a aquisição de munição, agora não mais rastreada pelo Exército, cumprindo cega e surdamente ordens de um governante insano e desumano pela falta de consciência de sua condição de instituição de estado, arme seu ensaio de autogolpe.

  • Jornalista, poeta e escritor

(Artigo da coluna semanal para grupo Ric Mais Comunicação)

Para ler no site do Grupo Ric Mais clique aqui.

 

Envie para um amigo

Criação de sites em recife Q.I Genial