Site oficial do escritor e jornalista José Nêumanne Pinto

A transfiguração de Ingrid Betancourt

A transfiguração de Ingrid Betancourt

Agoniza nas selvas a glamurização do banditismo na luta pelo poder político
No começo do século passado, o stalinismo cunhou a máxima do pragmatismo socialista de que “os fins justificam os meios”. Milhões de camponeses russos morreram de fome, sacrificados em nome desse conceito atroz. Passada a primeira metade do século da cibernética e da mecatrônica, a era da comunicação massificou o lema do sociólogo canadense Marshall McLuhan segundo o qual “o meio é a mensagem”. Neste despontar do século 21 essas palavras de ordem do passado se submetem a outra muito mais radical, banal e fria: na globalização, submetida a velha política ao moderno marketing, “os meios são o fim”. Esta será a impressão que terá o transeunte que, à saída da ópera no Teatro Alla Scala, em Milão, observou há dois meses a fotografia da exangue e desvalida refém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) Ingrid Betancourt e pode agora compará-la com os flagrantes da plena, corada e risonha higidez de sua libertação.
O milagre da transfiguração da imagem da refém-símbolo dos guerrilheiros das selvas colombianas pode ter sido conseguido por um programa de computador com nome inglês que transforma mocinhas bonitas em símbolos sexuais irresistíveis – só que com objetivo oposto. Será difícil comprová-lo algum dia. Assim como fácil não será atestar que nosso compatriota José Dirceu nunca foi submetido a uma alegada operação plástica que o teria enfeado para depois passar por outra que lhe devolveu as feições originais, embora não mais com o viço que fazia as mocinhas do Sacré-Coeur tremer dentro dos vestidos, como na canção Rua Ramalhete, de Tavito e Ney Azambuja. O certo é que, sob o domínio dos meios de comunicação, não é mais possível extrair desafetos de flagrantes históricos, como fazia Stalin com os bolcheviques da Velha Guarda que expulsava da via para o socialismo num só país. Mas é comum apelar para efeitos iconográficos com a intenção de reforçar algum aspecto heróico da personalidade de uma personagem pública para mitificá-la. Vivo, Che Guevara encarnou o ideal romântico dos anos 60 com seu aspecto de anjo hirsuto no instantâneo de Alberto Korda. Morto, o ângulo da foto similar ao do Cristo de Mantegna o fez jovem para sempre.
Agora os tempos são outros. Ao contrário do médico argentino executado nas brenhas bolivianas, Manuel Marulanda, o Tirofijo, morreu velho na cama e não mais chefiando um grupo de idealistas querendo salvar o povo desvalido do capitalismo selvagem. O contraste com a imagem do herói de Sierra Maestra era tal que nem seu mais notório padroeiro, o vizinho Hugo Chávez, permaneceu do lado do pesadelo da transformação dos heróis revolucionários em vilões que vegetam nos ermos tirando o sustento da comercialização de cocaína e de vidas humanas mantidas em cárcere privado.
Ingrid Betancourt freqüentou esse inferno por excesso de cálculo político. Senadora e candidata de um partido insignificante à presidência de uma República de longa tradição democrática, praticamente se deixou seqüestrar para constranger o adversário no governo e o favorito na eleição. Eleito e reeleito, Álvaro Uribe tornou-se seu salvador para, logo depois, voltar a ser o alvo preferencial de suas críticas e farpas. Não interessa se a foto da pobre mulher desvalida era autêntica ou retocada: ela tirou essa política do anonimato e a tornou iluminada no universo de brilhos da Galáxia de Gutenberg. Afora o transeunte curioso da Praça Leonardo da Vinci, em Milão, poucos perceberão a diferença entre o flagrante do desamparo e as faces louçãs da política resgatada – do acampamento infecto para os salões da moda, dos maus tratos no cativeiro para o afeto público do presidente da França.
Só na aparência as duas mulheres são diferentes. Na verdade, são uma só: se não fosse a mater dolorosa das selvas, a protagonista de fino trato na cena política nem existiria. Ingrid Betancourt deixou de ser prisioneira do desespero de um grupo que não tem mais o que fazer na cena da história para se tornar refém do marketing que ela própria construiu na preparação e depois no martírio do cativeiro contra o qual o mundo civilizado se rebelou.
Tolice cobrar da nova protagonista do jet set político internacional gratidão pelo homem que a libertou. Afinal, o presidente Álvaro Uribe não o fez por caridade ou simpatia, mas por mero e idêntico cálculo político. Saiu do episódio, com justiça, como o herói que resgatou a refém mais importante do mundo sem negociar com seus raptores, que era o que todos pretendiam – entre estes, a família dela e os trapalhões da esquerda continental que compareceram ao picadeiro do circo mambembe armado por Hugo Chávez na frustrada libertação de outros prisioneiros, anteriormente. E suas chances de mudar a regra constitucional para disputar o terceiro mandato consecutivo aumentaram muito com a operação. Melhor para ele. Só que na velha democracia dos barões ingleses e dos pais fundadores da Revolução Americana não há almoço grátis, como dizia Milton Friedman, o papa da turma de Chicago. A conta que ele tem a pagar é a mãozinha dada para a candidatura da ex-refém, que pode derrotá-lo.
Para Ingrid, para Uribe e para a civilização, o resgate na selva em que os experimentados guerrilheiros foram feitos de bobos tem um resultado que ultrapassa e transcende o mero oportunismo político, de que os dois protagonistas da próxima disputa eleitoral na Colômbia são acusados pelo escritor Fernando Vallejo, de Medellín. Pouco importa se as Farc sobreviverão aos golpes que lhes têm sido aplicados pelo Estado de Direito colombiano. Em seus acampamentos agoniza um dos mais sórdidos inimigos da velha e boa democracia: a glamurização do banditismo como forma de luta política. Só um tonto ainda vai cair nesse conto.

© O Estado de S. Paulo, quarta-feira, 10 de julho de 2008, p. A2

Envie para um amigo

Criação de sites em recife Q.I Genial